[PHOTOSHOOT] Alycia para a Monrowe Magazine.
Postagem por: Nalígia Moura

Alycia Debnam-Carey concedeu entrevista ao fotógrafo Max Papendieck, para a Monrowe Magazine, junto com um novo photoshoot incrível. E claro, nós traduzimos essa entrevista para vocês, confiram:

ALYCIA DEBNAM-CAREY : DA PARTE DE TRÁS DA ORQUESTRA PARA O CENTRO

Grandes mentes, é claro, pensam igual. Então, quando o fotógrafo Max Papendieck conheceu a atriz ascendente Alycia Debnam-Carey, sabíamos que era para ser. Os talentos australianos se encontraram em estúdio para discutir sobre música, “Fear the Walking Dead”, e a luta única de ser um jovem e auto-sustentável, criativo na América.

Max Panpedieck: Eu iria perguntar sobre a sua infância na Austrália, mas então eu ouvi que você era uma percussionista!
Alycia Debnam-Carey: Eu sinto que várias pessoas não sabem o que é isto. Eles ficam tipo “Isso significa que você toca triangulo?” Eu fiz percussão clássica desde quando eu tinha 8 anos até dezoito anos. Meu pai era músico, e meu irmão também é músico.
MP: Como essa transição se transformou em atuação?
ADC: Minha mãe era na verdade uma escritora de programa de televisão para crianças. Desde uma idade muito precoce, ela conseguiu fazer com que eu e meu irmão ajudasse os segmentos que ela tinha que escrever. Nós apenas participaríamos, e elas notou que eu realmente me agradava por isso. Então ela me manteve nisso. Não foi até eu ter 17 anos que eu comecei a ter entrevistas com os agentes – embora nada estivesse certo porque eu era muito nova na época. Isso não aconteceu até que eu conheci minha atual agência em Sydney. Assim que eu fiz 18 anos, eu assinei lá e nunca mais saí. Lembro-me de ter dito ao meu professor de bateria: “Eu vou para LA! Eu acho que vou ser uma atriz!
MP: Eu acho que, quando você sabe, você sabe.
ADC: Quero dizer, eu meio que sempre soube.

MP: Como foi aquele ano inicial quando você veio para Los Angeles: Foi difícil?
ADC: Sim. Não conhecia ninguém. Minha mãe veio comigo e fiquei no apartamento HomeWood, que, se você souber algo sobre HomeWood, é um lugar horrível para ficar. É conhecido por ter uma vibe inteira de “atores infantis”, que é realmente intensa. Todos nós [atores infantis] no mesmo lugar: era realmente bizarro. Mas eu reservei um emprego nas primeiras seis semanas.
MP: Isso é muito incrível, hein?
ADC: Realmente sortuda. Esse emprego fez eu ter meu visto e fui direto para a Carolina do Norte. Eu filmei lá por seis semanas e depois voltei [para LA]. Fiquei por dois meses e depois fechei outro emprego em Detroit. Foi o filme chamado “Into the Storm”, e isso foi incrível. Meu primeiro ano foi realmente muito incrível. No segundo ano, mudei para Los Angeles, não consegui um único emprego o tempo todo. Era uma dessas coisas em que eu tinha mais 1000 dólares na minha conta bancária até o final.

MP: Eu também estive assim. Não se preocupe com isso.
ADC: Eu acho que todos [estiveram assim] e você precisa dessa dificuldade. Sempre há um ano para pessoas que apenas são uma droga… Meus pais eram tão solidários, mas eles só podiam fazer tanto de longe. Eu só tinha que perder meu ego um pouco. Para não dizer que eu pensei que merecia tanto. É só que é muito fácil que as coisas sejam boas quando são boas. Mas é muito difícil fazer as coisas serem boas quando são difíceis. Você sabe que é o verdadeiro testemunho da força.
MP: Quando você está atuando, especialmente em “Fear the Walking Dead” você se transforma em seu personagem ou é mais que você pode mudar quando sai do set?
ADC: Eu acho que tenho mais uma separação entre o personagem e eu quando vou para casa. Preciso desse tempo para que eu possa apenas reabastecer e revitalizar.

MP: Você é boa para comentários e críticas?
ADC: Eu sou boa com Feedback; O feedback é o que me alimenta realmente. Eu sempre fui bastante determinada, e eu sou muito orientada. Meu principal objetivo é continuar crescendo e aprendendo. Há algumas coisas que as pessoas simplesmente não irão gostar em você, e essa é uma lição difícil de aprender. Mas se você sabe o que é seu estilo e você ama o que faz, pode apreciá-lo quando estiver certo.
MP: Onde você quer que sua carreira vá e o que você quer fazer no futuro? Onde se vê em dez anos? A Austrália está nos cartões de novo?
ADC: Austrália está sempre nos cartões, mas é tão difícil conseguir um trabalho lá embaixo. É um daqueles lugares onde eu adoraria voltar e trabalhar lá. Esse é um dos meus muitos objetivos e sonhos: fazer um filme que eu amo na Austrália… Eu adoraria fazer um filme de época – alguma coisa que eu possa afundar meus dentes de uma maneira diferente.
MP: É tudo sobre o equilíbrio, não é? Você não quer escolher um tipo de gênero.
ADC: Isso também é o que eu amo sobre a natureza desse trabalho. Você sempre está se movendo. Você sempre está mudando e sempre é diferente. Não há um dia nesse trabalho que seja o mesmo. Quando você recebe um novo script, um novo mundo em que você começa a atuar, é muito divertido para mim. Eu amo isso.

Confiram as lindas fotos clicando nas miniaturas abaixo:

23164356_177574109488588_4658005454008352768_n.jpg
23279252_298791643945788_7326806279572160512_n.jpg
Alycia-Debnam-CareyMonrowe10059_1_RGBpapendieck.jpg
Alycia-Debnam-CareyMonrowe9925_1_RGBpapendieck.jpg
MaxPapendieck2PDF-dragged-5_update.jpg

 

Tradução e Adaptação: Mariana Cristina; Revisão: Marina Brancher – ADCBR

Fonte