Se você sempre quis participar de um fã-site inteiramente dedicado à Alycia Debnam-Carey, agora é sua chance. O Alycia Debnam-Carey Brasil está com vagas abertas! Quer fazer parte da nossa equipe? Se você tem tempo livre e interesse,  preencha o formulário conforme a vaga que deseja ocupar e nos envie por email: debnamcareybr@hotmail.com

Antes de tudo, vale ressaltar que o trabalho feito no site não tem fins lucrativos e não é remunerado, é tudo feito de fãs para fãs de forma voluntária por admiração ao trabalho da atriz.

Saiba mais detalhes sobre as vagas:

Gallery Manager:
Função: Atualizar a nossa galeria com fotos da Alycia.
Requisitos: Ter tempo livre para procurar fotos em alta qualidade e screencaps de filmes, photoshoots e mais. Conhecimento básico de Coppermine e FTP.
OBS: Se você não tiver conhecimento com  Coppermine e/ou upload via FTP, iremos lhe ensinar.

Tradutor:
Função: Traduzir entrevistas, matérias, vídeos e mais;
Requisitos: Ter tempo livre, saber escrever de forma correta e coerente, além de ter boa ortografia e conhecimento médio ou fluente na língua Inglesa.

Designer:
Função: Fazer designers para redes sociais, banners, e mais;
Requisitos: Ter tempo livre, mostrar um bom trabalho e criatividade nas artes, estar sempre a nossa disposição.

 

Vale ressaltar que é preciso ter responsabilidade para cumprir as tarefas da vaga desejada. 

Se estiver interessado em se inscrever em uma dessas vagas, nos envie um email com o assunto “Vagas ADCBR” com os seguintes dados abaixo. Depois, é só aguardar o nosso contato de volta.

Nome Completo:

Idade: 

Cidade/estado:

Twitter/WhatsApp:

Tempo livre por semana:

Conhecimento da língua Inglesa (básico, médio, fluente):

Cargo(s) desejado(s):

Já fez ou faz parte de algum fã site? Se sim, qual(is)?

Por que gostaria de fazer parte do ADCBR? 

Nos envie as respostas e iremos avaliar.

Equipe Alycia Debnam-Carey Brasil.

Fear the Walking Dead está de volta ao trabalho na 6ª temporada em Austin, Texas, com a estreia da 6ª temporada marcada para ir ao ar na noite de domingo (11/10). Embora as novas medidas de precaução mantenham os membros do elenco e a equipe separados uns dos outros no set para garantir a saúde e a segurança em um ano em que esses produtos foram mais escassos do que antes, a história da sexta temporada do show teve o elenco bastante separado antes de fechar para baixo em março. A 6ª temporada de Fear the Walking Dead contará sua história em um formato único com cada episódio, focando em um personagem ou grupo de personagens, algo que a atriz de Alicia Clark, Alycia Debnam-Carey, falou durante o tempo da ComicBook.com no set da série.

“Estamos realmente mudando as histórias nesta temporada, como sempre fazemos”, disse Debnam-Carey. “Acho que a cada temporada estamos tentando encontrar uma maneira diferente de mostrar este mundo e ambiente. E nesta temporada em particular, sinto que estamos nos concentrando mais em personagens individuais, quase como vinhetas de filme, o que é muito legal, ao invés de ter 40 personagens em um episódio e tentar encaixar todos, estamos na verdade pegando personagens específicos, como alguns personagens em cada episódio, e realmente conseguimos descobri-los e focar em suas intenções e objetivos e no que eles realmente quer.”

Fãs e membros do elenco compartilharam suas frustrações no passado sobre as séries de ‘Walking Dead’ não desenvolverem personagens coadjuvantes, já que o número de membros do elenco cresceu com as inevitáveis ​​expansões dos programas. Fear the Walking Dead parece estar fazendo um esforço para evitar tal problema com esta nova estratégia.

“[A temporada inteira] meio que se juntam em um arco maior”, diz Debnam-Carey. “O que eu acho muito legal e eu prefiro isso porque, como ator, você realmente começa a morder um pouco, ao invés de meio que … Muitas vezes, quando há muitos personagens em uma situação, fica um pouco como, “O que está acontecendo? Tem tanta coisa acontecendo.” Você pode ter tempo para realmente focar no personagem e construir a dinâmica entre os diferentes relacionamentos e isso é sempre muito divertido. ”

Além disso, Fear pode mergulhar ainda mais em alguns dos elementos de terror que o universo Dead gosta de explorar. “Definitivamente parece mais grotesco e horrível”, explica a atriz. “Eu sei que nesta temporada eles realmente aumentaram as expectativas com o quão confuso podemos torná-la, como … Acho que a cada temporada todos tentam mudar o visual e a sensação, especialmente nosso programa. Nós mudamos de estados diferentes e países e até mesmo os estilos de câmera mudaram, os filtros mudaram … Mas nesta temporada, há um foco em quão longe podemos levar o aspecto macabro do mundo dos walkers.”

Quanto à sua personagem especificamente, Debnam-Carey promete que este é o ano em que Alicia Clark é inquestionavelmente uma jogadora importante na história e se destaca por completa. “Esta é a primeira temporada em que realmente parece que não há dúvidas sobre seu papel nisso”, diz ela. “Ela é um dos adultos que está lá como uma verdadeiro candidata a liderar, e o que ela quer fazer tem gravidade e peso.”

The Walking Dead: World Beyond vai ao ar aos domingos às 22h, seguindo novos episódios de Fear the Walking Dead às 21h.

Fonte

Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Com a chegada da 6ª temporada de Fear TWD dia 11 de outubro, confira o artigo da Screen Rant sobre Alicia Clark e algumas curiosidades sobre a personagem:

Nunca há um momento entediante com a protagonista de Fear The Walking Dead, Alicia Clark. Isso é o que você pode não saber sobre ela!

Como o único membro sobrevivente de sua família, Alicia demonstrou muita resiliência e bravura em um mundo cheio de zumbis. Ela assumiu como protagonista principal após a morte de sua mãe Madison Clark na quarta temporada. A personagem foi criada pelos escritores Robert Kirkman e Dave Erickson. Ela fez várias aparições nos quadrinhos de The Walking Dead antes de finalmente aparecer na TV. Kirkman também atua como produtor executivo em Fear The Walking Dead. Aqui estão alguns detalhes que os fãs não sabiam sobre Alicia Clark.

10. Arma Característica
A arma característica de Alicia é uma Balisong (faca borboleta). Ela a adquiriu de Jack Kipling. Ela foi vista usando-a pela primeira vez no décimo episódio da 2ª temporada, intitulado “Do Not Disturb”. No entanto, ela está com a Balisong desde o quinto episódio da 2ª temporada, intitulado “Captive”. Ela roubou de Jack enquanto ele estava mostrando o radar pela primeira vez. E no episódio da 4ª temporada intitulado “Enterrado”, Alicia tropeçou em uma metralhadora e a tem usado com frequência desde então.

9. Ela é basicamente a sobrevivente
Em uma série onde os personagens são bastante dispensáveis, Alicia se destacou como uma sobrevivente. Seus pais e irmãos morreram, assim como seus dois ex-namorados. Alicia também perdeu seus avós, tornando-a a último sobrevivente conhecida de sua família. Até o momento, ela detém o recorde de personagem que vive há mais tempo em Fear The Walking Dead. Ela é uma dos três personagens da primeira temporada que ainda estão vivos, os outros sendo o ex-soldado Daniel e o ex-vigarista Victor Strand. Com sorte, ela não será morta tão cedo.

8. Aniversário
Alicia tem cerca de 20 anos no momento, já que ela tinha 19 na quinta temporada. No final da primeira temporada, intitulado “The Good Man”, seu aniversário foi revelado em 10 de julho. Nesse mesmo episódio, houve uma brincadeira em relação à idade dela. Seu 12º aniversário foi listado como tendo ocorrido em 2007. Isso estava incorreto, pois teria feito ela 15 na época. Durante a revelação sobre seu aniversário no episódio, ela teria completado 17 anos.

7. Número de empregos que ela teve
Alicia teve vários empregos e responsabilidades ao longo da série. Dados os inúmeros eventos que ocorreram, pode ser fácil esquecer alguns deles. Primeiro, ela serviu como Enfermeira Voluntária durante o Pré-Apocalipse. Ela também atuou como Co-Líder De-Facto da comunidade Broke Jaw Ranch. Alicia também trabalhou como enfermeira pessoal para o Proctor John no Pós-Apocalipse. Ela também foi a vice-líder da comunidade do Dell Diamond Baseball Stadium, bem como a segunda em comando do grupo de Morgan.

6. O nome dela foi alterado algumas vezes
A chamada de elenco para a protagonista popular inicialmente listou seu nome como Ashley Tompkins. Ela foi descrita usando as seguintes palavras: “A filha adolescente mais sensata de Nancy. Sua ambição está em proporção direta com os fracassos de seu irmão mais velho. Ela ama a mãe, mas é hora de sair de Dodge”. No entanto, em um comunicado de imprensa da AMC antes do início da série, o nome do personagem foi listado como Alicia Bennett. Seu sobrenome foi posteriormente alterado para Alicia Clark.

5. Vulture Slayer
Os Vultures (Abutres) são um grupo de sobreviventes hostis e oportunistas do Apocalipse que foram introduzidos na quarta temporada. Liderados por Melvin, eles foram os principais vilões durante a primeira metade daquela temporada. Não se sabia muito sobre eles antes do início do Apocalipse. Os Abutres eram difíceis de lidar, mas Alicia conseguiu matar a maioria de seus membros. Ela matou Melvin explodindo a ambulância dos Vultures usando um lançador de granadas. Ela matou um Edgar zumbificado também no rescaldo do tiroteio, cortando-o no rosto. Por fim, ela matou Ennis zumbificado batendo em sua cabeça.

4. Ela nunca matou ninguém da família Otto
A Família Otto fazia parte de uma Organização Sobrevivencialista. Eles moravam em Broke Jaw Ranch, no sul da Califórnia, enquanto se preparavam para o colapso social. Eles frequentemente discordavam dos Clark. Alicia é a única pessoa em sua família que nunca matou um membro da família Otto. O ex-líder do Broke Jaw Ranch, Jeremiah Otto, foi baleado na cabeça por Nick Clark, enquanto Otto Jr. foi morto por Nick Clark. Troy Otto foi morto por Madison Clark depois que ele revelou que liderou a horda para o Rancho Broke Jaw.

3. Os Walkers
Nas muitas temporadas de The Walking Dead e Fear The Walking Dead, os zumbis tiveram muitos nomes, incluindo os mortos-vivos, os mordedores, os mortos e os infectados. Em Fear the Walking Dead, eles foram inicialmente referidos como The Infected, mas quando Morgan chegou, ele afirmou corajosamente: “De onde eu sou, os chamamos de Walkers.” O nome ficou desde então. Matar os Walkers também se tornou um hobby desagradável. Alicia é o último membro do grupo original a tirar a vida de um walker.

2. Atriz
Alicia foi retratada pela atriz Alycia Debnam-Carey desde a primeira temporada. Alycia nasceu e foi criada na Austrália. E enquanto o personagem que ela retrata tem cerca de 20 anos, Alycia tem 27. Seu outro papel notável é o de Comandante Lexa na série de ficção científica da CW, The 100. Ela é atriz desde os 8 anos de idade, mas só aos 18 anos se mudou para a América. Sua mãe, Leone Carey, é roteirista de TV. Uma atriz mirim sem nome também interpretou uma versão mais jovem de Alicia brevemente.

1. Ela é a personagem favorita dos fãs
Alicia é claramente a personagem favorita dos fãs em Fear The Walking Dead. Pesquisa online mostra que ela é a personagem com mais fanart de todos os personagens da série. Ela também é a mais comentada nos fóruns.

Outros personagens que são quase tão populares quanto Alicia são Madison Clark, a protagonista da primeira à quarta temporadas, e o viciado em heroína em recuperação Nicholas “Nick” Clark. A recepção para o apresentador da 5ª temporada e tenente do Salvador, Dwight, também foi muito boa.

Fonte

Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Alycia Debnam-Carey comentou que estava em um “período de luto” quando Frank Dillane deixou o Fear the Walking Dead da AMC. Que Dillane foi um dos “poucos colegas de elenco mais jovens” que “compartilhou uma experiência de vida semelhante” com ela na jornada… E perder isso a afetou tanto como personagem quanto como pessoa.

A seguinte citação foi dita pela atriz Alycia Debnam-Carey durante uma mesa redonda com a imprensa virtual da qual The Natural Aristocrat participou para Fear The Walking Dead. Estavam presentes Alycia Debnam-Carey, Colman Domingo, Colby Minifie e Maggie Grace.

Alycia Debnam-Carey sobre Frank Dillane deixando FTWD:

“Eu me lembro que houve um momento em que Frank foi embora, sabe… Para mim, foi um período de luto real. Não apenas pela minha personagem, mas me afetou de uma forma realmente visceral porque você vive nesse trabalho sete meses por ano. E, especialmente na época, ele era um dos poucos colegas mais jovens também. Então, também estávamos compartilhando uma experiência de vida semelhante. Perder isso, afeta você. Não apenas como personagem, mas também como pessoa. Às vezes, isso pode ser um pouco difícil de distinguir quando você está trabalhando tanto. Então, ter alguém que está lá desde o início para lembrá-lo de como é sua vida real. Qual é a sua verdade e quem você é… Isso ajuda muito.

Colman [Domingo] é literalmente como uma família de verdade, e tem ajudado muito ter isso durante o que tem sido uma verdadeira montanha-russa. Definitivamente ajuda a ter  essa consistência. Sou muito, muito grata por isso! Mas você sabe, também é da natureza do trabalho que, quando ele mudar, você queira abraçá-lo. A mudança nesta indústria é muito bem-vinda, por ter uma forma constante de mergulhar em novas evoluções. Isso é o que mantém tudo realmente emocionante!”

Assista à estreia da 6ª temporada de Fear the Walking na AMC no domingo, 11 de outubro.

Fonte

Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Alycia Debnam-Carey falou com The Natural Aristocrat sobre o potencial de uma cena de flashback entre pai/filha em Fear the Walking Dead e a jornada matizada de Alicia Clark antes da 6ª temporada.

A seguinte pergunta foi feita por The Natural Aristocrat durante uma mesa redonda de imprensa virtual para Fear The Walking Dead com Alycia Debnam-Carey, Colman Domingo, Colby Minifie e Maggie Grace.

Entrevista com Alycia Debnam-Carey:

The Natural Aristocrat [Nir Regev]: Eu senti que um dos pontos mais altos de desenvolvimento para o personagem de Alicia foi quando ela descobriu que seu pai realmente tirou a própria vida. Quando Madison disse a Alicia que seu pai não sofreu realmente um acidente de carro, foi intencional. Muitos dos primeiros episódios da 6ª temporada tratam tematicamente de voltar a ser quem você sempre foi. Que é inevitável quando você está sozinho.

Você vê Alicia voltando à pessoa vulnerável encontrada naquele momento? Você gostaria de ver uma cena de flashback de pai/filha com o pai de Alicia, Stephen Clark?

Alycia Debnam-Carey: Sim! Nunca pensei em fazer um flashback como esse! Mas estou sempre apta em mostrar alguns dos aspectos mais reveladores de um personagem, antes de todo esse apocalipse. E eu acho que é trágico… Eu sinto que por tudo isso Alicia teve uma vida muito difícil e ela não tem mais ninguém, e ela é órfã… Mas eu acho que agora ela teve que trabalhar com tanta dor e tristeza e estamos do outro lado de certa forma. Ela percebeu que não há sentido em fazer isso, a menos que você possa encontrar esperança no futuro. Esperança e possibilidade com as pessoas ao seu redor. É, interessante que você mencionou esse momento. Isso também pareceu um grande ponto de desenvolvimento para mim. Eu apenas sinto que houve todas essas pequenas evoluções que Alicia teve. É difícil identificar necessariamente… Sabe, quando você vê isso no quadro geral, há tantos momentos diferenciados que a levaram a se tornar a pessoa que é agora. Mas, ainda assim, aprendemos que ela também puxou esse tipo de pragmatismo de outros personagens que ela precisa manter. Tudo se compõe à razão pela qual ela ainda está de pé.

Obrigado Alycia!

Fonte

Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Aviso: esse post contém spoilers da sétima temporada de “The 100”

Na última quarta-feira (30), a atriz Alycia Debnam-Carey retornou como uma de suas personagens mais marcantes, “Lexa”, para o último episódio de “The 100” da CW.

O criador e produtor executivo da série, Jason Rothenberg, realizou algumas entrevistas sobre Alycia ter concordado em voltar para o episódio final. Confira abaixo:

Entrevista para Entertainment Weekly

O criador de The 100 analisa o final da série e explica ‘a moral da história’

EW: O que você estava tentando dizer com esse final, já que todos os nossos personagens favoritos escolheram ficar na Terra com Clarke ao invés de transcender?

JASON ROTHENBERG: Queríamos que a moral da história fosse simplesmente declarada: “Até que paremos de lutar, estamos condenados”. Até que paremos de nos matar em nome do país, da tribo ou mesmo da família, estamos condenados a continuar repetindo esse ciclo de violência. E assim que o fizermos, darmos os braços e percebermos que estamos todos juntos nisso, então podemos chegar ao que vier a seguir. Nesse caso, é transcendência. Essa era a moral da história. Clarke não recebe o dom da transcendência por causa de suas ações; suas ações têm um custo, como o avatar de Lexa disse a ela na praia. Como Moisés não vai para a terra prometida, ela vai ficar sozinha – até que ela vê seus amigos. Achamos que era a maneira mais bonita de dizer que uma família escolhida é importante. Eles sabem que Clarke se sacrificou tanto por eles, desistiu tanto de si mesma por eles, que eles não iam deixá-la ficar sozinha. Eles estão renunciando a tudo o que é transcendência, eles estão desistindo disso para ficarem juntos. Por mais sombria que a série tenha sido às vezes, eu sinto que o final – e eu sempre digo que não estava tentando fazer as pessoas se sentirem bem na maior parte do tempo, e a série não é uma que deveria trazer alegria, é feita para comovê-las e deixa-las tristes ou até com raiva – mas aqui, estávamos, definitivamente, visando que as pessoas saíssem se sentindo animadas.

Por que todos os personagens principais fizeram essa escolha, exceto a filha de Clarke, Madi?

Lexa na praia, ela diz que Madi sabia que Clarke não queria que ela voltasse e fosse a única filha. Eles não vão ter filhos, esta é a última geração, eles não podem ter filhos. E então, como mãe, Clarke teria obviamente preferido que sua filha transcendesse e fosse para qualquer que fosse a próxima jornada / aventura / seja lá o que for, é obviamente algo especial, único e lindo, ao invés de ficar no chão com ela. Essa escolha foi facilitada para Madi pelo fato de que Clarke não estaria sozinha.

Agora vamos falar sobre alguns dos rostos retornando que vimos no final – Lexa, Abby e Callie. Você sempre soube que os faria voltar para participações especiais?

Aconteceu organicamente, com certeza. Depois de definirmos quais eram as regras do teste, a ideia de que o juiz assume a forma do maior amor de uma pessoa, do maior professor ou do maior inimigo, ficou claro que seria Callie para Cadogan, Lexa era minha primeira escolha para Clarke, e felizmente, Alycia concordou em voltar e fazê-la, e Abby obviamente teria sido para Clarke também se Alycia não tivesse concordado em voltar. Mas também fazia sentido que, quando sabíamos que Raven seria a única a entrar e apelar do veredicto uma vez que Clarke falhou, esse relacionamento era tão importante para Raven que havia uma beleza em ser sua pessoa também. As decisões foram ditadas por quem enfrentaria os juízes e quais seriam as regras da prova.

E quanto a Bellamy? Depois de sua morte chocante alguns episódios atrás, você considerou tê-lo de volta no final também?

Para mim, era para ser a Lexa o tempo todo. Quando essa ideia surgiu na sala, foi um daqueles momentos em que, não acontece com frequência, houve unanimidade de entusiasmo. Em seguida, tratava-se de fazê-la (Alycia) concordar em voltar. E não poderíamos ter Bellamy voltando no final, porque as regras de transcendência eram que apenas os vivos devem transcender. E então, infelizmente, ele morreu antes da linha de chegada, então ele não poderia estar lá no final, o que é outra realização trágica para Octavia, certamente, no final.

Fonte

Entrevista para Collider

O criador de ‘The 100’ Jason Rothenberg expõe aquele final e compartilha esperanças para o futuro

Sempre houve muita controvérsia em torno da morte de Lexa. Como foi para você ser capaz de trazer aquela personagem de volta e ter algum tipo de encerramento com aquela história, e ter Alycia Debnam-Carey de volta? Isso foi difícil de fazer, logisticamente?

ROTHENBERG: Primeiro de tudo, foi incrível tê-la de volta com o figurino e a maquiagem. Foi difícil? Ela estava animada, com certeza. Eu tive que ter várias conversas com ela para explicar exatamente o que estávamos procurando e o que era, e que não estávamos fazendo isso de uma forma exploradora. E então, em última análise, sim, ela estava totalmente pronta para isso. Estou muito, muito grato por ela ter feito isso e sou grato por ter sido capaz de dirigir essas cenas com ela e com eles.

Como muito de Clarke foi definido por esse relacionamento, embora tenha estado ausente por um tempo, como Eliza Taylor também se sentiu sobre a reunião das personagens?

ROTHENBERG: O tempo é estranho. Vivemos em um mundo onde a série durou sete ou oito anos e, no entanto, para eles, não durou tanto, mas [Lexa] é o amor da vida [de Clarke]. Eu não posso falar por Eliza. Ela teria que responder a essa pergunta. Eu sei que foi muito bom tê-las juntas. Nós nos divertíamos muito naqueles dias. Senti muita pressão, como diretor, por ter a responsabilidade de homenagear aquela personagem, e ainda perceber que não era realmente Lexa e saber que tínhamos que encontrar a linha de quanto da Lexa trazer para isso. Alycia fez um bom trabalho ao mostrar momentos em que vemos Lexa e momentos em que claramente não é ela.

Fonte

Entrevista para TVLine

Foi fantástico. Foi tão divertido ter Alycia de volta. Ela é uma pessoa tão boa e uma jogadora de equipe. Eu sei que ela estava realmente animada por estar de volta com a maquiagem e o figurino. Foi um pouco complicado para todos nós encontrar a linha entre o quanto Lexa ela deveria trazer para a performance e quanto interpretar o juiz / ser superior que está acontecendo naquela cena. Mas foi ótimo estar lá e assistir isso. Eu espero que os fãs tenham algum fechamento. Eu sei que isso é importante para ela e para mim. Não vai satisfazer a todos, mas foi lindo tê-la de volta.
Entrevista para TV Guide
Chefe de The 100 sobre aquele retorno chocante e um final alternativo para Bellamy
Quando você começou a pensar nesse final, você sabia imediatamente que Lexa seria a jurada de Clarke no teste final?
Rothenberg: Eu sabia quando contei a história – quando divulgamos a história na sala que eu queria que fosse Lexa. Eu queria que o juiz tomasse a forma de Lexa para Clarke pelo quanto Lexa significava para Clarke. E eu pensei que seria um bom momento obviamente para os fãs também. E eu esperava que Alycia estivesse procurando por algum encerramento por conta própria, e, de fato, ela estava. Então foi uma espécie de encontro de mentes.
Eliza e Alycia sempre tiveram essa química incrível na tela, então como foi filmar e vê-las se enfrentando novamente, mas com essa dinâmica totalmente nova?
Rothenberg: Em primeiro lugar, devo dizer que Eliza Taylor tem química com todo mundo. E sim, sua química com Alycia obviamente está fora do comum. Foi ótimo. Foi incrível estar lá, testemunhar isso. Eu fui o diretor do episódio, então houve aquele tipo de bônus adicional para eu estar na ilha com as duis, criando essas poucas cenas que tivemos juntos. Então foi ótimo, e eu não tenho nada além de gratidão pelo fato de que conseguimos reunir essas duas pessoas novamente. Por pessoas de quem estou falando, obviamente, Eliza e Alycia, não tanto Clarke e Lexa, já que claramente não é Lexa. Mas foi ótimo no geral.
Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR