AVISO DE SPOILERS – TEMPORADA 6 EPISÓDIO 14

Alycia Debnam-Carey, que interpreta Alicia Clark em The Walking Dead, fala sobre a traição de Dakota e a última tentativa da Alicia de salvar todos pelo Strand.

P: Alicia é tão forte fisicamente e psicologicamente. De onde ela tira sua força?

A: Acho que Alicia acha sua força em lugares diferentes. Acho que um aspecto é que ela cresceu como adolescente no apocalipse e teve que conviver com isso, talvez de uma forma que fosse um pouco mais adaptável. Ela cometeu alguns erros jovem e continuou protegida deles. Mas também por… tem passado por tantos lutos e perdas… e as mudanças de ambiente que vimos nessa série, do México ao Texas. O ambiente mudou e ela teve que se adaptar.

E é claro, acredito que ela também herdou isso da Madison, por ver sua mãe lutar com unhas e dentes para ter certeza de que eles sobreviveriam como uma família e ela sempre estava preparada, é algo que a Alicia sempre carregou com ela. E eu acho, sim, ela é forte não só porque passou por tantas coisas, mas também porque ela ainda acredita que exista alguma esperança e humanidade. Então, nem sempre é apenas a força cega, também é ponderado o que é necessário e o que não é.

P: Alicia ainda se sente traída pela Dakota. O que ela pensa da Dakota se aliando com Teddy?

A: Alicia gosta de ver o melhor nas pessoas e eu acho que ela tenta e dá a eles uma chance. Acho que ela se sente traída por ter se arriscado para dar uma chance à Dakota e depois ver ela rejeitando essa oportunidade, isso é decepcionante e desanimador. Alicia já… sofreu com algo parecido antes, então para ela é algo repetido… Mas então eu acho que ela também ganhou força por causa disso, e agora sabe que quando dá uma chance as pessoas, se você não aproveitar a primeira, ela vai te cortar. Ela sabe quem você é e acho que essa é uma força que ela tem. Então, embora esteja desapontada, e seja obviamente uma traição, também é como, “Ok, bem, eu sei onde colocá-la agora e sei quem você é para mim.

P: Como foi atuar novamente com Sebastian Sozzi, desde a quarta temporada, a última vez que vimos Cole?

A: Oh, foi tão selvagem! Foi ótimo. Obviamente, adoro ter a oportunidade de trazer de volta membros do elenco das temporadas anteriores, vê-los novamente e atuar com eles anos depois. É um verdadeiro mimo. Foi muito estranho também. Parecia quase como seria no nosso mundo (da série), pois eu não esperava vê-lo de novo. Então, sim, foi uma experiência única, uma que eu realmente gostei. Quer dizer, acho que ele fez um trabalho incrível mostrando como aquele personagem passou por tantas coisas e tinha um ponto de ruptura que o mudou, e isso gerou umas cenas emocionantes.

P: O que Alicia acha do Cole se voltando contra ela, mesmo que sua mãe tenha salvado a vida dele?

A: Bem, acho que vemos o que Alicia acha disso – ela dá um tiro na cabeça dele! Acho que é um exemplo perfeito de onde a Alicia está agora, que é, apesar do fato da Madison desistir de tudo para salvá-lo e salvar tantas pessoas, talvez seja uma traição ainda maior, porque, eu acho que tem um pouco de culpa que Alicia experiencia de ser a única sobrevivente sobrando da sua família, e que sua mãe sacrificou muito para ela chegar até aqui – e ver outras pessoas desperdiçarem essa oportunidade – acho que ela finalmente entendeu que deve existir um limite, uma linha onde as coisas podem ser toleradas.

É difícil. Eu acho que a Alicia não está tentando fazer o papel de uma executora nem nada, mas acho que ela está definindo um limite do que realmente vale a pena manter em sua vida ou não, o que vale a pena salvar e não salvar e sacrificar e não sacrificar. E então, acho que temos essa percepção da Madison, que ela era esse tipo de personagem misericordiosa, mas ela na verdade era bastante impiedosa e brutal e bem feroz quando necessário… então acho que Alicia está tomando parte dessa característica em si mesma.

P: Alicia pode contar para Strand sobre os planos do Teddy? Pelo relacionamento tenso, ela acredita que ele fará o que ela pedir?

A: Quer dizer, acho que ela está se arriscando novamente. É difícil com Strand, óbvio. Ele é a coisa mais próxima que resta de sua família. Ela o conhece a mais tempo, então também entende sua dupla natureza. Ela entende quem ele é, que é um vigarista. Então, ela está se arriscando agora porque as apostas estão altas. Ela veio a saber essa informação importante que é a última chance, a última chance que ela terá de repassá-la, então é agora ou nunca. Esse é o seu foco principal agora. Indo daqui para frente, acho que vai ser interessante ver o que acontece.

P: Qual foi a primeira impressão da Alicia do Teddy no episódio 611, “The Holding”, e sua impressão sobre ele mudou no fim deste episódio?

A: Acho que a Alicia estava cética e preocupada com quem ele era desde o início. Acho que qualquer um que possua esse tipo de poder e autoridade irrestrito é alguém para se preocupar. Ela viu algumas pessoas desse tipo. Quero dizer, o que ele vai fazer é assustador, mas também ele é claramente meio louco, então ela encontra com esses dois lados – apelando para a loucura do que ele enxerga nela e como ela pode tentar e usar isso como vantagem, mas também o ver como ele é, uma figura aterrorizante. Desde o início ela sabe quem essa pessoa é. Cada vez fica mais intenso. Ele é um cara louco.

Fonte

Tradução e Adaptação – Amanda, ADCBR

Esta semana, tivemos um episódio de Fear the Walking Dead focado em Alicia, o que é muito estranho de dizer, considerando que Alicia, o último membro da família Clark, deveria estar liderando essa série há anos.

O episódio foi bom, especialmente agora que Alicia está fora do modo de “choque” em que se encontrava anteriormente por algum motivo, e eu gostei da dinâmica dela com o psicótico Teddy, interpretado habilmente pelo ex-Lionel Luthor de Smallville, John Glover.

Mas, neste momento, acho que de uma vez por todas, Fear the Walking Dead precisa deixar Alicia liderar totalmente esta série, ou precisa libertar a atriz Alycia Debnam-Carey.

Debnam-Carey tinha acabado de terminar uma passagem muito aclamada como Lexa em The 100 quando ela saiu para ser um membro do elenco de Fear the Walking Dead, o muito alardeado (na época) spin-off de Walking Dead.

Mas tem sido uma jornada incrivelmente estranha desde então. Sua família inteira foi morta ao longo da série, seu padrasto, mãe, e irmão, mais importante, mas ao invés da evolução lógica de Alicia liderando a série depois disso, a série decidiu pegar um elenco novo para que ela se tornasse um de apenas mais uma em uma dúzia ou mais de personagens secundários. Claro, talvez uma dos mais proeminentes, mas certamente não a principal. Esse papel foi para Morgan, emprestado por The Walking Dead, e ele assumiu completamente o controle da série. Isso levou a alguns anos desastrosos, mas mesmo que a temporada atual seja melhor, ainda não estou convencido de que esteja funcionando. E ver Alicia liderando um episódio depois de o quê, meses? Anos? Isso só serve para me lembrar que ela deveria ter sido a personagem principal dessa série o tempo todo, o próprio Rick Grimes.

Não é justo para Debnam-Carey que ela seja o último membro sobrevivente da família Clark e eles deem a ela o mesmo tempo de tela, ou menos, que o de personagens como June, Victor, Daniel, Morgan, Luciana, John Dorie (pré-morte) e uma série de outros. Ela é consistentemente pouco mais do que uma personagem de fundo e tem sido por anos, mas ela ainda tem a magia quando a série lhe dá uma chance como eles fizeram esta semana, já que este foi um dos episódios mais atraentes que eles fizeram em um bom tempo.

Eu acredito que a série agora está provocando o retorno de Madison. Quer dizer, acabamos de ter um episódio chamado “Mãe”, estrelado por Alicia, que era sobre as pessoas que sua mãe salvou, e esta é uma série onde, a menos que você literalmente veja um corpo, você deve assumir que alguém não está morto. E eu sempre pensei que eles deixaram o destino de Madison em aberto de propósito. Eu adoraria vê-la de volta e tê-la co-liderando a série com Alicia, mesmo que isso signifique matar Morgan para que ele deixe de ser a estrela da série. Nesse ponto, eu quase diria que a série deveria matar Morgan, a fim de devolver as rédeas à família Clark, já que está claro que ele não vai chegar em casa a tempo de se reunir com ninguém em The Walking Dead. (Fear ainda está anos atrás dessa série, em termos de linha do tempo).

Se a série não vai fazer nada disso, Debnam-Carey deve ir embora como outros fizeram antes dela. Ela merece coisa melhor do que ser uma pequena jogadora em um spin-off de The Walking Dead. Se eles não a deixarem ser a estrela depois de todo esse tempo, provavelmente é melhor seguir em frente. Com dois personagens icônicos em seu currículo, Lexa e Alicia, tenho certeza que ela não teria problemas para encontrar uma nova personagem para interpretar.

Por Paul Tassi.

Fonte

Tradução e Adaptação, Marina Brancher – ADCBR

A atriz concedeu recentemente uma entrevista para o site Rose Inc, nos contando um pouco sobre sua rotina. O site publicou a entrevista com a atriz australiana neste ultimo Domingo (31/01), junto com um lindo photoshoot. Confira toda a entrevista traduzida abaixo:

Todo mundo tem uma história sobre beleza. No The Profile da Rose Inc., algumas das pessoas mais intrigantes do mundo compartilham as suas. Nesta série de entrevistas íntimas, ficamos (virtualmente) próximos e pessoais para explorar suas definições de beleza, o caminho para a autoconfiança e o poder da feminilidade. Apresentando imagens capturadas por suas próprias lentes, o perfil apresenta essas personalidades atraentes sob uma nova luz – que ilumina suas próprias jornadas, sonhos e desejos, enquanto destaca sua relação única com a beleza.

Ninguém sabia exatamente como processar o caos sentido globalmente em 2020, mas para a atriz Alycia Debnam-Carey (que você deve conhecer por Fear the Walking Dead ou The 100), voltar para sua terra natal, a Austrália, finalmente ofereceu um alívio da incerteza duradoura. “Por estar um pouco distante de Los Angeles, pude ver o quão difundido e subjacente é o estresse e a ansiedade diários”, diz ela. “Há tanta coisa que passamos e aceitamos como normal… isso me mostrou que eu quero me concentrar no que o autocuidado realmente significa para mim.”

Seu caminho particular para a paz inclui uma abordagem holística de beleza do corpo-mente, que inclui natação no oceano e registro no diário – e tempo dedicado para trazer a diversão de volta aos produtos de beleza. “Eu adoro falar sobre produtos de beleza com as pessoas e folhear as bolsas de beleza de outras pessoas”, diz ela. “É tão divertido ver o que outras pessoas têm.” Adiante, Debnam-Carey nos permite minerar sua própria bolsa de beleza e cérebro criativo para seu caminho para um 2021 mais consciente.

RI: O que autocuidado significa para você agora?
ADC: O autocuidado é realmente interessante porque você pensa: ‘Vou tomar um banho de espuma. Vou colocar uma máscara facial e depois assistir a um show ‘, mas acho que neste último ano, estando em lockdown, me mostrou que realmente não há quantidades de banho de espuma e máscaras sentados em frente à TV, ‘maratonando’ a Netflix que vai me ajudar a me acalmar e relaxar. De repente, todos somos forçados a continuar fazendo versões disso e, para mim, o verdadeiro autocuidado realmente teve que vir de um espaço mental, emocional e de bem-estar, o que é difícil.

O que iniciou minha jornada para uma melhor compreensão do autocuidado foi conversar com um terapeuta. Embora a terapia possa ser um espaço seguro maravilhoso para abordar problemas específicos de saúde mental, você não precisa estar passando por uma crise para se beneficiar de conversar com um terapeuta. Ter um ponto de referência imparcial e com o melhor interesse no coração, isso tem sido uma parte realmente importante do meu crescimento mental e emocional – ter um ponto de acesso pode permitir que você entre em contato com suas necessidades mais profundas.

RI: Que tipo de rituais diários você criou para si mesma?
ADC: Cuidados com a pele são realmente uma das primeiras coisas que faço. Pego meu café pela manhã e acendo uma vela. Sou um grande fã da vela Diptyque Narguilé, que é tabaco. Sinto que meu cérebro está constantemente correndo, então qualquer momento que realmente me focalize e acalme minha mente, eu realmente gosto. Cuidar da pele é realmente uma experiência tranquila, pacífica e silenciosa para meu cérebro. É quase um espaço sagrado, e é por isso que gosto tanto dele como um ritual diário para me preparar para o resto do meu dia.

RI: Conte-nos sobre seu regime de cuidados com a pele.
ADC: Quando eu acordo de manhã, pego alguns adesivos de Hydra-Gel Peter Thomas Roth na geladeira e coloco. Eu nunca vi algo funcionar tão bem para tirar o ar sob os olhos e fazer com que pareçam que você está acordado ou como se não tivesse bebido um ou dois copos de vinho na noite anterior. Para a limpeza, eu uso o Lancer The Method: Cleanse, que sempre funcionou na minha pele. Eu amo a Loção de Beleza Chanel Hydra e estou obcecada com os soros Glossier. O Glossier Super Glow é muito, muito bom. Eu também adoro as gotas de brilho da Dra. Barbara Sturm porque me dão o brilho mais incrível. Então, adoro o spray de água de rosas da Heritage Store que você compra na Whole Foods. Meus amigos na Austrália amam tanto isso que me pedem para trazê-lo para eles sempre que eu volto para casa.

‘‘QUERO REFOCAR NO QUE AUTO-CUIDADO REALMENTE SIGNIFICA PARA MIM …’’

RI: Como é a sua maquiagem do dia a dia?
ADC: Não estou saindo com ninguém, então estou fazendo o mínimo necessário quando se trata de maquiagem. Eu realmente gosto de brincar com beleza e maquiagem, mas gosto de mantê-la bem simples e orvalhada. Eu amo o Chanel Les Beiges Soleil Tan Bronze Universal. É cremoso e dá a impressão de que está de férias há duas semanas. O bálsamo Tower 28 SuperDew Highlighter é realmente ótimo: sem glitter, apenas um brilho orvalhado. Eu uso nas minhas maçãs do rosto, no arco do Cupido, na ponta do nariz e na sobrancelha. Eu amo o Glossier Boy Brow e depois passo rímel e se realmente estou com vontade de fazer um pouco mais, passo um pouco de delineador bem na linha dos cílios.
O melhor delineador que usei é o Delineador de Olhos Líquido à Prova d’Água Stila Stay All Day e eu sei disso porque estava em uma loja comprando um telefone novo e havia três outras meninas lá. Uma delas elogiou a outra em seu delineador e ela disse, ‘oh, é a Stila’ e a outra garota entrou na conversa e disse, ‘oh meu Deus, estou usando isso também! E eu estava tipo, ‘bem, estou usando isso também’, então, se três garotas separadas em uma loja de telefones falando sobre o delineador Stila não é uma crítica entusiasmada, eu não sei o que é!

RI: Qual é o visual de beleza mais sofisticado para você e como isso faz você se sentir?
ADC: Quando eu saio, aproveito a oportunidade para fazer um olho com sombra dourada mais divertido ou faço um rosto nu com um lábio laranja-avermelhado muito bom. O Chanel Rouge Allure Luminous Lip Color em 169 Rouge Tentation é tão bom com nada além de um pouco de corretivo – o corretivo Nars Radiant Creamy é tão fantástico que é difícil usar qualquer outra coisa – e talvez um pouco de rímel? Esse vermelho. Mmmm. Muito bom. Isso para mim é sofisticação sem esforço.
Eu também adoro um look monocromático rosa. Isso sempre foi muito feminino para mim – muito sedutor e brincalhão, o que é uma energia que eu realmente amo.

RI: Qual beleza parece mais ressonar em você?
ADC: Eu sempre adorei as vibrações coquete dos anos 40, 50 e 60. Aqueles mesmos looks recatados de Audrey Hepburn e Grace Kelly realmente ressoam em mim em termos de beleza e moda também. Acho que foi aí que eu definitivamente me apaixonei pelo olho de gato.

RI: Em quais looks você se inspirou e quer experimentar?
ADC: Eu realmente gosto de pessoas que são descaradamente elas mesmas e são muito corajosas, brincalhonas e criativas em sua aparência. Sinto-me muito atraída pelos looks divertidos e divertidos de maquiagem e pela incrível maquiagem dos olhos ao assistir Euphoria, mas nunca estou confiante o suficiente para fazer isso sozinha… Preciso me comprometer a fazer algo com brilhos um dia.

RI: O que você acreditava sobre a beleza antes e não acredita agora?
ADC: Acho que estamos vivendo em uma época muito mais receptiva à beleza, o que é realmente maravilhoso. Enquanto crescia, não tive o mesmo acesso aos tutoriais do YouTube ou à forma como as revistas promovem a beleza e a maquiagem agora. Em vez disso, tratava-se mais de olhar para um lado, que se encaixa apenas em um estereótipo.
Por exemplo, eu cresci pensando que você precisava ser bronzeada e realmente loira e ter lábios brilhantes ou algo assim. Sempre foi sobre auto bronzeamento … Às vezes, você meio que quer ficar assim, mas era um objetivo tão grande me encaixar. Agora, porque há tantas pessoas compartilhando sua própria beleza e como se expressam, é muito libertador ver que não se trata de um padrão. Acho que o que é realmente maravilhoso é saber que há muito mais espaço para a auto expressão e é tão libertador saber que você não precisa apaziguar as normas sociais.

RI: Como você explora sua criatividade?
ADC: O registro no diário é como eu libero uma perspectiva emocional que posso controlar do meu ponto de vista criativo. Quando eu sinto que preciso escrever algumas coisas para fazer algumas coisas saírem e dali, geralmente isso segue para um espaço criativo. Frequentemente, isso se transforma em algo como escrever uma ideia de script. É uma mistura da forma como vejo o mundo, nas cores e na música, por exemplo. Talvez isso se transforme em desenho. Desenhar para mim é bastante calmante porque meio que reorienta minha perspectiva.

RI: Existe uma direção para a qual seu espírito criativo está apontando, agora que você tem mais tempo para si mesma?
ADC: Comecei a escrever um pouco, o que estou gostando muito e acho que isso tem sido muito emocionante, mas nos próximos cinco anos, também estou muito animada para começar a mergulhar na direção. Eu acho que é algo com o qual sempre me senti muito em sintonia e onde eu iria prosperar, porque acho que meu estado natural parece bastante alinhado com a direção… então estou querendo investigar mais sobre isso.

Eu também tenho trabalhado em um programa, e em um gênero, por muito, muito tempo, então também estou muito animada para expandir além disso. Eu adoraria tentar algo novo, como comédias românticas ou peças de época – algo completamente diferente do que venho fazendo há muito tempo, então acho que é um novo capítulo muito empolgante para mim e é muito empolgante esperar por isso.

Confira o photoshoot clicando na miniatura logo abaixo:

Tradução e Adaptação: Romina Rocha, ADCBR.

Fonte:

A atriz também aborda aquela teoria implacável dos fãs de que a mãe de sua personagem, Madison, de alguma forma ainda está viva: “Acho que todos nós precisamos de um encerramento para isso.”

O final da metade da temporada de “Fear the Walking Dead” continuou o tema desta temporada de explorar o elenco, personagem por personagem, com um foco profundo no membro original do elenco Alycia Debnam-Carey.

Alicia tem sido em muitos aspectos o coração de “Fear” desde o início, começando sua jornada como uma adolescente e navegando por mais altos e baixos do que quase qualquer outro personagem no universo de “The Walking Dead”.

Alycia Debnam-Carey se conectou com TooFab após os eventos dramáticos do último episódio para falar sobre a grande mudança que sua personagem sofre ao longo desta hora única quando ela se dá conta de si mesma e se mantém firme contra duas das maiores influências em a vida dela.
O maior deles, e o mais tenso, veio quando ela e Morgan (Lennie James) se reuniram pela primeira vez nesta temporada. Convencida de que Morgan estava morto, Alicia rapidamente se viu mudando de um choque eufórico para um horror incerto enquanto percebia o que ele tinha acabado de fazer.

O impulso do episódio foi uma operação de recuperação, com Alicia e Charlie (Alexa Nisenson) recebendo essa tarefa de Strand (Colman Domingo) para recuperar a irmã mais nova sequestrada de Virginia (Colby Minifie) Dakota (Zoe Coletti).

Só que o sequestro não saiu como planejado, pois Dakota escapou após o massacre de todos os guardas da Virgínia para proteger sua caravana. É essa carnificina que está no centro do horror de Alicia quando ela percebe o quão longe Morgan estava disposto a ir em seus esforços para salvar a todos.

Não necessariamente um anjo, Alicia tinha acabado de fazer um acordo com Virginia para devolver Dakota para a liberdade dela e de Charlie. Mas Morgan massacrou homens e mulheres apenas para garantir este bem valioso. Não apenas a vida de Dakota significava muito pouco para ele, essas outras vidas foram perdidas.
E no final da hora, graças à trágica história de um personagem e à atmosfera de um mini-filme de terror que Debnam-Carey comparou ao “Labirinto do Fauno” – também vemos elementos de “A Ilha do Dr. Moreau” nele – Alicia tinha até suavizado sua própria vontade de vender Dakota.

A maior diferença para ela, porém, é que, pela primeira vez em sua vida, ela enfrentou Morgan, indo de igual para igual com ele a ponto dele realmente recuar na cara dela. Ele queria que eles aproveitassem Dakota para tentar proteger o resto do grupo. Alicia, a essa altura, queria convidar Dakota para se juntar ao grupo, salvando-a da Virgínia também.

E ela estava pronta para se afastar de Morgan completamente, a fim de proteger Dakota. Mais tarde, ela estava disposta a ficar cara a cara com Strand pelo mesmo propósito. Houve uma mudança monumental em Alicia nesta hora, que está tentando estabelecer uma conclusão bastante selvagem para esta temporada, pois veremos se ela continua afirmando sua própria posição moral sobre aqueles ao seu redor.

Debnam-Carey conversou com TooFab sobre o episódio, o tema de moralidade da temporada, bem como a jornada de sua personagem para este momento crucial, o que a está impulsionando agora e provocando o que está por vir na “muito, muito bagunçada” segunda metade da temporada.

Ela também abordou a teoria dos fãs desenfreados de que sua mãe Madison (Kim Dickens) ainda está viva em algum lugar lá fora, depois que sua personagem sugeriu voltar ao estádio onde Madison morreu (ou não?)

Como foi entrar no que certamente parecia um filme de terror clássico para um episódio?

Assustador, com certeza. É engraçado porque realmente parecia muito mais gênero de terror do que o que estou acostumada. Mas eu acho que o que foi realmente ótimo é que temos uma diretora incrível, uma diretora mulher, Tawnia [McKiernan], que apenas elevou isso para fazer parecer que era aquele gênero clássico de terror. Eu sei que ela estava realmente focada nisso. E tudo, desde o tipo assustador de seringa e ser amarrado à mesa e os animais taxidermia com olhos de vidro.

Mas eu também pensei que a maneira como fizemos com os walkersde animais da taxidermia, realmente parecia quase um terror do tipo ‘Labirinto do Pan’. Não havia nada realmente sangrento ou grotesco, mas parecia muito macabro e quase caprichoso, então eu gosto que houvesse esse equilíbrio dentro do episódio parecendo bastante – parecia muito assustadoramente assustador, mas também tinha uma espécie de chute na bunda elemento para isso.

A história do personagem “cientista louco” no meio do episódio, que acidentalmente matou sua família com suas criações enquanto tentava protegê-los, pareceu ter um grande impacto em Alicia.

Definitivamente, acho que foi a última peça do quebra-cabeça com que ela está tentando chegar a um acordo, que é o quanto de sua moralidade, sua própria ética e compaixão você precisa se apegar para tornar possível sobreviver neste mundo . Eu acho que para Alicia, sempre houve essa dualidade nela de querer jogar e precisar jogar, mas também se apegar à bondade e às coisas que fazem valer a pena.

Com seu próprio crescimento, ela tem pegado pequenos pedaços das pessoas que foram seus mentores, de certa forma, e finalmente ela se tornou a mentora. E ela está escolhendo primeiro, ‘Bem, tudo bem, eu vou jogar, eu tenho que fazer o que precisa ser feito para sobreviver, e se isso significa usar Dakota como uma peça de xadrez -‘

Mas, ao mesmo tempo, acho que agora ela está percebendo que a razão pela qual Charlie puxou o gatilho para Nick [o irmão de Alicia] é porque ela estava tão quebrada desde o início. Alicia reconhece isso em si mesma e foi esse o seu caminho quando a mãe morreu. Então eu acho que ver Dakota ser essa pessoa – estar em uma encruzilhada potencial – mostra a esperança de Alicia de que ela possa fazer algo melhor do que seus mentores atuais estão tentando fazer com que ela faça.

E então eu acho que pela primeira vez a estamos vendo ela pegar e falar, não, estou rejeitando o que Morgan quer e eu vou decidir daqui em diante. Então sim, estamos começando a vê-la crescer para a ocasião e se tornar a líder novamente, por si mesma.

Então, seria seguro dizer, com sua mudança em tentar proteger Dakota, assim como Charlie, que Alicia está assumindo a missão de coletar e talvez tentar salvar todas essas garotas destruídas?

Sim, acho que é absolutamente isso. Ela está tentando salvá-los do que ela passou. Ao longo da série, acho muito interessante que Alicia tenha sido realmente a única personagem regular daquela idade. Nós vimos muitas crianças mais novas ou muitos adultos mais velhos.

E então, Alicia passou por essa metamorfose única. E vê-la tentar coletar, como você disse, esse tipo de garotas quebradas é uma chance para ela tentar e fazer sua parte para fazer o melhor e para salvá-las do que ela passou. Ou pelo menos tentar e … Ela é aquela pessoa que sabe como era. Ninguém sabe disso melhor do que ela, então faz sentido.

Alicia mencionou voltar ao estádio esta semana, e você sabe que muitos fãs não estão prontos para admitir que ela está morta. A Alicia também está naquele acampamento, esperando que sua mãe esteja viva?

Para mim, acho que é uma oportunidade para ela revisitar, deixar de lado e ter um encerramento. Acho que é a única coisa que a está impedindo de se tornar a pessoa de que ela precisa para seguir em frente. E ser uma figura autônoma. E ser uma líder para essas meninas e uma líder de esperança e uma líder de possibilidades. Para mim, é um símbolo dessa jornada para ela e não realmente a esperança de que Madison esteja lá.

Então você está dizendo que os fãs deveriam buscar esse encerramento também, e deixar essa teoria maluca ir embora?

Eu já disse isso antes, acho que todos nós precisamos encerrar isso.

Depois de todo esse tempo, por mais que Alicia tenha crescido como resultado da perda de sua família, parece que não serviria para sua história trazer Madison de volta neste momento, né?

Eu concordo totalmente, isso tem sido uma grande coisa para mim. Na verdade, eu tive uma conversa com os escritores quando voltamos sobre como isso era algo em que eu estava pensando muito. Que, para Alicia seguir em frente, eu realmente quero que ela – sabe, se vamos fazer isso, precisa ser uma separação do passado que está sempre sendo trazida à tona. Precisa agora ter algum fechamento e seguir em frente para Alicia se tornar um ser humano completo em quem ela é.

Você mencionou moralidade e ética antes, o que parece ser um tema recorrente ao longo da temporada. Vimos John e June divididos por motivos morais diferentes, assim como Dwight e Sherry na semana anterior. Esta semana, Alicia, Morgan e Strand estavam todos em suas próprias ilhas quando se tratava de suas bússolas morais. Então, qual é a posição certa a tomar?

Acho que você está no caminho certo, e é difícil responder agora só porque não acho que vamos dar uma olhada completa em qual é a verdadeira base moral de cada personagem até chegarmos ao fim. Mas acho que haverá surpresas. Realmente haverá algumas surpresas sobre os fundamentos morais do personagem em que estamos.

Você conhece esses personagens há alguns anos, tem coisas que vem surgindo que te surpreenderam?

Sim, existem. Tem. Eu acho que vai conversar com o que a Alicia– O que tem sido incrível sobre a evolução de Alicia é que a vimos passar de uma adolescente ingênua a uma guerreira incrivelmente capaz –

Você pode chamá-la de líder f*dona, acho que ela merece isso.

Ela é uma líder f*da, isso mesmo! Mas também a vimos em meio a esse tipo de pacifista traumatizado e também a vimos ter que superar a turbulência interna de raiva, ressentimento e destruição. Então, o que acho que será interessante daqui para frente é ver como Alicia é capaz de, e se ela é capaz de equilibrar essa dualidade.

O que eu sempre disse é que Alicia é filha de Madison, e Madison não era um anjo. Ela era uma líder implacável, pragmática e séria. E embora ela fosse ferozmente protetora, ela também estava disposta a fazer muito para se certificar de que as pessoas com ela estavam protegidas.

Costumo dizer que alguém como Morgan é muito mais – não tão cruel quando se trata de… – ele pode ser, mas se eu olhar para Madison, sinto que havia um elemento de, não sei, havia- – Tudo o que estou dizendo é que vai ser interessante ver onde Alicia está encontrando essa dualidade.

Com Morgan massacrando os Rangers e mostrando a escuridão emergente, é hora de Alicia intensificar e ser a bússola moral dele?

[depois de uma longa pausa] … É isso que estou dizendo. Isso, sim, há muitas opções onde ela pode ir. Eu acho que percebendo isso– Alicia foi capaz de tirar muitas características diferentes de seus muitos mentores em sua vida e eu acho que finalmente vamos vê-la juntando tudo isso.

Na semana passada, June teve a oportunidade de matar Virginia. Esta Alicia recém-centrada teria feito isso?

Eu acho que ela quer.

Tem sido uma configuração relativamente tranquila para o que certamente será um confronto brutal entre Virginia e seu grupo. Você pode nos dizer o quão feio vai ficar?

Fica muito feio, não vou mentir. Fica muito feio, na verdade. Eu acho que se torna– Essa é difícil, eu realmente não sei o que dizer. … Vou te dizer uma coisa, fica muito, muito bagunçado e a oportunidade – eu não sei o que dizer.

Bem, definitivamente parece que a m* vai atingir o ventilador.

Vai atingir o ventilador, é verdade. Vai realmente atingir o ventilador.

Espera-se que “Fear the Walking Dead” retorne à AMC após os seis episódios bônus de “The Walking Dead” que vão ao ar em 28 de fevereiro.

Tradução e Adaptação: Marina Brancher – ADCBR.

Fonte

Alycia Debnam-Carey estrelou alguns papéis incríveis nos últimos anos. Desde seu trabalho como Lexa em The 100 até Alicia Clark em Fear the Walking Dead, ela tem uma maneira de dar vida a personagens tão fortes e poderosos. Para celebrar a recente temporada de Fear the Walking Dead, Alycia sentou-se conosco para conversar sobre tudo – como quais papeis ela fez audição (mas não conseguiu), o episódio favorito de FTWD e se ela guarda alguma coisa do set de The10

Aqui está tudo o que nós aprendemos:

1.Primeiro, qual foi a última série que você maratonou?

A última série que eu maratonei foi Sucession.Era nessa que eu estava tão interessada. E quando começou a pandemia, eu estava tipo, “Tudo que eu preciso é a nova temporada de Sucession” Então eu mal posso esperar para a Terceira Temporada. É isso que vem na minha mente

2. Qual emoji você mais usa?

Nossa, eu amo essa pergunta! Vou olhar meu celular para te dar uma resposta exata. Bom, nesse momento, é a carinha chorando (😭), que resume perfeitamente 2020. Mas além desse, é provavelmente as pequenas estrelas (✨) ou olhos com coração/amor (😍), eu acho. Mas nesse momento, apenas a carinha chorando.

3. Qual é seu filme preferido de todos os tempos?

Eu nunca tive uma boa resposta para isso. Nunca mesmo. Eu sinto que  gosto dos filmes por razões diferentes. Eu amo Pulp Fiction, mas eu também amo How to Lose a Guy in 10 Days. E, você sabe, tem uma grande diferença entre eles. Também tem aqueles bobos que eu quero assistir o tempo todo, como Superbad. Eu sinto que é muito difícil para eu escolher um filme favorito de todos os tempos

4. Tem algum filme que mais te marcou?

Eu penso constantemente sobre Melancholia

5. Qual pessoa mais te impressionou?

Recentemente, eu vi Quentin Tarantino e foi um “Ai meu deus. Ai meu deus”. Pulp Fiction é um dos meus filmes favoritos. Lembro de ter visto ele e apenas ficado tipo, “Ai meu deus, ai meu deus. Está acontecendo. Eu estou vendo você,” e ele, tipo, me olhou por um momento, e foi algo como “Está acontecendo.” E foi literalmente isso. Nós trocamos olhares.

6. Qual foi o hobby que você adquiriu ou voltou a fazer durante a quarentena?

Ler foi um grande. Também comecei a tocar piano. Eu não sei tocar piano, mas eu meio que comecei a tocar. Eu também estava pintando e desenhando bastante. Foi um tempo bem criativo para mim. Eu não tinha muitos planos, então só decidi ver onde isso me levaria, e essas foram as três coisas principais para mim.

7. Qual foi o último livro que você leu?

O último livro que eu li foi Pachinko. Durante a quarentena e o confinamento, eu fiz parte de um pequeno clube do livro com os meus amigos de Sydney, e foi muito, muito legal. Então nós começamos a ler vários livros. O último que eu li foi Pachinko. Nós ainda precisamos discuti-lo, tive vários sentimentos sobre. Gostei, mas não amei.

8.  Qual é a única coisa que você não pode viver sem?

Tenho uma pequena coleção de fotos dos meus amigos, da minha família e de Polaroids. Eu viajo bastante, então sempre carrego eles comigo. Eles estão lá no meu diário e eu os tenho há, acho que provavelmente, pelos últimos sete ou oito anos. É apenas um lembrete das pessoas da minha vida e das pessoas que eu amo, e isso é algo que eu realmente aprecio.

BuzzFeed: E tem algo diferente sobre ter as fotos físicas do que olhar no seu celular.

Com certeza! Na verdade, alguns anos atrás, eu tinha um desses aplicativos de foto que você pode colocar todas as fotos do seu celular e uma empresa vai imprimi-las para você. Em casa tenho essa grande caixa de fotos. Preciso fazer isso de novo eu gosto delas. Lembro de pensar quando éramos crianças, você provavelmente teve a mesma experiencia, de ficar olhando os álbuns de fotos e não é mais uma coisa. É incrível apenas sentar e viajar pelos anos, seu crescimento e as pessoas em sua vida. Não fazemos mais tanto isso

9. Qual é a sua coisa favorita de cozinhar?

Eu não sou uma grande cozinheira, mas faço um salmão assado muito, muito bom com brócolis grelhado e espinafre refogado. Eu posso arrasar nisso.

10.  Tem algum papel que as pessoas ficariam surpresas ao descobrir que você fez a audição e não conseguiu?

Ai me deus, tem tantos papeis. Eu não sei se você já viu o vídeo no Youtube com a Brie Larson que ela lista todos os filmes que ela fez audição?

BuzzFeed: Sim! É um dos meus vídeos favoritos

Eu assisti e foi como “Isso é tão eu.” Lembro de ir para The Bling Ring e ver [Brie Larson] na sala de audições comigo e pensar, “você não precisa estar aqui. Por que você está nessa sala de audições? Você deveria ter recebido esse papel.”

Recentemente, eu acho que os papeis que vem na minha cabeça são Black Widow e Little Women. Tem tantos. Se você for nos meus e-mais, é constante. Quer dizer, tem tantos.

11. Quem é seu crush celebridade da infância?

Provavelmente Zac Efron. Quando High School Musical saiu, eu tinha 12 ou 13 anos. E fiquei tipo, “Wow!” Esse foi o começo. Aquele pequeno corte de cabelo swoopy. Ele tinha tudo.

BuzzFeed: Ele tinha o corte de cabelo original do Justin Bieber antes de ser legal.

E é isso! Ele tinha antes de ser legal. Eu era obcecada.

12. Tem alguma celebridade que você é frequentemente confundida?

Me falaram que eu pareço com muitas pessoas. Já falaram Miley Cyrus, nós temos o mesmo formado do rosto. Já ouvi Fiona Apple. Antes Faye Dunaway. Geralmente é o formado do rosto. Por um tempo foi Emilia Clarke

13. Tem alguma história específica que você lembra quando te confundiram com outra celebridade?

Eu lembro, isso foi engraçado, fui para um show no Hollywood Bowl e era a orquestra de Game of Thrones tocando. Então, eu estava andando e esse cara que estava pegando os ingressos estava tipo, “Ai meu deus, eu não acredito que você veio. É uma grande honra”. E eu fiquei “O que você está falando?” e depois percebi que ele achou que eu era a Emilia Clarke

14. Qual é a sua história de fã mais louca?

Eu acho que é sempre muito louco ver pessoas que tatuaram minha maquiagem de The 100, como meus olhos ou meu rosto, tatuadas nos seus corpos, é sempre uma coisa muito doida ver. É um outro nível de dedicação. Eu estarei sempre observando vocês agora.

15. Na maioria de seus programas de TV e filmes, você tem um sotaque americano. Ficou mais fácil de fazer com o tempo?

Sim, acho que sim. Quer dizer, é porque a maior parte do trabalho que fiz foi na verdade nos Estados Unidos e todos com sotaque americano. Nunca usei meu australiano aqui. E, especialmente trabalhando em uma série nos últimos cinco anos, eu gasto muito do meu tempo com um sotaque americano, então isso se torna uma segunda natureza. Mas, é claro, de vez em quando há um deslize e eu digo: “Uau, isso realmente acabou de acontecer.” Meu sotaque é sempre mais forte quando volto da Austrália.

16. Você costuma voltar e assistir algum de seus trabalhos anteriores?

Assistirei ao que fiz, mas geralmente apenas uma vez. Normalmente faço isso só para ver como ficou, para ver como ficou, para ver se foi traduzido da maneira que pensei que seria. Eu quase vejo isso mais de uma perspectiva muito crítica, não uma perspectiva emocional do tipo, “Oh Deus, eu estou tão terrível. Oh, isso foi horrível. Eu deveria ter sido melhor”, nada disso. Quero ver como fica e gosto de ver o produto final. Mas raramente olho para as coisas uma segunda vez e, se o faço, é anos e anos depois. Então, eu tenho uma perspectiva muito diferente sobre isso, onde é como, “Oh meu Deus, eu pareço tão jovem.”

17. Você se lembra de como foi sua audição para Fear the Walking Dead?

Eu tive um processo de audição bem rápido porque eu tinha feito um piloto com AMC anteriormente que não deu certo. Era um piloto de Ridley Scott, e todos estavam tipo, “Oh meu Deus, isso vai acontecer, isso vai acontecer,” e por alguma razão, simplesmente não aconteceu. Então eles já estavam escalando [Fear the Walking Dead] e naquele ponto eles pensaram que eu poderia estar realmente certo para isso. Então entrei e acho que depois da primeira audição, fui colocada em uma leitura de química em tela com todos.

18. Existe alguma leitura de química em tela durante seu processo de audição de Fear the Walking Dead que você mais se lembra?

O que eu mais me lembro é de estar com Frank Dillane, que interpretava Nick. Eu me lembro que na audição, ele continuou me chamando de Alicia e, originalmente, eu recebi lados falsos. O personagem na verdade se chamava Ashley, e na audição, ele continuou me chamando de Alicia. Eu estava tipo, “Eu não sei, talvez esse cara seja como um ator de método britânico, algo que eu não me importo.” Então, descobriu-se que, quando todos nós conseguimos o show, estamos sentados em uma mesa gigante lida com AMC, executivos, produtores e a personagem agora se chama Alicia. Eu estava tipo, “Oh, espere, o que está acontecendo?” Foi um processo longo, mas também bastante rápido e furioso.

19. Alicia passou por tal crescimento de personagem desde a primeira temporada e se tornou uma personagem muito forte. Como é retratar o crescimento dela?

Eu olho para trás e tem sido muito gratificante. Eu acho muito raro conseguir essa oportunidade onde você trabalha com um personagem por tanto tempo e poder ter uma mão na sua transição e metamorfose, sabe? Eu acho que o que tem sido realmente especial sobre isso, é o fato de que eu tive que tê-la desde adolescente e acompanhá-la até se tornar uma jovem mulher. Essa é uma oportunidade rara, especialmente para espelhar isso com o pré-apocalipse e o pós-apocalipse. Ver um personagem crescer não apenas como um humano, mas também crescer em resposta ao ambiente é realmente ótimo e excitante.

20. Você sabia como a história da Alicia ia ser desde o começo?

Quero dizer, com programas de TV você não tem necessariamente o arco completo de como tudo vai se desenrolar como se fosse um filme. Então é um pouco mais difícil traçar as batidas principais [desde o início], mas eu acho que tem sido incrível. Ela teve o maior crescimento porque foi provavelmente a que foi mais longe. O público está aprendendo enquanto ela aprende. É uma oportunidade rara, mas realmente maravilhosa.

21. Você teve um momento específico da Alicia de que mais se orgulha até agora?

Eu sempre penso na terceira temporada, para ser honesta, e penso em quando fui empurrada pela primeira vez no bunker. Lembro que foi um grande momento porque foi o meu episódio. Foi a primeira vez que realmente tive um episódio singular. Lembro de sentir que este deve ser o momento em que Alicia evolui e muda para se tornar não apenas uma filha, uma irmã e uma adolescente, mas ela tem que estar à altura da ocasião. Então esse foi um grande momento para mim.

Eu também acho que, tendo aquele episódio com Charlie e Alicia em casa durante a tempestade durante a 4ª temporada, também foi um episódio importante para mim. Fiquei muito orgulhosa daquele episódio porque éramos apenas nós duas. Nós só tínhamos uma a outra para nos apoiar. Acho que realmente trabalhei muito para ter certeza de que fizemos o melhor que podíamos no tempo limitado que conseguimos. Foi outro episódio em que tivemos que vê-la evoluir, mudar e superar sua raiva por Charlie e sua tristeza e arrependimento por Nick e sua família, e simplesmente se tornar outra pessoa. Esses dois são grandes pontos de evolução para Alicia, então acho que esses são os dois de que mais me orgulho.

22. Você surpreendeu a todos quando voltou para o final da série The 100. Como o grande retorno de Lexa aconteceu?

Foi uma daquelas coisas em que nos últimos dois anos, houve momentos ou oportunidades em que poderíamos ter tentado [trazê-la de volta]. Eu sei que as pessoas realmente queriam trazer Lexa de volta, e havia tanta dor e mágoa que as pessoas estavam passando [depois de sua morte]. Eu nunca quis que parecesse um tapa na cara trazê-la de volta e levá-la embora novamente.

Então, quando Jason [Rothenberg] me ligou, ele disse: “Acho que tenho esta oportunidade que realmente gostaria de fazer com você. É o episódio final. O que queremos fazer com isso é apenas uma homenagem aos fãs e também para fazer uma declaração de que Clarke e Lexa realmente se amavam e se preocupavam uma com a outra. Seu amor se estenderá por muitas vidas. ” Acho que foi quando pensei: “Ok, esse é o único ponto que faz sentido.”

23. Você pensou muito nos fãs quando filmou o final da série?

Eu queria fazer isso especificamente para os fãs e ter um pequeno encerramento para finalmente sentir que houve uma volta positiva que aconteceu. Eu sei que era Lexa como a juíza e não necessariamente Lexa como ela mesma, mas eu ainda achava que o sentimento era importante. Foi uma homenagem ao quanto essas personagens se amavam e para ter um pouco de cura para os fãs. Tudo veio com muito amor e boas intenções.

24. Como foi se tornar Lexa novamente?

Foi surreal, mas também coube como uma luva. Era estranho como eu simplesmente escorregava de volta para a roupa. Acho que por ser uma personagem que passamos muito tempo criando e que tinha tantos atributos físicos – o figurino, a maquiagem, o cabelo – quando você veste algo assim, é uma experiência muito visceral. É muito como, “Oh, estou aqui neste personagem.” É muito bom.

25. O traje de Lexa era exatamente o mesmo quando você voltou?

Eles mantiveram a roupa de Lexa perfeitamente e eu me senti muito feliz comigo mesma. Eu estava tipo, “Oh, ainda serve. Está tudo bem.”

26. Você conseguiu manter alguma coisa do set de The 100?

Eu guardei o encosto da minha cadeira. Quando você está no set, você consegue levar as costas da cadeira do ator que tem no set. Então eu guardei isso. Bem, na verdade eles me presentearam ela em uma moldura, o que foi realmente adorável. Quanto a muitas outras coisas, não acho que tenho porque exatamente por essas razões que você tem que voltar de repente, três anos depois. Eles teriam ficado tipo “Ooh, nós realmente precisamos de você de volta.”

27. E, finalmente, você já pegou alguém assistindo a um de seus programas de TV ou filmes em um vôo?

SIM! Eu vi! E, eu não vou mentir, foi bem legal. Eu vi pessoas assistindo Fear the Walking Dead. Lembro que Into the Storm esteve em aviões por um tempo. Sim, FTWD e Into the Storm estavam em voos e me lembro de ter pensado, “Meu Deus, isso é tão legal!” Lembro também de sentar ao lado de alguém enquanto eles assistiam. Eu só estava pensando: “Estou bem do seu lado.” E eles não tinham ideia.

Você pode assistir Alycia em Fear the Walking Dead segundas no AMC Brasil.

Tradução e Adaptação: Amanda Lemos e Marina Brancher – ADCBR.

Fonte

Alycia Debnam-Carey comentou que estava em um “período de luto” quando Frank Dillane deixou o Fear the Walking Dead da AMC. Que Dillane foi um dos “poucos colegas de elenco mais jovens” que “compartilhou uma experiência de vida semelhante” com ela na jornada… E perder isso a afetou tanto como personagem quanto como pessoa.

A seguinte citação foi dita pela atriz Alycia Debnam-Carey durante uma mesa redonda com a imprensa virtual da qual The Natural Aristocrat participou para Fear The Walking Dead. Estavam presentes Alycia Debnam-Carey, Colman Domingo, Colby Minifie e Maggie Grace.

Alycia Debnam-Carey sobre Frank Dillane deixando FTWD:

“Eu me lembro que houve um momento em que Frank foi embora, sabe… Para mim, foi um período de luto real. Não apenas pela minha personagem, mas me afetou de uma forma realmente visceral porque você vive nesse trabalho sete meses por ano. E, especialmente na época, ele era um dos poucos colegas mais jovens também. Então, também estávamos compartilhando uma experiência de vida semelhante. Perder isso, afeta você. Não apenas como personagem, mas também como pessoa. Às vezes, isso pode ser um pouco difícil de distinguir quando você está trabalhando tanto. Então, ter alguém que está lá desde o início para lembrá-lo de como é sua vida real. Qual é a sua verdade e quem você é… Isso ajuda muito.

Colman [Domingo] é literalmente como uma família de verdade, e tem ajudado muito ter isso durante o que tem sido uma verdadeira montanha-russa. Definitivamente ajuda a ter  essa consistência. Sou muito, muito grata por isso! Mas você sabe, também é da natureza do trabalho que, quando ele mudar, você queira abraçá-lo. A mudança nesta indústria é muito bem-vinda, por ter uma forma constante de mergulhar em novas evoluções. Isso é o que mantém tudo realmente emocionante!”

Assista à estreia da 6ª temporada de Fear the Walking na AMC no domingo, 11 de outubro.

Fonte

Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Alycia Debnam-Carey falou com The Natural Aristocrat sobre o potencial de uma cena de flashback entre pai/filha em Fear the Walking Dead e a jornada matizada de Alicia Clark antes da 6ª temporada.

A seguinte pergunta foi feita por The Natural Aristocrat durante uma mesa redonda de imprensa virtual para Fear The Walking Dead com Alycia Debnam-Carey, Colman Domingo, Colby Minifie e Maggie Grace.

Entrevista com Alycia Debnam-Carey:

The Natural Aristocrat [Nir Regev]: Eu senti que um dos pontos mais altos de desenvolvimento para o personagem de Alicia foi quando ela descobriu que seu pai realmente tirou a própria vida. Quando Madison disse a Alicia que seu pai não sofreu realmente um acidente de carro, foi intencional. Muitos dos primeiros episódios da 6ª temporada tratam tematicamente de voltar a ser quem você sempre foi. Que é inevitável quando você está sozinho.

Você vê Alicia voltando à pessoa vulnerável encontrada naquele momento? Você gostaria de ver uma cena de flashback de pai/filha com o pai de Alicia, Stephen Clark?

Alycia Debnam-Carey: Sim! Nunca pensei em fazer um flashback como esse! Mas estou sempre apta em mostrar alguns dos aspectos mais reveladores de um personagem, antes de todo esse apocalipse. E eu acho que é trágico… Eu sinto que por tudo isso Alicia teve uma vida muito difícil e ela não tem mais ninguém, e ela é órfã… Mas eu acho que agora ela teve que trabalhar com tanta dor e tristeza e estamos do outro lado de certa forma. Ela percebeu que não há sentido em fazer isso, a menos que você possa encontrar esperança no futuro. Esperança e possibilidade com as pessoas ao seu redor. É, interessante que você mencionou esse momento. Isso também pareceu um grande ponto de desenvolvimento para mim. Eu apenas sinto que houve todas essas pequenas evoluções que Alicia teve. É difícil identificar necessariamente… Sabe, quando você vê isso no quadro geral, há tantos momentos diferenciados que a levaram a se tornar a pessoa que é agora. Mas, ainda assim, aprendemos que ela também puxou esse tipo de pragmatismo de outros personagens que ela precisa manter. Tudo se compõe à razão pela qual ela ainda está de pé.

Obrigado Alycia!

Fonte

Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Aviso: esse post contém spoilers da sétima temporada de “The 100”

Na última quarta-feira (30), a atriz Alycia Debnam-Carey retornou como uma de suas personagens mais marcantes, “Lexa”, para o último episódio de “The 100” da CW.

O criador e produtor executivo da série, Jason Rothenberg, realizou algumas entrevistas sobre Alycia ter concordado em voltar para o episódio final. Confira abaixo:

Entrevista para Entertainment Weekly

O criador de The 100 analisa o final da série e explica ‘a moral da história’

EW: O que você estava tentando dizer com esse final, já que todos os nossos personagens favoritos escolheram ficar na Terra com Clarke ao invés de transcender?

JASON ROTHENBERG: Queríamos que a moral da história fosse simplesmente declarada: “Até que paremos de lutar, estamos condenados”. Até que paremos de nos matar em nome do país, da tribo ou mesmo da família, estamos condenados a continuar repetindo esse ciclo de violência. E assim que o fizermos, darmos os braços e percebermos que estamos todos juntos nisso, então podemos chegar ao que vier a seguir. Nesse caso, é transcendência. Essa era a moral da história. Clarke não recebe o dom da transcendência por causa de suas ações; suas ações têm um custo, como o avatar de Lexa disse a ela na praia. Como Moisés não vai para a terra prometida, ela vai ficar sozinha – até que ela vê seus amigos. Achamos que era a maneira mais bonita de dizer que uma família escolhida é importante. Eles sabem que Clarke se sacrificou tanto por eles, desistiu tanto de si mesma por eles, que eles não iam deixá-la ficar sozinha. Eles estão renunciando a tudo o que é transcendência, eles estão desistindo disso para ficarem juntos. Por mais sombria que a série tenha sido às vezes, eu sinto que o final – e eu sempre digo que não estava tentando fazer as pessoas se sentirem bem na maior parte do tempo, e a série não é uma que deveria trazer alegria, é feita para comovê-las e deixa-las tristes ou até com raiva – mas aqui, estávamos, definitivamente, visando que as pessoas saíssem se sentindo animadas.

Por que todos os personagens principais fizeram essa escolha, exceto a filha de Clarke, Madi?

Lexa na praia, ela diz que Madi sabia que Clarke não queria que ela voltasse e fosse a única filha. Eles não vão ter filhos, esta é a última geração, eles não podem ter filhos. E então, como mãe, Clarke teria obviamente preferido que sua filha transcendesse e fosse para qualquer que fosse a próxima jornada / aventura / seja lá o que for, é obviamente algo especial, único e lindo, ao invés de ficar no chão com ela. Essa escolha foi facilitada para Madi pelo fato de que Clarke não estaria sozinha.

Agora vamos falar sobre alguns dos rostos retornando que vimos no final – Lexa, Abby e Callie. Você sempre soube que os faria voltar para participações especiais?

Aconteceu organicamente, com certeza. Depois de definirmos quais eram as regras do teste, a ideia de que o juiz assume a forma do maior amor de uma pessoa, do maior professor ou do maior inimigo, ficou claro que seria Callie para Cadogan, Lexa era minha primeira escolha para Clarke, e felizmente, Alycia concordou em voltar e fazê-la, e Abby obviamente teria sido para Clarke também se Alycia não tivesse concordado em voltar. Mas também fazia sentido que, quando sabíamos que Raven seria a única a entrar e apelar do veredicto uma vez que Clarke falhou, esse relacionamento era tão importante para Raven que havia uma beleza em ser sua pessoa também. As decisões foram ditadas por quem enfrentaria os juízes e quais seriam as regras da prova.

E quanto a Bellamy? Depois de sua morte chocante alguns episódios atrás, você considerou tê-lo de volta no final também?

Para mim, era para ser a Lexa o tempo todo. Quando essa ideia surgiu na sala, foi um daqueles momentos em que, não acontece com frequência, houve unanimidade de entusiasmo. Em seguida, tratava-se de fazê-la (Alycia) concordar em voltar. E não poderíamos ter Bellamy voltando no final, porque as regras de transcendência eram que apenas os vivos devem transcender. E então, infelizmente, ele morreu antes da linha de chegada, então ele não poderia estar lá no final, o que é outra realização trágica para Octavia, certamente, no final.

Fonte

Entrevista para Collider

O criador de ‘The 100’ Jason Rothenberg expõe aquele final e compartilha esperanças para o futuro

Sempre houve muita controvérsia em torno da morte de Lexa. Como foi para você ser capaz de trazer aquela personagem de volta e ter algum tipo de encerramento com aquela história, e ter Alycia Debnam-Carey de volta? Isso foi difícil de fazer, logisticamente?

ROTHENBERG: Primeiro de tudo, foi incrível tê-la de volta com o figurino e a maquiagem. Foi difícil? Ela estava animada, com certeza. Eu tive que ter várias conversas com ela para explicar exatamente o que estávamos procurando e o que era, e que não estávamos fazendo isso de uma forma exploradora. E então, em última análise, sim, ela estava totalmente pronta para isso. Estou muito, muito grato por ela ter feito isso e sou grato por ter sido capaz de dirigir essas cenas com ela e com eles.

Como muito de Clarke foi definido por esse relacionamento, embora tenha estado ausente por um tempo, como Eliza Taylor também se sentiu sobre a reunião das personagens?

ROTHENBERG: O tempo é estranho. Vivemos em um mundo onde a série durou sete ou oito anos e, no entanto, para eles, não durou tanto, mas [Lexa] é o amor da vida [de Clarke]. Eu não posso falar por Eliza. Ela teria que responder a essa pergunta. Eu sei que foi muito bom tê-las juntas. Nós nos divertíamos muito naqueles dias. Senti muita pressão, como diretor, por ter a responsabilidade de homenagear aquela personagem, e ainda perceber que não era realmente Lexa e saber que tínhamos que encontrar a linha de quanto da Lexa trazer para isso. Alycia fez um bom trabalho ao mostrar momentos em que vemos Lexa e momentos em que claramente não é ela.

Fonte

Entrevista para TVLine

Foi fantástico. Foi tão divertido ter Alycia de volta. Ela é uma pessoa tão boa e uma jogadora de equipe. Eu sei que ela estava realmente animada por estar de volta com a maquiagem e o figurino. Foi um pouco complicado para todos nós encontrar a linha entre o quanto Lexa ela deveria trazer para a performance e quanto interpretar o juiz / ser superior que está acontecendo naquela cena. Mas foi ótimo estar lá e assistir isso. Eu espero que os fãs tenham algum fechamento. Eu sei que isso é importante para ela e para mim. Não vai satisfazer a todos, mas foi lindo tê-la de volta.
Entrevista para TV Guide
Chefe de The 100 sobre aquele retorno chocante e um final alternativo para Bellamy
Quando você começou a pensar nesse final, você sabia imediatamente que Lexa seria a jurada de Clarke no teste final?
Rothenberg: Eu sabia quando contei a história – quando divulgamos a história na sala que eu queria que fosse Lexa. Eu queria que o juiz tomasse a forma de Lexa para Clarke pelo quanto Lexa significava para Clarke. E eu pensei que seria um bom momento obviamente para os fãs também. E eu esperava que Alycia estivesse procurando por algum encerramento por conta própria, e, de fato, ela estava. Então foi uma espécie de encontro de mentes.
Eliza e Alycia sempre tiveram essa química incrível na tela, então como foi filmar e vê-las se enfrentando novamente, mas com essa dinâmica totalmente nova?
Rothenberg: Em primeiro lugar, devo dizer que Eliza Taylor tem química com todo mundo. E sim, sua química com Alycia obviamente está fora do comum. Foi ótimo. Foi incrível estar lá, testemunhar isso. Eu fui o diretor do episódio, então houve aquele tipo de bônus adicional para eu estar na ilha com as duis, criando essas poucas cenas que tivemos juntos. Então foi ótimo, e eu não tenho nada além de gratidão pelo fato de que conseguimos reunir essas duas pessoas novamente. Por pessoas de quem estou falando, obviamente, Eliza e Alycia, não tanto Clarke e Lexa, já que claramente não é Lexa. Mas foi ótimo no geral.
Tradução e adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Estudos científicos confirmam que, de todos os sentidos, o olfato oferece a melhor lembrança. Em “Memórias do Cheiro”, o Cut pergunta às pessoas sobre os aromas que eles associam com diferentes momentos de suas vidas.

A seguir, a atriz australiana Alycia Debnam-Carey, que equilibra seu papel no drama de terror pós-apocalíptico da AMC Fear the Walking Dead, servindo como o rosto de algo um pouco mais leve: Eau de Parfum da Philosophy, Amazing Grace, uma versão mais duradoura da marca ‘eau de toilette’ o floral mais vendido e amado, com bergamota e flores. O The Cut recentemente conversou com Debnam-Carey para falar de ervilhas, roupas e tinta fresca.

Minha primeira lembrança de perfume é:

O perfume da minha mãe, que é o mais óbvio, mas também tenho uma memória muito forte dos cigarros e ervilhas doces da minha avó. Ela se sentava comigo do lado de fora e caminhava comigo pela calçada, e eu me lembro do cheiro dessas ervilhas transbordando na cerca do vizinho conforme passávamos.

Felicidade cheira a:

Quando você pode sentir o cheiro do verão chegando. Na Austrália, bem no final do inverno, há uma árvore de jasmim rosa que começa a florescer. Tínhamos por toda a casa, e esse cheiro indica o primeiro gostinho de que o verão está prestes a começar. É o aroma das possibilidades, que está prestes a ficar um pouco mais quente, que o verão está chegando – esse cheiro realmente é felicidade. É um perfume clássico; todo mundo conhecia esse cheiro quando criança.

O amor cheira a:

Resto de perfume, ou resto de colônia nas roupas de outras pessoas.

Perda ou coração partido cheira a:

Privação sensorial. Sinto que perco muito o cheiro durante uma desilusão armosa, junto com outras experiências sensoriais; é desprovido de cheiro e sabor. Mas talvez uma ideia menos abstrata seja o cheiro de ar velho em um aeroporto.

A amizade cheira a:

Batata frita e vinho rosé.

O arrependimento cheira a:

Vento frio e café ainda mais frio.

O sucesso cheira a:

Sabe quando você vai ao teatro assistir a uma peça ou quando vai assistir a um filme, e aquela emoção que está no ar? E todo mundo está vestido e usando as melhores roupas para assistir a algo especial? É uma mistura dos melhores perfumes e colônias de todos, e o cheiro de pipoca e champanhe. Esse cheiro, todos reunidos em um. Para mim, isso é sucesso. A emoção, a ambição, a alegria. Mais pessoalmente, provavelmente é poeira e o cheiro de sangue, suor e lágrimas. Mas a parte boa é quaisquer que seja esse primeiro cheiro.

O pior cheiro é:

Queijo gorgonzola ou qualquer queijo fedido. Mesmo que o gosto seja bom.

Minhas férias ideais têm cheiro de:

Filtro solar, sal do mar, manga, um livro de bolso e creme de coco para o corpo. Isso é muito ideal, provavelmente porque me lembra os verões australianos. Geralmente é quando eu tiro minhas férias.

Minha casa cheira a:

Incenso Nag Champa, café e flores frescas.

A primeira coisa que sinto de manhã:

Honestamente, provavelmente é café, porque não registro nada antes do café da manhã. Não sou boa com as manhãs; a única coisa que registra é: “Onde está o café? Vamos encontrar.”

A última coisa que sinto antes de ir para a cama:

Uma leve borrifada de spray de água de rosas. Faz com que você se acomode para a noite.

Um cheiro que eu amo que os outros não:

O cheiro de tinta fresca… outras pessoas gostam disso?

Eu cheiro a:

Um pouco quente, um pouco doce. Eu sempre quero cheirar como verão, então espero que sim. Eu misturo muitos perfumes, mas minha intenção é sempre deixar as pessoas com um aroma suave e persistente. Por isso, gosto de colocar no cabelo um pouco e às vezes colocar na minha cama logo depois de lavar a roupa, enquanto ainda está quente. O aroma vai absorver um pouco, e você sentirá aquele aroma bem suave.


Tradução e Adaptação – Marina Brancher, ADCBR.

Fonte

No dia 03 de junho deste ano, Alycia Debnam-Carey e o elenco de Fear the Walking Dead compareceram à entrevista da BUILD Series em NYC para falarem sobre a 5ª temporada da série.

Confira as fotos em HQ clicando nas miniaturas abaixo:

build020.jpeg
build021.jpeg
build022.jpeg
build023.jpeg
build024.jpeg

Confira também o vídeo completo da entrevista legendado: