Há três anos, Marie Claire Austrália lançou o seu primeiro Prêmio Mulheres do Ano para celebrar as pessoas inovadoras que lideraram com paixão, lutaram com bravura e nos inspiraram ao longo do ano.

Este ano, assistimos a mudanças sísmicas na política, na justiça social, na tecnologia, nos negócios, no desporto e nas artes, todas lideradas por mulheres líderes, inovadoras e criativas.

Para reconhecer as mulheres que criam novos futuros na Austrália, estamos entusiasmados por poder homenagear estas mulheres poderosas num evento de gala, apresentado pela Kérastase. Na terça-feira, 21 de novembro, a partir das 18h30 (04h30 horário de BR), acompanhe no Instagram e no TikTok para ver todos os destaques da noite.

Categoria: RISING STAR

Um talento da próxima geração que chamou a nossa atenção como um rosto a observar.

ALYCIA DEBNAM-CAREY

Estrelando ao lado das lendas da indústria Sigourney Weaver e Asher Keddie, a atriz cativou o público com uma atuação emocionalmente carregada na tão aguardada série The Lost Flowers of Alice Hart, explorando o legado e as complexidades do trauma intergeracional.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

A jovem estrela também é uma grande garota da moda.

A grife francesa Dior revelou sua primeira embaixadora australiana da moda, Alycia Debnam-Carey.

A Dior tem uma longa história de embaixadores influentes, desde a atriz de Jogos Vorazes, Jennifer Lawrence, até ícones da moda como Carla Bruni. Eles trabalharam com outra australiana, Charlize Theron, como o rosto da linha de perfumes J’adore Dior.

Agora, porém, eles escolheram uma australiana para ser embaixadora da moda local.

Então, quem é Alycia Debnam-Carey?

Alycia Debnam-Carey é uma atriz e personalidade no mundo das artes. Ela estrelou como protagonista feminina em Fear Of The Walking Dead e, mais recentemente, apareceu como protagonista na série Saint X, que foi exibida no Hulu e na ABC.

Imagem: Getty

Ela também colaborou recentemente com o ícone do cinema Sigourney Weaver no projeto The Lost Flowers Of Alice Hart, ao lado de alguns nomes australianos conhecidos, como a atriz Asher Keddie (Offspring), a atriz Leah Purcell (Wentworth) e o ator Charlie Vickers (Medici).

Foi aclamada pela crítica por seu papel como Lexa na série de televisão The 100 , uma série pós-apocalíptica distópica baseada no romance homônimo de Kass Morgan.

Debnam-Carey foi vice-campeã da bolsa Heath Ledger de 2012, divulgando os novos jovens talentos da Austrália e completou muitos curtas na Austrália. Ela foi anteriormente nomeada um dos “Atores para Assistir” pela revista Australians in Film.

Embora a estrela seja conhecida por suas proezas como atriz na tela, ela também possui três milhões de seguidores e é uma ‘garota da moda’ verificada.

Imagem: Getty

A atriz viajou recentemente pela Europa, parando em todos os lugares icônicos – Paris, Roma, Capri – e, claro, no desfile primavera/verão 2024 da Dior, que a diretora criativa da Dior, Maria Grazia Chiuri, realizou no Jardin des Tuileries.

Segundo a Dior, Debnam-Carey foi escolhida porque “incorpora o espírito e a elegância do estilo Dior, a feminilidade em constante reinvenção”.

“Movida pela audácia e pela criatividade, esta aliança celebra mais do que nunca os laços especiais que unem a Dior e a cultura em todas as suas formas.”

O título oficial de Alycia Debnam-Carey será embaixadora da moda Dior e das coleções de Maria Grazia Chiuri – exclusivamente na Austrália.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Alycia Debnam-Carey encarna a mulher Dior.

Alycia Debnam-Carey à frente do desfile SS24 da Dior em Paris | ALEXANDRA UTZMANN

Podemos ser conhecidos há muito tempo por nosso estilo de vida descontraído, sotaques encantadores e uma infinidade de vida selvagem única; mas nos últimos anos a reputação da Austrália como nação bastante elegante também tem crescido. Desde os nossos designers nacionais que participam nas semanas de moda europeias até à atenção internacional voltada para as nossas próprias costas, o reconhecimento do nosso conjunto de estilo local está certamente a aumentar.

Hoje, assinalamos mais um marco com a nomeação pela Dior de sua primeira embaixadora australiana da moda na Austrália. Juntando-se a uma lista de embaixadores da Dior que inclui Anya Taylor Joy e Jisoo do BLACKPINK, a atriz Alycia Debnam-Carey é a mais nova homenageada da Maison.

A atriz de The 100 conhece bem a Maison, tendo assistido ao desfile primavera/verão da Dior em Paris em setembro. Falando com a BAZAAR Australia durante a Paris Fashion Week , Debnam-Carey disse: “Para mim, este é provavelmente um sonho que tenho desde os oito anos de idade. Primeiro, participar de um desfile de moda, mas também ser convidado da Dior, é apenas outro nível de glamour, luxo e experiência. Tudo é tão extravagante e inacreditável. E então, para mim, esta é uma experiência realmente especial.”

Ela acrescentou que vê a senhora Dior como “uma mulher muito confiante, segura de si e forte, mas [alguém que] ainda tem uma energia e um lado feminino muito femininos”. É seguro dizer que Debnam-Carey sempre foi a personificação disso – e seu novo título apenas confirma isso.

Embora a atriz seja a primeira embaixadora da moda australiana da Maison, ela não é a única australiana em sua lista. A estrela da Crown, Elizabeth Debicki , que cresceu em Melbourne, também é embaixadora e amiga íntima da Maison, tendo liderado muitas de suas campanhas de joias.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Pela primeira vez, a Dior nomeou uma embaixadora australiana da Moda, Alycia Debnam-Carey. Amiga da casa desde 2022, a parceria significa o compromisso contínuo da maison em apoiar as artes e fomentar a criatividade em todos os empreendimentos sob a liderança da Diretora Criativa Maria Grazia Chiuri.

Debnam-Carey é uma das exportações de maior sucesso da Austrália em Hollywood desde que foi premiada na bolsa Heath Ledger de 2012. Ela foi a protagonista da série de sucesso Fear of the Walking Dead e, mais recentemente, estrelou The Lost Flowers of Alice Hart, do Prime Video . A sua nomeação deve-se à forma como ela encarna a natureza camaleónica da feminilidade; uma expressão de si mesmo em constante evolução.

Este é o primeiro grande embaixador da moda do ator. Ela participou de sua primeira Paris Fashion Week no início deste ano, quando sentou na primeira fila do desfile primavera/verão ’24 da Dior. Compartilhando sua empolgação com o momento, ela postou no Instagram para a ocasião com a legenda do carrossel: “Todo um sonho tornado realidade”.

Ela se junta a uma prestigiosa lista de embaixadores da Dior de todo o mundo, como Jennifer Lawrence, Charlize Theron e Robert Pattinson.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

FOTOGRAFIA cortesia de Christian Dior.

A House of Dior tem uma lista impressionante de embaixadores atualmente; uma seleção considerada de amigos da marca que encarnam o espírito da Maison nas suas vidas e esforços criativos. É um grupo tão diverso e abrangente, desde as estrelas do K-Pop Jimin e Jisoo, até os atores Robert Pattinson e Anya Taylor-Joy. Ser adicionado à sua lista exclusiva é um grande negócio – um lugar entre uma empresa bastante estelar – por isso é um dia muito emocionante saber que, pela primeira vez, um australiano foi incluído nas fileiras.

A atriz australiana Alycia Debnam-Carey é a mais nova cara da Maison e embaixadora da moda Dior na Austrália. Incorporando o espírito e a elegância do estilo e da feminilidade da Dior, é uma combinação que parece natural tanto para a atriz quanto para a Maison. Debnam-Carey carrega toda a graça e criatividade manifestadas no espírito da Dior, sua capacidade de se reinventar através de seu trabalho como atriz espelhando o objetivo da Maison de expressar o poder de transformação através de seu trabalho.

A atriz e a Casa desenvolveram uma estreita relação de trabalho ultimamente. Participando de sua primeira Paris Fashion Week em setembro, Debnam-Carey compareceu ao desfile SS24 da Dior e passou pela exposição L’Or de J’adore Paris na Beaux-Arts de Paris na Rue Bonaparte no mês passado.

Quem é Alycia Debnam-Carey?

Alycia Debnam-Carey é uma atriz emergente nascida em Sydney, mais conhecida por seus papéis como Lexa na série distópica de ficção científica The 100, e como Alicia Clark no drama de terror Fear the Walking Dead . Recentemente, ela assumiu o papel principal na nova série do Hulu, Saint X, e também pode ser encontrada atuando ao lado de Sigourney Weaver e do colega australiano Asher Keddie na série limitada da Amazon, The Lost Flowers of Alice Hart.

Ela já conquistou muitos seguidores on-line por seus papéis, e provavelmente a veremos realizar coisas ainda maiores e melhores em 2024.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Sigourney Weaver estrela um thriller familiar australiano cheio de emoções tempestuosas e um terreno estranhamente belo.

Sigourney Weaver e Alyla Browne interpretam June e Alice, uma mulher e sua neta que estão unidas por acontecimentos selvagens, na série de sete partes “As Flores Perdidas de Alice Hart”. Crédito: Estúdios Amazon.

O título da nova série da Amazon, “The Lost Flowers of Alice Hart”, com seu eco dos romances góticos de calamidades familiares de VC Andrews, é um caso de verdade na publicidade. A minissérie australiana de sete episódios, baseada no romance de Holly Ringland e estreada quinta-feira no Prime Video, é um melodrama sem remorso – uma saga familiar em que mentiras e segredos proliferam além de qualquer razão, colocando pais e filhos, amigos e espectadores, através de tempestades de emoções anormalmente intensas.

O fato de também ser divertido, comovente e vividamente atmosférico é uma surpresa agradável em uma época em que o melodrama tende ao banal (alguma variedade de novela) ou à repreensão (alguma variedade de crítica social sem humor). “Lost Flowers” ​​é um lembrete de que quando tratado com habilidade, sofisticação e certa moderação, o melodrama pode ser tão satisfatório quanto qualquer outro estilo de contar histórias.

A história envolve uma complicada rede de relacionamentos centrada em Thornfield, uma fazenda de flores que também serve de refúgio para mulheres problemáticas, chamadas de “flores”. Algumas das mulheres, embora não todas, estão a escapar de homens abusivos. A fazenda é administrada por uma matriarca ameaçadora, June (Sigourney Weaver), com a ajuda de seu amante indígena, Twig (Leah Purcell), e de sua filha adotiva, Candy (Frankie Adams).

June é um pólo de uma história em que a guarda de vergonhosos segredos de família é a base da tragédia. O outro polo é Alice, que quando a vemos pela primeira vez é uma criança (interpretada por Alyla Browne) e nada sabe sobre June, sua avó. Acontecimentos selvagens os unem desde o início para que possam passar o resto da série unidos e, à medida que Alice avança nas mentiras de June, se separam novamente.

A maior parte da primeira metade de “Lost Flowers” ​​está ligada ao ponto de vista desta jovem Alice, e o diretor e diretor de fotografia Glendyn Ivin e Sam Chiplin dão a esses episódios a textura sedutora de um conto de fadas sinistro e sombrio. Usando a paisagem estranhamente bela da costa de Nova Gales do Sul, eles criam um ambiente que reflete a apreensão infantil e vacilante de Alice pela violência irracional que regularmente irrompe em sua vida.

Eles são imensamente ajudados por Browne, que tem um desempenho excelente, embora Alice passe vários episódios quase sempre muda enquanto se recupera de um trauma. Tristeza, rebeldia e um senso de humor travesso estão presentes em seus olhos. Embora ela compartilhe a tela com Weaver e com a estrela australiana Asher Keddie, que interpreta uma bibliotecária local simpática, mas hipócrita, Browne atrai você direto para ela.

Alycia Debnam-Carey interpreta uma versão mais velha de Alice, que após um salto de 10 anos na história parece estar repetindo padrões familiares prejudiciais. Créditos: Estúdios Amazon

No meio do caminho, a série avança mais de uma década, e Alice, agora uma jovem interpretada por Alycia Debnam-Carey, se encontra em outro cenário mágico – desta vez um parque nacional onde uma cratera vulcânica oferece um refúgio para flores silvestres.

A mudança de cenário é simbólica — longe da proteção da fazenda, Alice fica livre tanto para se encontrar quanto para passar a repetir padrões familiares prejudiciais quando se trata de homens. E a escrita, liderada pela showrunner da série, Sarah Lambert, seca um pouco junto com a paisagem. Esses episódios parecem mais com algo que já vimos antes, embora um pouco do encantamento anterior permaneça em uma trama envolvendo a longa viagem de Twig em busca de Alice.

O que o conduz, finalmente – como você poderia esperar – é Weaver. “Lost Flowers” ​​não aproveita seus pontos fortes tradicionais – a taciturna e reprimida June não fornece uma grande tela para a inteligência majestosa, porém selvagem, de Weaver ou seu senso de humor mortal. Ela consegue tirar mais proveito da pura presença e do carisma teimoso, no entanto, do que a maioria dos artistas com uma atuação ocupada, e nos episódios posteriores ela assume o controle, proporcionando alguns momentos maravilhosos enquanto June desacelera e se abre. O trabalho em série de Weaver tem sido esparso e imprevisível; passar sete episódios com ela é a cereja do melodrama.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

O que aconteceu com Alicia em Fear the Walking Dead? Pedimos respostas aos Showrunners.

[Alerta de spoiler para o episódio ” Anton ” de Fear the Walking Dead de domingo (22/10/2023]. Ninguém vai embora até que eles vão embora… e Alicia Clark vai embora. Pelo menos, isso é de acordo com Troy Otto (Daniel Sharman), que retornou dos mortos para resolver um antigo rancor contra Madison Clark (Kim Dickens) em Fear the Walking Dead . A estreia de domingo do lote final de episódios de Fear terminou com duas revelações chocantes para Madison: primeiro, que ela não matou, de fato, Troy quando o espancou com um martelo na cabeça na terceira temporada. destino devastador: que Troy se vingou matando Alicia (Alycia Debnam-Carey).

Quando vimos Alicia pela última vez, ela saiu em meio à precipitação radioativa para encontrar sobreviventes procurando por PADRE antes do que ela pensava ser seu fim inevitável: sucumbir à febre causada por uma mordida infecciosa de zumbi. Em algum momento durante o salto no tempo de sete anos , o distorcido Troy aparentemente rastreou Alicia e a assassinou. Troy então entregou a prova de morte: uma prótese , que Victor Strand (Colman Domingo) e Daniel Salazar (Rubèn Blades) reconheceram como os restos do esqueleto do braço amputado de Alicia.

“Eu tirei do cadáver dela depois de matá-la”, Troy disse a Madison, alegando que ele deixou os mortos-vivos e Alicia de um braço só vagando como um caminhante. “Eu a teria colocado no chão, Madison. Depois de todas as andanças que fiz pelo México, pensei que era certo que Alicia fizesse o mesmo. Talvez um dia você a encontre. Ou talvez ela encontre você.” , ou talvez não, e termine o trabalho.”

O que aconteceu com Alícia? Alícia está morta? Troia está dizendo a verdade? Fizemos essas perguntas aos produtores Andrew Chambliss e Ian Goldberg , com a dupla confirmando que todas as perguntas de Alicia serão respondidas antes de Fear the Walking Dead terminar com o final da série em duas partes, em 19 de novembro.

“Se Troy está dizendo a verdade é algo que você terá que assistir o resto da temporada para descobrir”, disse Goldberg ao ComicBook . Chambliss acrescentou: “Definitivamente descobriremos se a história de Troy é verdadeira ou não, e o que realmente aconteceu entre Troy e Alicia.”

O episódio terminou com outra pergunta quando Troy – provocando a matriarca Clark sobre Nick e Alicia – perguntou a Madison: “Por que você está lutando?” A missão de Madison para reconstruir o PADRE é “manter vivo algo maior”, disse ela. “Meus filhos. Vou transformar esse lugar no que sempre deveria ter sido, para eles. Para Alicia.”

“Desde o início da série, tudo para Madison tem sido sobre sua família. Tem sido o impulso para ela desde o início. Mesmo quando aprendemos sobre ela em seu momento mais sombrio, e as coisas que ela fez enquanto estava sob o comando de PADRE polegar, mesmo isso foi motivado por seus filhos”, explicou Goldberg. “Acho que quando chegamos aos episódios finais da série, Madison está neste lugar onde ela não tem mais seus próprios filhos e está lutando para saber como pode homenageá-los por esta família no PADRE. após Madison assumir o PADRE, mas também a família que ela construiu ao longo do caminho com todos os personagens que todos nós amamos. Na verdade, é apenas extrapolar sua motivação para seus filhos e sua família e aplicá-la a esta nova família que ela criou .”

Fear the Walking Dead vai ao ar aos domingos às 21h no AMC e AMC+.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Pela primeira vez, a Dior escolheu a atriz australiana Alycia Debnam-Carey para ser sua primeira embaixadora da moda na Austrália.

Cortesia da Dior

A casa Dior tem uma longa lista de amigos da marca, chegando aos cantos mais distantes do mundo para desenvolver seus relacionamentos com formadores de opinião de todas as diferentes indústrias criativas.

Pela primeira vez, a Dior escolheu a atriz australiana Alycia Debnam-Carey para ser sua primeira embaixadora da moda na Austrália. É uma união que parece uma evolução natural para a maison e Debnam-Carey, que trabalharam juntas no passado, Debnam-Carey personificando o espírito da Dior com sua capacidade de transformar a feminilidade como atriz em muitas experiências diferentes. Celebrando, mais do que nunca, os laços especiais que unem a Dior e a cultura em todas as suas formas, a aliança entre as duas coloca a criatividade em primeiro plano.

Aqui, conversamos com Debnam-Carey para compartilhar como surgiu o cargo de embaixadora, o que a parceria significa para ela e suas peças favoritas da Dior.

Conte-nos como surgiu essa embaixadora?

Honestamente, acho que tudo se resumiu no momento perfeito. Sempre adorei a Dior como marca e felizmente eles conheciam meu trabalho. Depois, em uma viagem à Austrália, pude conhecer a equipe na inauguração da nova boutique em Sydney. e tudo floresceu a partir daí. Tornou-se uma parceria linda e sem esforço.

O que você ama na Dior?

“Sempre adorei o que a Dior representa para as mulheres. A Dior pretende expressar a feminilidade em todos os seus designs, formas e silhuetas. Há um foco inerente na elegância e na beleza, mas com uma força e confiança que sempre admirei. Estou também apaixonado pela rica história da marca. O cuidado e a paixão de Christian Dior duraram vidas inteiras e, a partir de então, chegaram a tantos designers incríveis dentro da casa; de Yves Saint Laurent a John Galliano e Maria Grazia Chiuri. É um legado marca que evolui e aproveita o futuro, mantendo a sua feminilidade integral como espinha dorsal.”

Qual é a sua peça favorita da Dior?

“É muito difícil escolher apenas um! Mas estou muito consciente das peças básicas e usáveis, então agora estou obcecado pela minha bolsa Dior Toujours preta. Ela pode carregar tudo (e eu carrego muito), mas é ainda tão chique e elevado. Adoro que ele possa mudar de tamanho e se adaptar a diferentes ocasiões, o luxuoso interior de couro de bezerro e o clássico padrão cannage. Também estou adorando minha jaqueta puffer outono/inverno 2023. Eu estava cobiçando-a para um ao mesmo tempo e é perfeito para qualquer ocasião, seja para tomar café, usar roupas de treino ou levantar jeans e uma camiseta. Eu amarei para sempre a icônica bolsa Lady Dior. Ela tem uma elegância atemporal e provou ao longo da história ser uma das peças mais bonitas da moda.”

O que essa parceria significa para você?

“Essa parceria é incrivelmente significativa para mim. Sempre adorei moda, sou uma verdadeira fashion girl de coração e agora fazer parte de uma das casas de moda mais prestigiadas do mundo é nada menos que um sonho que se torna realidade. … Também significa muito ser o primeiro embaixador australiano, um primeiro desse tipo é nada menos que raro e especial.”

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

A atriz australiana nos conta tudo sobre seu emocionante novo papel na casa de luxo francesa

Alycia Debnam-Carey é a primeira embaixadora australiana da Dior. Imagem cortesia da Dior

Em uma estreia emocionante para a moda australiana, a Dior escolheu a atriz australiana Alycia Debnam-Carey para ser sua primeira embaixadora da moda na Austrália. Juntando-se a nomes como Charlize Theron, Natalie Portman, Jennifer Lawrence e Rihanna na ilustre linha de embaixadores da Dior, Debnam-Carey funde sua elegância natural com o espírito de feminilidade dinâmica da casa.

Conhecida por interpretar Alicia no sucesso cult da FX, Fear the Walking Dead , a atriz estrelou recentemente como protagonista em The Lost Flowers of Alice Hart, do Prime Video , ao lado de Sigourney Weaver e Asher Keddie. Viajando entre Los Angeles, onde morou até os vinte anos, e Sydney, onde foi criada, a jovem de 30 anos é uma força ousada para assistir no cinema contemporâneo. Ao encerrar sua participação nos programas que a colocaram no centro das atenções, a atriz se prepara para embarcar em um novo capítulo de sua carreira. Agora que se destaca, Debnam-Carey é a musa perfeita da Dior.

Em setembro, ela teve um gostinho do que a parceria lhe reserva ao participar de sua primeira Paris Fashion Week para o desfile primavera/verão 2024 da Dior no icônico Jardin des Tuileries.

PARIS, FRANÇA – 26 DE SETEMBRO: Alycia Debnam Carey participa do desfile Christian Dior Womenswear Primavera/Verão 2024 como parte da Paris Fashion Week em 26 de setembro de 2023 em Paris, França. (Foto de Marc Piasecki/WireImage).

Para marcar a importante notícia, GRAZIA conversa com Debnam-Carey sobre o que Dior significa para ela e as peças que ela terá e guardará para o resto da vida.

Quem são os colegas embaixadores que você admira e por quê?

Para mim, Charlize Theron sempre foi um ícone. Ela é uma atriz talentosa e multifacetada, e eu realmente admiro a carreira dinâmica e duradoura que ela construiu para si mesma. Ela também é o epítome de elegância, força e glamour. Também sempre admirei Jennifer Lawrence. Ela foi uma influência de atuação significativa para mim enquanto crescia e tinha uma presença tão nova, autêntica, engraçada e fundamentada.

Quem é a mulher Dior para você?

A mulher Dior é elegante, clássica e atemporal. Forte e poderosa, ela abraça sua feminilidade e não tem medo de ocupar espaço. Ela tem presença.

Ouvi dizer que você fez um tour pela nau capitânia da Avenue Montaigne! Conte-nos sobre essa experiência.

Tive a sorte de visitar a boutique Dior Flagship durante a Paris Fashion Week, e era nada menos que luxuosa. Fizemos um tour por todas as diferentes partes da boutique, que incluía um incrível terraço coberto com jardim de inverno, o café e o restaurante Dior dirigido por um chef com estrela Michelin, o que foi extraordinário. A atenção aos detalhes, o respeito pela história e o cuidado geral estavam fora deste mundo. Sem falar que tudo era Dior! Tudo. Não era apenas uma loja; foi toda uma experiência.

Quais são algumas de suas peças favoritas da Dior?

Eu adoro a icônica bolsa Lady Dior; é uma peça tão clássica e atemporal. A bolsa Dior Toujours é minha escolha no momento em que preciso carregar muito – e posso carregar muito. Recentemente comprei uma jaqueta de caxemira estilo bar na boutique da Avenue Montaigne, que é linda. Parecia muito parisiense e chique – um momento adequado para minha primeira Paris Fashion Week. É algo que terei para a vida toda.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Venha com a atriz australiana em uma celebração de fragrâncias e arte com a Dior.

Em comemoração à sua mais nova fragrância, L’Or de J’adore, a luxuosa casa de moda e beleza Dior abriu as portas da Beaux-Arts de Paris na Rue Bonaparte para uma exposição que celebra não apenas esta última edição do design olfativo, mas em homenagem à longa e augusta história dos perfumes Dior ao longo dos anos – e como embaixadora e ícone da Dior, a atriz australiana Alycia Debnam-Carey não iria perder a ocasião por nada no mundo.

Após sua viagem a Paris para a Paris Fashion Week, Debnam-Carey permaneceu na ilustre cidade para participar da exposição especial e convidou a Vogue para acompanhá-la na preparação e participação no evento. Desde fazer o cabelo e a maquiagem até vestir seu traje Dior para a noite, Alycia nos leva desde os primeiros momentos glamorosos da noite até a própria exposição.

Uma retrospectiva brilhante do caso de amor da casa com aromas florais, narrativas douradas e experiências sensacionais, Beaux-Arts de Paris é transformada em um covil imersivo de L’Or de J’adore personificado, com a longa história da marca tecida ao longo do instalações, cortesia de vários artistas criativos ilustres e renomados.

À frente, acompanhe Debnam-Carey enquanto ela o leva a uma noite de deleite sensorial e momentos deslumbrantes na exposição Dior J’adore em Paris.

Minha maquiadora Emily Cheng desenhou esse look de maquiagem para parecer um pouco esfumaçado, com tom bronze e delineador macio para combinar com o evento J’adore Exhibition. Eu sempre quero que minha pele tenha a aparência de uma pele – não muito pesada, muito brilhante e fresca, o que Emily é incrível (ela é fã do Dior Forever Skin Correct Concealer). Também nos concentramos em contornos e esculturas suaves para dar ao rosto uma estrutura realmente bonita.

Emily usou a paleta de sombras DiorShow 5 Couleur Limited Edition em Beige Couture que tinha lindos tons neutros de bege/cinza.

Também usamos o Batom Rouge Dior Forever na cor Shade 100 Nude Look, que ficou com o lábio nude perfeito com um leve tom lilás. É tão difícil encontrar o nude perfeito, então quando encontrar, compre cinco.

Adorei esse visual e definitivamente representa muitas das minhas escolhas de estilo pessoal. Algo que parece muito clássico e polido, mas com um elemento divertido. Eu tenho uma figura de ampulheta, então qualquer coisa que aperte na cintura é lisonjeira para mim. A jaqueta Dior 30 Montaigne Bar é tão lisonjeira nesse sentido, ao mesmo tempo que parece muito forte – enquanto a saia de tule plissada adiciona aquele toque extravagante e divertido, ao mesmo tempo que é elevado e chique.

Adorei essa bolsa Lady Dior. O enfeite de contas pretas é tão deslumbrante e o torna perfeito para uma bolsa de noite. Na verdade, eu mesmo tenho isso em um tamanho menor e estou obcecado por ele.

Sempre gosto de uma textura bem vivida e relaxada para o cabelo. Adoro que pareça fácil, chique e vivido. Meu cabeleireiro Bobby Elliot é incrível na criação desse visual. Trabalhamos juntos desde os 22 anos e é muito especial tê-lo aqui na Dior comigo em Paris.

Chegando na exposição.

A nova fragrância Dior L’Or de J’adore de Francis Kurkdjian é deslumbrante. Tenho usado J’adore Dior como meu perfume exclusivo desde os 16 anos e esta nova versão com notas de tuberosa, flor de laranjeira e dois tipos diferentes de jasmim dá um perfume mais rico e sensual que parece perfeito para se elevar.

Este quarto era espetacular. Projetado pelo artista de mídia digital Refik Anadol, que usou uma função de IA para gerar esta arte em movimento baseada nos valores numéricos das fragrâncias Dior J’adore ao longo dos anos. Foi absolutamente hipnotizante.

Esta sala de peças de alta costura do arquivo da Dior era extraordinária. A genialidade das peças de todos os designers, como o próprio Christian Dior, Marc Boman, Galliano e Maria Grazia, ao longo da história da marca mostrou a amplitude da criatividade e da inspiração. Ser capaz de mergulhar na história e no espírito da marca foi muito emocionante e me deu muito apreço por todo o talento artístico em cada etapa do caminho.

Toda a sala estava coberta com lindas flores de origami de papel que faziam toda a sala parecer um casulo de flores.

Admirando a incrível instalação artística de paredes pingando ouro. Cada quarto era muito atencioso e considerado a história de J’adore. 

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR