Explore a Big Apple com Alycia Debnam-Carey e Dior, enquanto a atriz chega para o desfile pré-outono 2024 da maison.

Crédito da imagem: Emílio Madrid

Como você aproveita os dois dias que antecedem um desfile da Dior na cidade de Nova York? Alycia Debnam-Carey tem isso como uma arte. A atriz australiana e embaixadora da maison chegou à Big Apple no início desta semana para a apresentação pré-outono 2024 da Dior, uma ode à duradoura relação entre a França e os Estados Unidos; afinal, é em Nova York que está localizada a Estátua da Liberdade, oferecida como presente pelos franceses no final do século XIX.

Chuva, serviço de quarto e generosas fatias de pizza no estilo de Nova York: Debnam-Carey preencheu suas primeiras 24 horas na metrópole com visitas a instituições culinárias como Carbone e gigantes culturais como o Museu de Arte Moderna. Uma aparição na Jumbotron durante o jogo do Knicks e uma noite no Aman mais tarde, e ela estava se preparando para o desfile – vestida dos pés à cabeça, é claro, com Dior. “O trânsito estava tão ruim que decidimos caminhar o último quarteirão”, brinca ela para a Vogue sobre o caminho para a apresentação. “Dê um tempo ao vestido, sabe?” Ela destaca um vestido de gola alta – “Clássico e elegante; o veludo verde profundo é tão chique” – e um mini vestido preto – “Eu amei este como um pequeno número de festa. Divertido, sem costas e incrível com as luvas combinando!” – como seus favoritos pessoais de pré-outono.

Do seu clube preferido ao prazer de passear pelo Central Park, Debnam-Carey nos leva através de sua jornada em Nova York. Abaixo, seu diário de viagem, compartilhado exclusivamente com a Vogue.

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Chegar em Nova York nunca deixa de me impressionar. O horizonte da cidade é tão denso e bonito. Sinto-me como uma criança toda vez que chego. Pequena, animada e cheia de possibilidades.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Um dos meus pequenos luxos favoritos é o serviço de quarto. Eu amo. Amo a bandeja pequena, os pratos separados, que você pode comer de roupão. Sempre arranjo tempo para o serviço de quarto.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Estava muito chuvoso em Nova York quando cheguei pela primeira vez. Mas Nova York é de alguma forma ainda mais mágica na chuva.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Ostras e martinis são uma combinação de elite. Minha linguagem do amor são martinis e ostras… e nada supera um martini de Nova York.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Não seria NY sem uma fatia ou duas. Upside em Soho é sempre um bom lugar.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Será que realmente é uma viagem a NYC se você não for ao Carbone? Eles trouxeram todas as sobremesas que você pode imaginar e foi incrível. Eu fui expulsa do restaurante.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Joy Face é o clube! Só toca disco e eu respeito isso. Há também uma cama d’água dentro, que de alguma forma evitou ser perfurada por um salto alto.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“A primavera chegou! E também todas as flores… prepararem o rolo da câmera!”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“As Ninféias de Monet. Eu amo ir ao MoMa especificamente por isso. Toda a sala é cercada pela coleção de ninféias de água dele e é tão sereno, calmante e pacífico. Sempre dá um momento de alívio da agitação da cidade. Altamente recomendado se você nunca foi.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Fui a um jogo do Knicks e sentei na primeira fila, o que foi louco. Eles me colocaram na Jumbotron, o que causou ansiedade. Mas o jogo foi tão divertido. Eu amo basquete e eu amo Space Jam… Nunca foi melhor.”

Crédito da imagem: Alycia Debnam-Carey

“Este hotel era de outro nível. Agora sou uma garota Aman. Minhas finanças discordam. Mas meu gosto está bem alinhado. Além de alguns mimos da Dior! Tão mimada.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Continuei falando sobre o quanto este cesto de pão era bom para todos que ele realmente ganhou sua própria foto…”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Pijama de seda. Nem sabia que precisava de pijamas de seda até isso. Eles são tão luxuosos e confortáveis.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Meu maquiador Sil [Bruinsma] e eu decidimos por um look de olho esfumaçado para tornar o visual um pouco mais despreocupado e desfeito. Usei o batom Dior Addict na cor Pink Bow, o Dior Addict Lip Glow Oil em Cherry, a sombra Diorshadow com a paleta Pied-de-Poule e o blush Rosy Glow em Cherry. Meu cabelo foi feito por Jennifer Yepez e Maki Sakamoto fez minhas unhas.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Todas as garotas sabem que o Dior Lip Oil é AQUELA garota. Usamos a cor Cherry, que tem uma cor muito sutil, mas não é avassaladora. Atualmente está na minha bolsa.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Eu realmente amei este visual da nova coleção. Ele se sente muito essencialmente Dior em sua forma e tem uma inclinação muito feminina. Os slingbacks também são elegantes. Adoro os detalhes de pérolas e a ponta pontiaguda. Um sapato perfeito.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Sempre bom ver Rachel nos desfiles da Dior. Ela é tão doce e talentosa!”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Assistindo ao desfile se desenrolar.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Eu nunca tinha ido ao Museu do Brooklyn, então antes de sairmos do local, fiz questão de dar uma olhada rápida. A coleção privada de Alicia Keys e Swizz Beatz foi uma exibição impressionante de história e cultura, e gostaria de ter horas para realmente apreciá-la.”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Um pequeno clique secreto do nosso adorável fotógrafo Emilio Madrid. Apenas um momento de solidão, observando a cidade depois do desfile. Fellini, se prepare!”

Crédito da imagem: Emílio Madrid

“Um pequeno passeio pelo Central Park, sempre. Nova York, eu te amo.”

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Alycia Debnam-Carey, a primeira embaixadora australiana da Dior, fala sobre admirar Sofia Coppola, Sigourney Weaver e Cate Blanchett, e seus papéis em Fear the Walking Dead e The Lost Flowers of Alice Hart da Amazon Prime (na foto). Foto: Divulgação

Alycia Debnam-Carey pode não ser um nome conhecido ainda, mas se você a viu em séries como “Saint X” da Hulu e “The Lost Flowers of Alice Hart” da Amazon Prime, sabe que a atriz de 30 anos é uma para se observar.

Nascida na Austrália e agora baseada em Los Angeles, Debnam-Carey está atuando desde muito jovem e teve sua grande oportunidade quase uma década atrás na série de sucesso “Fear the Walking Dead”.

Uma captura de tela de Alycia Debnam-Carey em Fear the Walking Dead. Foto: AMC Studios

Ela também é a primeira embaixadora australiana da Dior, um desenvolvimento recente que a transformou em uma queridinha do tapete vermelho.

Conversamos com Debnam-Carey no show pré-outono 2024 da Dior em Nova York, realizado no Brooklyn Museum, que prestou uma homenagem emocionante à lendária deusa das telas de prata Marlene Dietrich.

Como é ser a primeira embaixadora da Dior da Austrália?

É muito especial e emocionante. É uma casa de moda incrível e uma família da qual estou muito animada em fazer parte.

Alycia Debnam-Carey antes do desfile pré-outono 2024 da Dior em Nova York em abril. Foto: Divulgação

Há algo que você descobriu sobre a marca que realmente a impressionou?

Aprendi muito sobre a história e sobre o próprio Christian Dior. Quando estive em Paris, fiz um grande tour e fui para [o local de nascimento da marca] 30 Avenue Montaigne e o museu, La Galerie Dior, que foi incrível, e cada aspecto da casa é tão rico em história. Agora tenho muito mais apreço por isso.

Você sempre esteve interessada em moda quando era jovem?

Eu sou uma garota da moda de coração e cresci folheando a Vogue e a Harper’s Bazaar, e para mim fazer parte de algo assim sempre foi um sonho.

Alycia Debnam-Carey é a primeira embaixadora australiana da Dior. Foto: Divulgação

Como você se sente ao usar Dior?

A Dior faz um ótimo trabalho em representar a feminilidade, mas em todas as versões, então é sobre força, poder, elegância e beleza. Adoro que seja uma marca que celebra as mulheres e sempre as celebrou. O próprio Dior tinha uma irmã e a amava, e sempre foi uma celebração de mulheres tão fortes. Estou muito feliz em fazer parte de uma marca que sempre fez isso e não é apenas algo novo ou recente.

Quando você percebeu que queria trabalhar no entretenimento?

Fiz meu primeiro filme quando tinha oito anos e parecia um circo com todos esses artistas incríveis – era muito criativo e havia tantas personalidades fortes e era muito divertido e livre. Quando percebi que as pessoas poderiam fazer isso para viver, decidi que queria fazer isso.

Os acessórios da Dior de Alycia Debnam-Carey antes do desfile pré-outono 2024. Foto: Divulgação

Você fez tanto séries de TV quanto filmes. Qual você prefere e como eles são diferentes?

Eu gosto dos dois e agora, porque fiz muita TV, quero fazer mais filmes. Em séries de TV, você se aproxima da equipe porque está trabalhando junto o tempo todo e eles se tornam como uma família. Com filmes, adoro que esteja sempre mudando. Você pode entrar e sair de um personagem ou período de tempo, e então acaba. Gosto que haja um começo e um fim muito claro, então quero fazer mais disso, mas também existem tantas séries ótimas. “The Lost Flowers of Alice Hart” com Sigourney Weaver é um dos projetos dos quais mais me orgulho.

A atriz australiana Alycia Debnam-Carey estrela em “Saint X” da Hulu e “The Lost Flowers of Alice Hart” da Amazon Prime. Foto: Divulgação

Há algum ator ou diretor que você admire particularmente?

Sofia Coppola é uma diretora que eu amo. Ela é incrível e “Lost in Translation” é um dos meus filmes favoritos. Eu também amo Greta Gerwig, como não poderia amar? E há tantas atrizes. Cate Blanchett é incrível e trabalhar com alguém como Sigourney Weaver foi um momento tão especial para mim. Ela é um ícone.

O que você tem pela frente?

Acabei de terminar de trabalhar em uma minissérie da Netflix, “Apple Cider Vinegar”, que será lançada no final do ano. É sobre o surgimento do influenciador de bem-estar e como isso aconteceu nos anos 2010. E tenho um filme também saindo na Netflix que foi adquirido no Sundance por US$17 milhões. É o sexto filme mais vendido no Sundance. Nem quero te dizer sobre o que se trata porque é um daqueles filmes que você deveria assistir sem saber. Chama-se “It’s What’s Inside” e é como uma comédia de ficção científica.

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Atriz Alycia Debnam-Carey comparece ao Miss Dior Avenue Pop-Up em Los Angeles no dia 08 de março.

Ontem à noite (08/03/2024), no coração de West Hollywood, no cruzamento da Dior Avenue com a Dior Terrace, a Dior Beauty revelou seu mais recente pop-up para celebrar a nova fragrância Miss Dior criada por Francis Kurkdijan, Diretor de Criação de Perfumes da Dior.

Batizada de Miss Dior Avenue, a pop-up oferece uma experiência de transporte para um universo semelhante a uma rua de uma cidade dos anos 1960. Possui uma perfumaria, um cinema e uma floricultura, todos banhados no icônico rosa da Miss Dior. A vida aqui é idílica. Os hóspedes relaxam no café com uma xícara de sorvete, escrevendo cartões postais para seus entes queridos, que posteriormente postam na caixa de correio da Dior. Alguns visitam a Parfumerie para um curso intensivo sobre a história da Miss Dior. Outros vão ao cinema, onde a última campanha com Natalie Portman (rosto da Miss Dior desde 2011) passa na tela grande. “Você tem pipoca?” brincou um festeiro na bilheteria, apenas para receber ingressos falsos de cinema e uma charmosa caixa de pipoca rosa cheia de caramelo de água salgada que parecia surgir do nada.

Miss Dior Parfum, a primeira fragrância de Christian Dior, foi lançada em 1947. Capturou o espírito alegre e esperançoso da era pós-guerra, inspirando-se na musa e irmã de Dior, Catherine Dior, que foi uma lutadora da Resistência durante a Segunda Guerra Mundial. Com uma homenagem aos anos 60 e ligada à primeira linha de pronto-a-vestir Miss Dior lançada por Marc Bohan em 1967, a Dior Avenue incorpora o espírito otimista de Lala Land no passado – é um mundo de sonhos dentro da terra dos sonhos de Los Angeles.

Confira fotos da atriz no evento visitando nossa galeria.

A premiação AACTA International de 2024 ocorreu em 10 de fevereiro, em uma cerimônia na Gold Coast, em Queensland, Austrália. Os prêmios reconhecem produções de cinema e TV globais, produzidos na Austrália, e são votados por profissionais australianos. ALycia Debnam-Carey compareceu a premiação junto ao elenco de The Lost Flowers of Alice Hart, aclamada minisérie de TV em que é uma das protagonistas, e que venceu a categoria de Melhor Minissérie no AACTA deste ano.

“Apresentado pelo ícone do entretenimento Harry Connick Jr., o AACTA Industry Awards após mais um ano de conteúdo de tela australiano de alta qualidade, Talk to Me, The Australian Wars, Deadloch e The Lost Flowers Of Alice Hart foram os grandes vencedores da noite.” – AACTA

Confira algumas fotos de Alycia na premiação na nossa galeria.

Tradução e Adaptação – Marina Brancher, ADCBR

Do oeste de Sydney a Hollywood, Alycia Debnam-Carey está à beira de uma nova era.

Alycia Debnam-Carey vestindo Christian Dior.

Alycia Debnam-Carey não é adepta a seguir multidões. Atriz por ofício, ela tem uma carreira no cinema e na televisão desde criança. Seu primeiro papel surgiu quando ela tinha apenas oito anos – no curta-metragem de Rachel Ward, Martha’s New Coat . Na escola, ela manteve pequenos papéis em produções australianas, incluindo McLeod’s Daughters e Dance Academy. Então, em 2011, quando seus amigos estavam indo para a universidade, a jovem de 18 anos deu o salto final: deixar o oeste de Sydney para tentar a sorte fazendo um teste em Los Angeles.

Vestido Christian Dior

Foi uma jogada arriscada, mas que valeu a pena. Poucas semanas depois de chegar a Hollywood, ela conseguiu um contrato multimilionário para um filme. Pouco depois, ela se juntou ao elenco da série distópica de sucesso The 100, e no ano seguinte garantiu um papel principal como Alicia Clark em Fear the Walking Dead , um spin-off da franquia cult de zumbis The Walking Dead.

Top e saia Christian Dior

Parece a derradeira história de sucesso australiana, mas é claro que nada disso aconteceu sem muito trabalho. “Não foi necessariamente um sucesso repentino e da noite para o dia. Foram muitos anos de preparação”, diz Debnam-Carey. Abaixo da superfície, a realidade de mais de uma década no estrangeiro estava a cobrar o seu preço. Os confinamentos pandémicos forçaram-na a voltar a concentrar-se “muito importante, naquilo que eu não queria mais”, diz ela. Aos 28 anos, após sete temporadas lutando contra zumbis, Debnam-Carey decidiu se afastar da série em busca de novos papéis e novos desafios.

Top, saia, botas, pulseira e anel Christian Dior.

Uma delas foi a adaptação para a série de TV do romance best-seller de Holly Ringland, The Lost Flowers of Alice Hart. Debnam-Carey interpretou Alice, uma mulher que enfrenta violência familiar enquanto tenta encontrar seu lugar no mundo. A série também a viu voltar para casa, na Austrália, para filmar no outback – na mesma cidade onde filmou Martha’s New Coat.

Camisa, saia e brincos, Christian Dior.

Enquanto ela se reorganiza, Debnam-Carey está se dedicando ao trabalho local. Seu projeto mais recente é Apple Cider Vinegar, o novo drama da Netflix que conta a história da infame influenciadora australiana Belle Gibson , que acumulou milhões de seguidores fingindo câncer no cérebro e alegando curá-lo por meio de métodos naturais de saúde e bem-estar. Assumir o papel foi uma decisão fácil, considerando que o elenco também inclui Kaitlyn Dever, de Booksmart, e a melhor amiga da vida real de Debnam-Carey, Aisha Dee. Não havia nenhuma maneira que ela recusaria isso. “Foi tudo muito especial”, diz ela.

Brincos e anéis Cartier Trinity

Em seu ensaio fotográfico para a ELLE , Debnam-Carey está usando a coleção primavera/verão 2024 de Christian Dior. No final do ano passado, ela sentou-se na primeira fila da Paris Fashion Week quando a diretora criativa Maria Grazia Chiuri revelou estas peças num apelo às mulheres rebeldes. Foi a primeira passarela que Debnam-Carey compareceu como primeira embaixadora australiana da marca, uma honra que ela não considera levianamente. “A energia de Paris naquele momento era simplesmente palpável”, diz Debnam-Carey. “Você sentia como se a cidade estivesse vibrando. Foi muito, muito especial. Foi um verdadeiro momento de lista de desejos.”

Vestido e sapatos Christian Dior

Através de seda desfiada, rendas finas, bainhas cruas e até jeans chamuscados, a programação de Chiuri prestou homenagem a algumas das mulheres mais destemidas da história: aquelas acusadas de serem bruxas por ousarem se rebelar contra as normas patriarcais.

À medida que Debnam-Carey surge em seu primeiro look do dia – duas peças de malha assimétrica áspera com rasgos delicados – sua parceria com a marca faz todo o sentido. Talvez seja graças ao tempo que passou canalizando heroínas apocalípticas na tela, ou talvez seja simplesmente a aura de uma pessoa assumindo o controle com confiança, mas Debnam-Carey é a personificação viva e vibrante da visão de Chiuri de uma mulher destemida que a opera pelos próprios termos.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

 

A estreia rápida e vertiginosa de Greg Jardin extrai todas as reviravoltas possíveis de sua premissa de alto conceito, talvez às custas de recompensas psicológicas mais profundas.

Somando-se à longa lista do cinema de despedidas de solteiro infernais para as quais ninguém em sã consciência deveria aceitar um convite, “It’s What’s Inside” reúne uma grande multidão de amigos, em sua maioria distantes, em uma mansão remota onde ninguém pode ouvir você gritar ou ninguém pode ouvir você gritar. muito se importa se o fizerem. É uma configuração antiga para um filme de terror com contagem regressiva de corpos, e é para crédito do filme de estreia altamente tenso e ocupado de Greg Jardin que ele não se desenrola exatamente como você esperaria. Isso se deve a uma premissa bacana de alto conceito – não totalmente original, mas mais comumente usada para fins de comédia do que de terror – de que os cineastas estão ansiosos para manter um segredo, o que pode ser um desafio se esta estreia cativante e desagradável de Sundance Midnight reunir o buzz no nível “Fale comigo” é claramente direcionado.

Começa, de forma um tanto reveladora, com um exercício fracassado de dramatização. Começamos com Shelby (Brittany O’Grady), uma jovem cautelosa, vestindo uma peruca e uma nova personalidade vampírica na tentativa de fazer com que seu namorado distante, Cyrus (James Morosini), olhe para ela de forma diferente – ou, na verdade, olhe para ela. Ao pegá-lo no meio da masturbação por causa de pornografia no laptop, ela abandona o disfarce e eles concordam em adiar uma discussão mais ampla sobre sua vida sexual para mais tarde, após as celebrações do casamento de seu amigo Reuben (Devon Terrell) no fim de semana. Não é a primeira vez em “It’s What’s Inside” que falhas nos relacionamentos serão expostas quando os personagens adotam casualmente novas identidades, tudo no interesse de apimentar as coisas; o filme extingue as verdades que emergem quando todos estão mascarados, com um efeito cada vez mais histérico.

Começa, de forma um tanto reveladora, com um exercício fracassado de dramatização. Começamos com Shelby (Brittany O’Grady), uma jovem cautelosa, vestindo uma peruca e uma nova personalidade vampírica na tentativa de fazer com que seu namorado distante, Cyrus (James Morosini), olhe para ela de forma diferente – ou, na verdade, olhe para ela. Ao pegá-lo no meio da masturbação por causa de pornografia no laptop, ela abandona o disfarce e eles concordam em adiar uma discussão mais ampla sobre sua vida sexual para mais tarde, após as celebrações do casamento de seu amigo Reuben (Devon Terrell) no fim de semana. Não é a primeira vez em “It’s What’s Inside” que falhas nos relacionamentos serão expostas quando os personagens adotam casualmente novas identidades, tudo no interesse de apimentar as coisas; o filme extingue as verdades que emergem quando todos estão mascarados, com um efeito cada vez mais histérico.

Antes do casamento, vem uma espécie de despedida de solteiro, embora com entretenimento marcadamente diferente da oferta padrão de strippers e lapdances. Shelby e Cyrus estão entre um pequeno grupo unissex de amigos de faculdade de Reuben, convocados para sua extensa e assustadora mansão familiar para uma noite de reminiscências e brincadeiras embriagadas, longe dos olhos de sua noiva Sophia (Aly Nordlie). Já se passaram oito anos desde a formatura, e nem todos permaneceram tão próximos quanto poderiam, embora seja uma falha do roteiro bastante diagramático de Jardin que seja difícil imaginar o que poderia ter unido esse conjunto bastante aleatório de personagens desenhados superficialmente.

Entre os convidados estão a loira glamurosa Nikki (Alycia Debnam-Carey), que conquistou um vasto número de seguidores online como uma influenciadora que mistura ativismo sincero com suas fotos de tigela de açaí, e o ex-garoto de ouro Dennis (Gavin Leatherwood), agora um tatuado e esforçado que não faz muita coisa. Brooke (Reina Hardesty) e Maya (Nina Bloomgarden) também estão na mistura, embora de forma um tanto anônima, mas a conversa gira em torno de um oitavo convidado não confirmado: Forbes (David Thompson), um desajustado desajeitado que ninguém viu desde que abandonou a faculdade em circunstâncias controversas, embora haja rumores de que ele se transformou em uma espécie de magnata do Vale do Silício. Com certeza, ele chega atrasado à festa, carregando um peso no ombro e uma pasta na mão – dentro, seu mais recente desenvolvimento tecnológico, uma espécie de jogo de distorção mental que ele está ansioso para testar em seus amigos distantes.

Coletivamente, eles fazem o que qualquer um nos filmes faz quando uma figura enigmática e um pouco fria aparece prometendo mostrar-lhes uma nova realidade, e o que ninguém faria de outra forma: eles bebem e mergulham. pode não suportar um exame minucioso, mas Jardin está com pressa para chegar à devassidão frenética do segundo, onde – sem cair em spoilers – as defesas até então cautelosas dos personagens são rapidamente quebradas, linhas são cruzadas e perspectivas trocadas. O relacionamento já frágil de Shelby e Cyrus, em particular, é submetido a uma forma de terapia de grupo nitidamente exposta, na qual motivações e desejos ocultos flutuam rudemente à superfície.

Jardin conduz toda essa anarquia social iluminada por neon com energia e autoconfiança, não poupando nem seus personagens nem seu público da crueldade essencial da premissa, embora estimulando os procedimentos com o tipo de comédia estridente e efervescente de caricatura que impulsionou o terror comparativamente construído de Halina Reijn, “Bodies Bodies Bodies” em 2022. Os resultados são divertidos, com a trama continuamente se elevando a graus mais altos de pânico e surpresa, embora o potencial para uma recompensa psicológica mais sombria e mais difícil seja perdido – em grande parte porque esses personagens são tão magros que é difícil se importar muito por suas vulnerabilidades ou para acompanhar a evolução de suas personalidades. As facadas de sátira nas redes sociais – visando tanto a marca benfeitora de bem-estar de Nikki quanto os planos de casamento exaustivamente marcados por hashtags de Reuben – são divertidas, mas fáceis, encobrindo as fraquezas humanas mais profundas que os sustentam.

Ainda assim, Jardin aborda essa história quando o sorridente e intrometido Forbes aparentemente entra na festa: como um agente do caos, disposto a misturar e bagunçar as coisas, por puro prazer. Nestes termos, “It’s What’s Inside” regista-se como um cartão de visita do género bastante eficaz: filmado brilhantemente e com cortes pontiagudos, atuados de forma impetuosa por atores que aceitam o seu papel como peões bonitos num elaborado jogo narrativo de estratégia. Os estúdios que procuram um estilista picante para um roteiro de terror maleável fariam bem em aceitar seu número, embora se espere que projetos futuros revelem as dicas tremeluzentes desta estreia sobre interesses humanos mais torturados e subversivos.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

O assunto da cidade no festival deste ano é o filme de terror Midnight, It’s What’s Inside. Tive a sorte de assistir à estreia mundial deste filme de terror independente em uma exibição que começou às 23h de sexta-feira no Festival de Cinema de Sundance de 2024 e isso explodiu o teto do teatro. Todo mundo adorou. Ninguém ali tinha ideia do que estavam prestes a ver. Foi filmado em segredo, tudo foi mantido em segredo, ninguém vai querer te contar o segredo. O que torna meio difícil falar sobre isso… Posso falar vagamente sobre a ideia e por que adoro isso, sem revelar nada do que realmente acontece nele. Mesmo que você não se importe muito com spoilers, confie em mim/nós/todos sobre isso – você vai querer ver sem saber nada sobre “o que há dentro dele” até que as luzes se apaguem e o filme comece. É uma comédia de terror de ficção científica emocionante, hilária, inteligente, estridente e engenhosa do cineasta Greg Jardin. Espere até descobrir o que há na mala.

A premissa básica sem spoilers é semelhante a algo como Bodies Bodies Bodies, outra nova comédia de terror. Embora, como alguém que não é o maior fã desse filme, posso dizer que It’s What’s Inside é realmente o que eu queria de Bodies Bodies Bodies. Um grupo de velhos amigos do ensino médio se reúne para uma pequena festa em uma mansão na noite anterior ao casamento de um desses amigos. Há alguma tensão insípida entre eles, especialmente porque eles não se veem há anos e eles têm um “incidente” comum no passado que os conecta (a configuração usual de terror). Assim que eles se reúnem, o último convidado da festa, chamado Forbes, aparece no último minuto carregando uma mala estranha e um sorriso estranho. Depois de abrir a mala e revelar no que está trabalhando, ele convida todos para um jogo “divertido”. E é aí que as coisas ficam realmente selvagens. A maior provocação que posso imaginar: é como se Inception encontrasse Primer e Talk to Me, junto com Bodies Bodies Bodies e alguns outros filmes que não posso mencionar porque eles vão revelar. Isso não quer dizer que não seja novo, original e totalmente único, apenas que tem vibrações de gênero brilhantes semelhantes a todos esses.

Escrito e dirigido por Greg Jardin, It’s What’s Inside é uma reviravolta completamente nova no gênero de terror que eu nunca vi antes. Inteligente em seu conceito e truque (não é uma coisa ruim), fresco em sua produção e estilo e cativante em seu “o que vai acontecer a seguir?!” narrativa. Você vai querer assisti-lo novamente imediatamente para entender todos os truques, cruzamentos e elementos que funcionam na narrativa. É uma abordagem notavelmente inovadora do subgênero de troca de corpos. Meu sentimento inicial é que este será um grande sucesso.

Tem o potencial de franquia de Saw, ao mesmo tempo que é tão mínimo quanto o primeiro Saw (outra estreia em Sundance). Não tenho anotações. É perfeito em todos os sentidos, aborda tudo perfeitamente no roteiro e não tenta ser maior do que o necessário. Mesmo que você consiga adivinhar e descobrir o que vai acontecer, isso não diminui a emoção do que acontece e da revelação final. E assim como Primer (outra estreia no Sundance), você fica se perguntando se há ainda mais coisas acontecendo que você não percebeu na primeira exibição. Quem mais está envolvido? O que mais poderia estar acontecendo? O que mais eles podem fazer com esse aparelho na mala?

Todo o elenco de It’s What’s Inside é ótimo e eles são uma parte muito importante da complexidade deste filme e de garantir que ele funcione corretamente. Eles não estão interpretando um personagem e é isso – há muito mais acontecendo e isso é um enorme desafio. O foco está em dois personagens interpretados por Brittany O’Grady e James Morosini, embora todos os envolvidos sejam dignos de nota. Eu adorei esse filme e tenho delirado e conversado sobre ele com todo mundo no Sundance desde a estreia. Não é nem mesmo certo chamá-lo de “clássico cult instantâneo” porque acho que tem um enorme potencial de ir além de ser apenas um “clássico cult” para se tornar uma revelação completa do gênero de terror. Isso é exatamente o que espero encontrar nos festivais de cinema – algo tão novo, emocionante e incrível que você não consegue parar de pensar, e não consegue parar de dizer a todos que precisam ver, e não consegue parar de esperar pela chance para assisti-lo novamente e descobrir mais truques escondidos nele. E se isso é apenas uma amostra do potencial do diretor Greg Jardin, já estou pronto para ver o que ele criará a seguir.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Segredos obscuros, ressentimentos e ciúmes vêm à tona no filme de estreia do escritor/diretor Greg Jardin, It’s What’s Inside. Uma reunião pré-casamento entre ex-amigos de faculdade começa com uma folia fácil, quando oito se reúnem para relembrar e absorver substâncias que alteram a mente. Só ninguém sabia o quão alucinante a noite se tornaria quando uma mala surgisse para apresentar um novo jogo de festa, que catapultasse o grupo para uma casa de diversões de comédia de ficção científica e terror. Seu tom irreverente e o olhar visual de Jardin garantem um momento altamente divertido, embora seja propenso a nós emaranhados.

A introdução de abertura para os namorados da faculdade Shelby (Brittany O’Grady ) e Cyrus (James Morosini) define a cultura maníaca e obcecada pela mídia social e o tom cômico enquanto a dupla briga por uma tentativa fracassada de reacender a paixão em seu relacionamento. As doces intenções de Shelby são minadas por inseguranças e suspeitas de que Cyrus não está sendo totalmente sincero com ela. As tentativas de resolver seus problemas são frustradas pelas invasivas núpcias de Reuben (Devon Terrell), que quer celebrar a última noite de solteiro na peculiar mansão de sua mãe com seus antigos amigos de festas.

Juntando-se à mistura estão os influenciadores do Instagram Nikki (Alycia Debnam-Carey), Maya (Nina Bloomgarden), do tipo hippie da nova era, a artista Brooke (Reina Hardesty) e o agitador de maconha Dennis (Gavin Leatherwood). O grupo tem tempo apenas para começar a ficar desleixado com charros e vinho, expondo antigos encontros e anseios secretos entre eles quando um último convidado inesperado aparece: Forbes (David W. Thompson). Considerando a última saída de Forbes do grupo, todos ficam surpresos com sua aparência. Isso é rapidamente esquecido quando Forbes abre uma mala e sugere um jogo de festa para realmente acelerar a noite.

Os detalhes do que a mala contém serão omitidos para preservar as surpresas deste parque de diversões maluco, mas é seguro dizer que isso mergulha os oito amigos e amigos em uma bizarra odisseia de ficção científica que deixa cada um questionando sua identidade e desejos. Quanto mais a noite passa, mais emaranhada se torna a dinâmica. O mesmo acontece com as complicações – emocionais e físicas – que mudarão irrevogavelmente as suas vidas.

Jardin captura a loucura com uma energia maníaca condizente com esse bando insípido. A câmera não para, circulando e desviando de seus personagens para combinar e depois aumentar sua vivacidade. Os Cortes apenas aumentam ainda mais o tom de alta octanagem. O diálogo rápido se adapta perfeitamente aos personagens, mas também é necessário para a trama complexa. Jardin se envolve muito em It’s What’s Inside, fazendo malabarismos com oito personagens imperfeitos e deixando-os soltos em uma vibrante mansão estranha. O título do filme não se refere à caixa de truques de Forbes, mas às pessoas por trás de suas máscaras cuidadosamente selecionadas. Manter o controle de quem é quem e quem eles realmente são fica ainda mais complicado quando os elementos de ficção científica são introduzidos. Jardin habilmente evita que o público se perca por meio de uma trama cuidadosa e de pistas visuais, embora os dramas interpessoais ameacem obscurecer. O diretor utiliza o histórico de seu videoclipe para garantir um recurso vivaz e atraente que deslumbra e atrai você ainda mais para o abismo emaranhado, mesmo que muitos de seus atores centrais fiquem frustrados.

O elenco facilita o trabalho de confundir essas linhas e evitar que o conceito ambicioso se desvie direto para um território impenetrável. Embora as lealdades mudem e se confundam entre eles, aumentando os riscos no processo, o público terá mais dificuldade em encontrar um interesse enraizado na maior parte desse grupo egocêntrico. O fato de alguns dos detalhes pertinentes que desbloqueiam esta caixa de quebra-cabeça ocorrerem em uma velocidade tão distorcida significa que certos pontos da trama são muito mal atendidos para que a coda tenha o impacto pretendido.

Mesmo assim, It’s What’s Inside é pura diversão. Além disso, é extremamente engraçado. Jardin reúne um conjunto disposto a levar seus personagens frequentemente e intencionalmente insuportáveis ​​além do ponto da insanidade para nosso entretenimento. Nesse aspecto, a estreia de Jardin é um sucesso impressionante. É uma caixa de quebra-cabeça sinuosa que exige sua atenção para evitar perder minúcias cruciais, mas recompensa com cores saturadas, plotagem visual meticulosa e um tom irreverente. Nem todas as peças se encaixam totalmente, mas a ambiciosa estreia de Jardin ganhará facilmente seguidores devotos por sua configuração criativa e compromisso com a diversão maluca.

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Alycia Debnam-Carey em ‘It’s What’s Inside’. CRÉDITOS: Sundance Institute

Por alguma razão, os filmes do Midnight Strand no Festival de Cinema de Sundance deste ano não foram exibidos à meia-noite. Esta é provavelmente uma boa notícia para o engenhoso thriller de terror de Greg Jardin, que, embora perfeito para uma multidão noturna, talvez tenha muita carne para digerir após a hora das bruxas.

Mas sua complexidade também é seu fascínio, e há tanta coisa acontecendo sob suas muitas superfícies que poderia se tornar um verdadeiro sucesso de culto. Um lançamento no Sundance é uma bênção mista quando se trata disso, então é difícil dizer agora se It’s What’s Inside tem o imediatismo cruzado de um Projeto Bruxa de Blair, ou a queima lenta de longa distância de um Donnie Darko. Seja como for, este é um filme de gênero de primeira classe e um cartão de visita impressionante para todos os envolvidos.

Começa com o que à primeira vista parece um equívoco, concentrando-se no relacionamento difícil entre dois namorados de faculdade, Shelby (Brittany O’Grady) e Cyrus (James Morosini). A faísca se foi, mas Shelby corajosamente tenta fazer as coisas funcionarem novamente, surpreendendo Cyrus com uma pequena encenação leve e uma longa peruca loira atraente. Pego furiosamente navegando em pornografia hardcore em seu laptop, Cyrus tenta blefar para sair da situação, mas o estrago está feito.

A gravidade da situação é um pouco atenuada pelas próximas núpcias de um velho amigo de faculdade, Reuben (Devon Terrell), que vai se casar com sua noiva, Sophia. Antecipando essa união – conhecida como “Reuphia” no estilo de “Bennifer” e “Brangelina” – Reuben convidou seis de seus antigos amigos de faculdade para se juntarem a ele em sua despedida de solteiro. A caminho da festa, organizada em uma pilha gótica pertencente à mãe artista boêmia de Reuben, Shelby folheia o Instagram de outra ex-aluna, Nikki (Alycia Debnam-Carey), que desde então se reinventou como uma influenciadora, se interessando por bem-estar, política e conselhos de relacionamento. Nikki parece ter tudo, e o desdém de Shelby por ela é o primeiro sinal de que o reencontro não será exatamente como Reuben espera.

Completando os convidados estão Dennis (Gavin Leatherwood), Brooke (Reina Hardesty) e Maya (Nina Bloomgarden), além do bônus da aparição surpresa do enigmático Forbes (David W. Thompson), a ovelha negra do grupo. Fiel à sua tradição, a Forbes não confirmou o convite e, o que é mais surpreendente, não parece ser tão bem-vindo de qualquer maneira.

No entanto, Forbes tem em seu poder algo especial que fará com que esta seja uma noite inesquecível: uma mala. O que há dentro? A equipe de publicidade preferiria que esta análise preservasse o mistério, então vamos ver como isso funciona. Digamos apenas que contém um jogo de salão, que envolve personificação e interpretação de uma forma que, em pouco tempo, nos levará de volta ao início e lançará uma nova luz sobre o que realmente está acontecendo com Cyrus e Shelby. Entretanto, antigas lealdades são desafiadas e, num sentido muito real, as pessoas acabam por não ser quem dizem ser.

Embora a história tenha uma inclinação para a ficção científica, a mala é na verdade um McGuffin; It’s What’s Inside é um thriller de terror sobre a condição humana, o tipo de filme que você pode ter vontade de fazer depois de tomar ácido e assistir a uma dupla de The Return of the Secaucus 7 e Suspiria (que, aliás, é muito muito elogiada).

Jardin é uma grande presença como diretor, talvez um pouco exagerado com seus movimentos de câmera, mas moderno em suas escolhas musicais (“In My Room” dos Walker Brothers e o tema de Bruno Nicolai de The Red Queen Kills Seven Times , para citar mas dois). É um passeio emocionante e, às vezes, sua ambição vai longe demais (assumindo que esta impressão do festival seja a versão final do Jardin). Mas o público mais exigente irá concordar e talvez até voltar para mais.

Menção especial deve ser dada aqui ao elenco versátil, que faz um trabalho aparentemente leve de um filme que poderia facilmente ter sido incompreensível. Haverá, é claro, aqueles que dirão que é absolutamente a definição de incompreensível no dicionário. Mas se você gosta que seu cérebro seja batido, jogado e mexido, em vez de apenas frito levemente, este é o filme para você.

Título: It’s What’s Inside. Agente de vendas: CAA.

Diretor / Roteirista: Greg Jardin. Elenco: Brittany O’Grady, James Morosini, Alycia Debnam-Carey, Devon Terrell, Gavin Leatherwood, Nina Bloomgarden, Reina Hardesty, David W

Tempo de execução: 1 hora e 43 minutos

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR

Netflix, See-Saw Films e Picking Scabs estão se unindo para produzir Apple Cider Vinegar , uma série australiana limitada sobre golpistas de saúde e bem-estar, estrelada por Alycia Debnam-Carey, Kaitlyn Dever e Aisha Dee.

A série é criada pela premiada escritora australiana Samantha Strauss (Nine Perfect Strangers), que criou Picking Scabs em parceria com Iain Canning e Emile Sherman’s See-Saw Films. Strauss também está co-escrevendo com Anya Beyersdorf e Angela Betzien. Jeffrey Walker (The Artful Dodger , Modern Family) será o diretor.

A série é considerada inspirada na vida da desgraçada guru do bem-estar australiana Belle Gibson, que tinha muitos seguidores nas redes sociais, onde alegou estar sofrendo de câncer, mas mantendo a doença sob controle por meio de remédios de saúde e bem-estar. Mais tarde, ela confessou que nada disso era verdade.

A produção acontecerá em Melbourne, Austrália, com o apoio da VicScreen por meio de Victorian Production Fund.

Os créditos de Dever incluem Dopesick e Unbelievable; enquanto Debnam-Carey é conhecida por The Lost Flowers Of Alice Hart e Fear The Walking Dead; e Aisha Dee por The Bold Typ e e Safe Home. O elenco também inclui Tilda Cobham-Hervey (The Lost Flowers Of Alice Hart), Ashley Zukerman (Succession) e Mark Coles Smith (Mystery Road: Origin).

Yvonne Collins produzirá com produtores executivos, incluindo Liz Watts, Helen Gregory, Sherman e Canning da See-Saw Films; Strauss e Louise Gough do Escolhendo Scabs; e Kaitlyn Dever. Libby Sharpe, da See-Saw Films, está a bordo como co-produtora e os co-produtores executivos incluem Walker e Simon Gillis, da See-Saw Films.

Os produtores executivos Watts e Gough disseram: “Samantha Strauss criou uma série que é marcante em seus comentários, mas divertida em sua essência. É complexo, tem vivacidade, e nós amamos isso. Temos uma equipe criativa brilhante sob a excelente liderança do diretor Jeffrey Walker e um dos melhores elencos de uma produção australiana. Esta é uma história de Melbourne com alcance global.”

Sherman e Canning acrescentaram: “Temos o prazer de anunciar Apple Cider Vinegar como a primeira produção da Picking Scabs, o selo da See-Saw com Samantha Strauss. Sam é um talento excepcional e raro, e temos uma lista incrivelmente emocionante. Obrigado à VicScreen pelo apoio e aos nossos agradecimentos à Netflix, que é o parceiro perfeito para levar esta história ao mundo.”

Fonte

Tradução e Adaptação, Ethan Sanches – ADCBR