Da produção Edith Productions de Colman Domingo, antigo colega de elenco de Alycia Debnam-Carey em Fear the Walking Dead, o filme “It’s What’s Inside” foi selecionado para o Festival Sundance de Cinema (Sundance Film Festival Midnight program) de 2024. Confira a premissa e review do filme pela Sundance:

Uma festa pré-casamento se transforma em um pesadelo existencial quando um amigo distante aparece com uma mala misteriosa.

A estreia lúdica, sexy e repleta de ficção científica do diretor e roteirista Greg Jardin se desenrola em um jogo de salão perverso, em meio a um bando de obcecados por social media. Dentro da diversão da atmosfera animada da festa, Jardin aumenta a tensão e as emoções, implantando habilmente pistas expositivas elegantes para que o público possa se maravilhar com as rápidas reviravoltas, sem serem deixadas para trás. Contando com Alycia Debnam-Carey, Brittany O’Grady e James Morosini, o elenco dinâmico e promissor interpreta múltiplas variações de seus personagens romanticamente entrelaçados, que possuem muitos segredos, com inteligência e humor. O estilo visual chamativo e colorido da produção ecoa a exuberância da premissa de alto conceito, que proporciona satisfação neste filme imensamente divertido e totalmente original.

— HZ

Tradução e Adaptação: Marina Brancher – ADCBR

Fonte

ADCBR faz 8!

Neste ano nosso fã site está completando 8 anos de existência. Foi em 2015 que surgiu a ideia e a concretização de um grande portal de notícias com tudo sobre nossa atriz favorita, Alycia Debnam-Carey.

E neste ano vamos celebrar nosso aniversário com você!

Concorra a 1 livro físico de Saint X edição em inglês seguindo as regras abaixo:

  • Siga nosso twitter
  • Dê RT no tweet oficial
  • Marque 1 pessoa nas respostas do tweet

Entraremos em contato com o vencedor através da DM do twitter para solicitar informações de envio. O sorteio será realizado através do site AppSorteo por retweets.

Importante: Ressaltamos que a edição do livro do sorteio é em INGLÊS – o livro Saint X não está disponível em português.

Sumário

Saint X

Para a família Thomas, sua viagem a Saint X é uma fuga do rigoroso inverno de Nova York. A filha mais velha deles, Alison, acabou de começar a faculdade. Linda, aparentemente segura e idolatrada por sua irmã de sete anos, Claire, ela zomba intimamente das tentativas de seus pais de serem amigáveis com a equipe de seu resort de luxo. Edwin e Clive patrulham a praia, servindo coquetéis para este novo lote de americanos ricos – Edwin, o charmoso extrovertido, Clive, sua contraparte desajeitada. Esses dois vivem do outro lado da ilha, um mundo diferente daquele que os Thomas habitam temporariamente. Sem o conhecimento de seus pais, Alison foge à noite, deixando Claire se perguntando o que ela está fazendo, até que na última noite ela não volta. A suspeita inevitavelmente recai sobre Edwin e Clive. Muitos anos depois, agora com vinte e poucos anos e morando em Nova York, Claire vê o nome de Clive em sua carteira de motorista de táxi. Ao longo daquele inverno, Claire é puxada de volta para sua infância, pesquisando a morte de Alison online, ouvindo seus diários de áudio e perseguindo Clive até que finalmente uma conexão surpreendente é feita.

Sorteio valido apenas em território nacional.

A nova série estreia em 26 de abril.

O Hulu não é estranho às adaptações de livros para a TV, especialmente depois de encontrar sucessos em Little Fires Everywhere, Tell Me Lies e Sally Rooney-verse (também conhecido como Normal People and Conversations with Friends). Este ano, títulos ainda mais adaptados estão indo para o streamer, incluindo Saint X, baseado no best-seller de 2020 de Alexis Schaitkin.

Como seu material de origem, a próxima série segue a misteriosa morte de uma jovem durante as férias da família no Caribe e a busca obsessiva de sua irmã mais nova por respostas anos depois. O drama psicológico é contado através de múltiplas linhas do tempo e perspectivas, com o objetivo de virar de cabeça para baixo o típico gênero de garotas desaparecidas.

O romance funciona de maneira semelhante, explorando raça e privilégio em uma história que poderia ter sido facilmente descartada como outra narrativa de “Garota Branca Desaparecida”. Como a autora Oyinkan Braithwaite escreve em sua resenha para o New York Times, “Saint X é hipnótico, fazendo comentários sociais agudos sobre tudo, desde classe e raça até laços familiares e comunidade, e ainda assim sua natureza semelhante a uma teia nunca confunde ou deixa de cativar.”

A série Saint X é escrita por Leila Gerstein (The Handmaid’s Tale, Mrs. America, Hart of Dixie), que também atua como showrunner e produtora executiva. O cineasta Dee Rees (Mudbound e Pariah), também está dirigindo e sendo produtor executivo.

“Desde o momento em que terminei de ler o maravilhoso romance de Alexis Schaitkin, eu sabia que queria adaptá-lo”, disse Gerstein exclusivamente a ELLE.com por e-mail. “O romance tem personagens texturizados, um mundo de várias camadas, surpresas e temas que me intrigam como escritora e fiquei muito animada para expandir o que Alexis criou. Como o livro, o show lida com questões muito reais como luto, classe, raça e obsessão da cultura por garotas brancas mortas enquanto se passa em um belo local com um grande mistério que nos impulsiona até o fim.”

Quando sai a série?
Saint X vai estrear no Hulu em 26 de abril com os três primeiros episódios, seguidos por um novo episódio por semana, ELLE.com confirma. São oito episódios no total.

Quem está no elenco?
Alycia Debnam-Carey, de Fear the Walking Dead, estrela como Emily Thomas. Ela é acompanhada por Josh Bonzie (The Good Fight) como Clive “Gogo” Richardson, West Duchovny (Linoleum) como Alison Thomas, Jayden Elijah (School’s Out Forever) como Edwin, Bre Francis (Malory Towers) como Sara, Betsy Brandt (Breaking Bad) como Mia Thomas, Michael Park (As the World Turns) como Bill Thomas e Kenlee Anaya Townsend como Claire.

Gerstein acrescenta que os membros do elenco “eram sonhos de se trabalhar. Eles trouxeram profundidade e honestidade a todas as suas performances, e tivemos muita sorte de ter a incrível Dee Rees a bordo para dirigir o primeiro episódio e definir o visual e o tom da temporada.”

Posso dar uma espiadinha?
Aqui estão algumas primeiras fotos da série abaixo enquanto esperamos por um trailer.

Tradução e Adaptação, Marina Brancher – ADCBR.

Fonte: Elle USA

Alycia Debnam-Carey, de Fear the Walking Dead, está assumindo um novo papel e substituindo Victoria Pedretti, de You, em Saint X, do Hulu.

Em uma mudança de elenco, Debnam-Carey agora assumirá o papel de Emily na adaptação do romance de mesmo nome de Alexis Schaitkin. Descrito como um drama psicológico contado a partir de várias linhas do tempo e perspectivas, Saint X é escrito para a televisão por Leila Gerstein e derruba o gênero de garotas desaparecidas.

Quando a morte de uma jovem durante as férias no Caribe cria um efeito cascata, sua irmã sobrevivente é enviada em uma busca para descobrir a verdade. Emily de Debnam-Carey é descrita como uma mulher afiada e ambiciosa cuja vida começa a desmoronar.

De acordo com o Deadline, Saint X está atualmente filmando na República Dominicana, o que pode entrar em conflito com a produção de Debnam-Carey na oitava temporada de Fear the Walking Dead, que está programada para começar no final de junho ou início de julho. Embora Debnam-Carey possa não estar no local para o início da produção de Fear, ela deve retornar em seu papel como Alicia Clark.

Pedretti, que além de estrelar You, é conhecida por seu trabalho nos sucessos de terror da Netflix de Mike Flanagan, como The Haunting of Hill House e The Haunting of Bly Manor, supostamente deixou o projeto uma semana antes da escalação de Debnam-Carey. Sua saída ocorreu antes do desligamento atual do programa, que aparentemente começou quando a equipe saiu do set por causa de uma disputa de pagamento.

O escritor Gerstein atua como produtor executivo ao lado de Schaitkin, do diretor Dee Rees, Stephen Williams, David Levine, Zack Hayden, Aubrey Graham (também conhecido como Drake), Adel “Future” Nur, Jason Shrier e Steve Pearlman.

Fonte

Tradução e Adaptação, Marina Brancher – ADCBR

A próxima série do Hulu, Saint X, está passando por uma grande mudança de elenco. Victoria Pedretti (You), que havia sido escolhida como protagonista, deixou o drama psicológico sobre diferenças criativas. Ela foi substituída por Alycia Debnam-Carey, de Fear the Walking Dead, ela é produzida pela ABC Signature, que está sendo filmada na República Dominicana.

A escolha de Debnam-Carey levanta questões sobre seu futuro em Fear the Walking Dead da AMC, onde ela interpreta a favorita dos fãs Alicia Clark desde a primeira temporada como regular da série. A produção da 8ª temporada está programada para começar em junho-julho, então ela não estará lá no início; ela pode se juntar mais tarde na filmagem, eu ouvi.

Pedretti deixou o Saint X na semana passada, antes do desligamento atual da série de oito partes, que começou quando os membros da equipe saíram do set na noite de sexta-feira devido a uma disputa de pagamento com o estúdio.

Escrito por Leila Gerstein com base no romance de Alexis Schaitkin, Saint X é um drama psicológico contado através de várias linhas do tempo e perspectivas que explora e derruba o gênero de garotas desaparecidas. É um programa sobre como a misteriosa morte de uma jovem durante umas idílicas férias no Caribe cria um efeito cascata traumático que eventualmente puxa sua irmã sobrevivente para uma perigosa busca pela verdade.

Debnam-Carey estrela como Emily, uma mulher afiada e ambiciosa cuja vida cuidadosamente construída e aparentemente perfeita começa a desmoronar.

Gerstein executivo produz com Dee Rees, que está dirigindo. Stephen Williams também será produtor executivo com David Levine e Zack Hayden para Anonymous Content, Aubrey Graham pka Drake, Adel “Future” Nur e Jason Shrier para DreamCrew Entertainment, Alexis Schaitkin e Steve Pearlman.

Debnam-Carey interpretou Alicia Clark em Fear the Walking Dead da AMC desde o lançamento da série e recentemente dirigiu um episódio. Ela também teve um papel recorrente importante em The 100 da CW e foi vista no longa Into The Storm. Ela é representada pela UTA, Management 360 e pelo advogado Stewart Brookman.

Fonte

Tradução e Adaptação, Marina Brancher – ADCBR

Depois de sete temporadas estrelando Fear the Walking Dead e uma carreira de quase vinte anos, Alycia Debnam-Carey finalmente está fazendo algo que nunca fez antes: dirigir. A atriz favorita dos fãs ficou atrás da câmera para o episódio desta noite (01/050) de Fear, “Ofelia”, e embora sua personagem Alicia não apareça na tela, isso também não significa que o episódio não foi um grande desafio para enfrentar.

“Não que qualquer episódio desta série seja fácil, sempre há muita coisa acontecendo”, disse Debnam-Carey ao Decider. “Mas este em particular, para uma diretora de primeira viagem, foi um grande episódio.”

Isso porque – e spoilers a partir deste ponto – a maior parte do episódio é passada dentro de um enorme estaleiro sem litoral, com pontes conectando os diferentes veículos e zumbis por baixo. Acrescente que os atuais antagonistas da série usam uma gaiola para levar as vítimas do interrogatório ao poço dos mortos-vivos famintos, e você tem um episódio que exige maneiras criativas de capturar os visuais.

Felizmente, Debnam-Carey foi bem-sucedida e, apesar do desafio, sente que dirigir é algo que ela está ansiosa para assumir novamente. Para saber mais sobre como o show aconteceu, bem como a cena mais difícil de filmar no episódio, continue lendo.

Decider: O que levou ao show de direção, e por que dirigir neste show, agora?

Alycia Debnam-Carey: Sempre me interessei em dirigir desde muito jovem. Eu fiz um curta-metragem quando estava no ensino médio para uma aula de cinema ou algo assim, e me lembro que assim que fiz eu estava tipo, ‘eu amo isso’. Eu amo esse nível de controle criativo e tomada de decisão criativa. Eu também amo a colaboração que você pode fazer completamente parte, da qual você não pode da mesma maneira que um ator. A partir desse momento fiquei realmente intrigada com isso. Também é algo que, mesmo quando criança, eu sempre reimaginava videoclipes. Sempre tive uma visão de vida um tanto sistemática. Eu estava sempre moldando uma perspectiva que parecia um pouco mais vista de uma forma narrativa. Eu acho que isso se apoiou muito na minha criatividade. Então sempre foi algo que eu estava interessada e depois que eu vi Lennie [James] fazer isso e Colman [Domingo] fazer também, eu realmente queria me inspirar para tentar pela primeira vez. Uma vez que me fixei nessa ideia, eu fiquei tipo… eu não percebi o quanto eu realmente queria tentar.

Então, quais foram as circunstâncias que realmente levaram a configurar a série, para dirigir este episódio agora?

É uma oportunidade realmente única e rara poder ser uma diretora pela primeira vez em uma escala tão estabelecida e massiva em uma série de sucesso. Na maioria das vezes, para se tornar um diretor, você precisa passar por todos os canais certos e progredir nos degraus do aprendizado e ir para a escola de cinema e, neste caso, há uma rara exceção quando você é um ator que está na série desde o início, como eu. Você obtém um nível de confiança e apoio porque tem um conhecimento e compreensão tão completos do programa e do universo com o qual está trabalhando. Você está constantemente envolvido em tantos processos diferentes o tempo todo, seja trabalhando com a câmera, vendo como as luzes vão, trabalhando com cabelo e maquiagem e figurino e os atores… Você está contando a história e conhece como a palma da sua mão. Há um nível de encorajamento e também a oportunidade de dirigir depois de fazer isso há muito tempo. Então, se você tiver essa oportunidade e quiser fazer isso, é meio que certeiro arriscar porque você é configurado de uma maneira que a maioria das pessoas não. Tenho muita sorte de poder ter essa oportunidade porque é uma série que conheço tão bem, então houve um nível de apoio e incentivo incomparável, que não seria necessariamente o mesmo se eu estivesse apenas entrando na série de outra pessoa sem saber nada sobre isso.

Você também escolheu um episódio em que não aparece. Presumo que essa foi uma escolha consciente de não ter que lidar também com atuação, ao mesmo tempo em que dirigir?

Eu não escolhi, mas o episódio que me foi dado foi… Quando eu descobri, um de nossos produtores, ele veio e disse, “Uau, eles não te deram um episódio fácil,” e eu fiquei tipo, “O que você quer dizer?” e eu finalmente estava ouvindo pedaços e rumores, como todo esse novo cenário seria, uma espécie de cemitério de barcos, há esse enorme cenário de uma gaiola, e uma vez que eu li eu fiquei tipo, “Uau, eles não pegaram leve.” Não que qualquer episódio dessa série seja fácil, sempre tem muita coisa acontecendo. Mas este em particular, para um diretor de primeira viagem, foi um grande episódio. Dessa forma, foi bom dizer: “Ótimo, você não está apenas tentando me jogar um osso e me dar algo fácil”. Foi tipo, “Não, nós estamos te dando uma direção, este é o episódio.”

A decisão de não estar no episódio, sim, isso foi algo que eu pedi e sobre o qual conversamos, que queríamos fazer apenas porque eu, como diretora de primeira viagem, acho que não seria capaz de fazer isso. Para fazer isso, você precisa ser realmente experiente, ou também tão brilhante, e francamente estou surpresa que as pessoas possam fazer isso porque é uma maneira tão separada de ver as coisas. Eu ficava dizendo para as pessoas, é como tomar uma pílula vermelha em vez de uma pílula azul e ver o mundo de um ponto de vista completamente diferente, e você vê o tempo de maneira muito diferente, você vê como tudo se encaixa de maneira muito diferente. Como ator, você meio que tem uma coisa específica em que está focado, e de repente você é empurrado para esse reino de, “oh meu Deus, é tudo de uma vez”, e é meio louco e maníaco. Foi mais inteligente, todos concordamos que eu teria tempo suficiente para me preparar e depois focar na direção, e apenas na direção.

Você mencionou alguns dos sets aqui, e foi doido para mim toda a ideia de tentar lidar com filmagens em pontes ligadas a barcos. Como você realmente descobriu esses movimentos de câmera?

Fizemos 10 dias de filmagem, e em oito desses dias tínhamos três câmeras trabalhando o dia todo, uma das quais estava sempre funcionando. A razão para isso é que estávamos elevados de 2 a 3 metros no ar o tempo todo e tínhamos pessoas atravessando pranchas e elevadas em barcos e contêineres, e essa gaiola que estava sendo trazida para cima e para baixo. E então precisávamos desse acesso de movimento, queríamos ter esse escopo para poder mostrar o perigo e a escala de quão grande era esse ambiente, quão ameaçadora era aquela gaiola, a altura, os níveis. Se você está recebendo um conjunto que é tão único e tão legal e tem elementos como altura, você quer poder brincar com isso. Então, a única maneira que pudemos foi, bem, temos que pegar um dos guindastes. Foi muito divertido, e eu pude brincar com alguns deles enquanto trabalhava. Não é todo dia que você tem uma câmera em um guindaste por oito dias. Definitivamente, apresentou alguns desafios, nem sempre foi o mais fácil.

Uma das cenas de destaque acontece com todos esses elementos que você está falando, que é a cena da morte de Arno. É tão horrível, especialmente depois dele sentado lá, ofegante, na gaiola, com as pernas esfoladas. Como foi dirigir essa sequência em particular, e Spenser Granese neste arco?

Essa era a cena que eu estava mais ansiosa quando estávamos filmando, porque eu sabia o quão grande era a escala, quantos elementos estavam em jogo. Tínhamos trabalhado com nossa equipe de efeitos para construir esta gaiola para permitir que ela subisse e descesse. Foi uma cena muito, muito longa, tivemos que ter tantos efeitos práticos em jogo, que ele estava realmente de pé na gaiola, ele tinha pernas azuis para efeito embaixo da gaiola e então tínhamos pernas protéticas falsas penduradas do lado de fora que eu trabalhei para tentar ter certeza de que eles pareciam tão horríveis e verdadeiros para o que teria acontecido. Havia tantos elementos e, além disso, ter uma cena realmente emocional, foi definitivamente para mim, a cena mais difícil logisticamente, tecnicamente, e em termos de tempo para filmar. Mas também foi a mais gratificante quando finalmente vi o corte final e fiquei tipo, sim, isso foi muito emocionante.

E Spenser, que interpreta Arno, ele fez uma performance tão bonita e eu lembro que no final, fizemos algumas tomadas, tínhamos três câmeras tentando capturar todos esses níveis diferentes, e ele se sentiu muito bem com isso, e então eu fiquei tipo, “Tudo bem, agora me dê mais uma.” E eu lembro que ele olhou para mim e disse: “Sério?” e eu fiquei tipo, “Eu te prometo Spenser, eu to com você”. E quando ele fez, eu fiquei tipo, “Aí está”. Foi apenas ser capaz de brincar com todos esses elementos. Foi tão divertido, mas também definitivamente, sim, a cena mais intimidante porque havia muitos elementos em jogo. Demorou muito. Todas aquelas sequências de fitas, aquelas em cima do contêiner e a morte de Arno, que levaram três dias. Havia muitas filmagens acontecendo ao redor e naquela gaiola. Então, definitivamente, tecnicamente, uma das partes mais difíceis da direção. Quando isso acabou, eu fiquei tipo: graças a Deus.

Com esta experiência, você tem o inseto de direção agora? Isso é algo que você quer abordar novamente após este episódio? Ou você sente que coçou essa coceira?

Ah não, absolutamente. Eu definitivamente quero voltar e fazer isso de novo. É uma porta da minha carreira que eu quero abrir muito mais. É um lugar perfeito para começar. Mas também, eu estava pensando, oh Deus, tudo bem, eu deveria continuar fazendo isso, continuar aprendendo, continuar me desafiando e toda vez que penso nisso, recebo aquela onda de ansiedade nauseante, mas também animação ao mesmo tempo. É definitivamente algo que eu quero continuar fazendo.

Esta entrevista foi editada para maior clareza e tamanho.

Fear the Walking Dead vai ao ar nas segundas às 23h na AMC Brasil, e transmite uma semana antes no AMC+.

Fonte

Tradução e Adaptação, Marina Brancher – ADCBR