[ARTIGO] Alycia Debnam-Carey brilha em A Violent Separation.
Postagem por: Nalígia Moura

Por Romina V. Rocha

Para uns, ela é a Comandante Lexa. Para outros, Alicia Clark, a heroína de Fear the Walking Dead. Para o mundo do entretenimento, ela é Alycia Debnam-Carey, uma australiana de 26 anos, que vem conquistando público e crítica com suas atuações seguras e sua beleza incontestável.

Nascida em Sidney, Debnam-Carey estreou na televisão com apenas 8 anos de idade e desde então apareceu em várias produções em seu país de origem, até se aventurar em Hollywood. Sua grande chance chegou em 2014, quando fez uma participação especial em The 100, como Lexa, a Comandante dos 12 clãs. O sucesso da atriz foi grande na série até a trágica morte da personagem, que gerou comoção mundial e liderou tendências nas redes sociais. A repercussão foi tão grande que até hoje existem campanhas para o retorno dela.

Antes de aceitar viver a líder dos Grounders na série de TV e se tornar mundialmente conhecida, Alycia já havia participado de três longas metragens, Into the Storm, The Devil’s hand e Friend Request. Em todas as produções a atriz recebeu críticas positivas. A expectativa pela próxima incursão da atriz no cinema foi grande, o que gerou grande antecipação com relação ao filme A Violent Separation.

Uma tragédia convertida em crime. Dois irmãos unidos por um segredo. Um amor ameaçado por uma ligação de sangue. Assim começa A Violent Separation. Dirigido pelos irmãos Kevin e Michael Goetz, o filme é ambientado do meio oeste norte americano, e gira em torno do relacionamento dos irmãos Norman e Ray Young, com as irmãs Abbey e Frances Campbell.

A trama tem início com uma tragédia envolvendo as famílias Campbell e Young. Teria sido um crime ou apenas uma fatalidade? Com medo de ser responsabilizado devido ao seu passado conturbado, Ray resolve agir e fazer qualquer evidência do suposto crime desaparecer e, para isso, acaba envolvendo Norman, o até então correto policial.

O que se segue é o desmoronamento da relação entre os irmãos, agora envolvidos em um crime. Até aí o filme transcorre bem, com bons momentos de tensão e diálogos interessantes, tudo isso envolto em uma fotografia primorosa, retratando com fidelidade a época em que se passa, os anos 80, e o local onde a história acontece.

A Violent Separation peca em alguns momentos, principalmente na fragilidade do elenco masculino e a lentidão do enredo. O Norman, de Brenton Thwaites, não tem o carisma e o apelo necessário para o papel. Apesar de por vezes caricato na sua interpretação de um suposto ‘bad boy’, o Ray de Ben Robson cumpre relativamente bem o que dele se espera. Frances, por sua vez, é o personagem central do filme, sendo responsável pelos melhores momentos. É possível perceber a angústia da personagem, dividida entre o amor pela irmã e o sentimento de revolta, por ser sempre a que precisa resolver seus problemas.

Vale destacar a presença dos veteranos Ted Levine (O Silêncio dos Inocentes), como o xerife Ed Quinn, e Gerald McRaney, vencedor do Emmy pela série This is Us, como o pai de Frances e Abbey. A relação de Frances com o pai é um dos trunfos do filme, e tanto Alycia quanto McRaney brilham em seus papeis. Vale destacar também a participação de Claire Holt, como Abbey. Ela e Debnam-Carey são o coração do filme, que merece ser assistido.