The 100: Lexa retornará na terceira temporada
Postagem por: Nalígia Moura

Durante o Painel de FTWD para o Television Critics Association, Alycia concedeu uma entrevista para Eric Goldman ‘IGN‘.

Alycia fala sobre seu retorno em The 100, o romance entre Lexa e Clarke e sobre estar em duas séries pós-apocalíptico, ao mesmo tempo. Confira a entrevista logo abaixo:

IGN: Basta dizer que, a audiência foi extremamente entusiasmado ouvindo que você estaria retornando para The 100 durante o painel da Comic-Con desse ano. Você teve alguma dica por Jason [Rothenberg] ou qualquer um da série sobre o que esperar quando ela voltar?
Alycia Debnam-Carey: Não, não! Eu apenas li o primeiro … o segundo episódio. Eles mantêm assim em segredo. Eu quase não sei quando eu estou voando até começar a filmar. Obviamente as coisas não estão muito boas para Lexa do lado de Clarke. Ela está um pouco irritada. Mas Lexa ama Clarke, que é bastante claro.

IGN: O que você acha sobre a escolha de Lexa? Tem sido um tema muito debatido!
Debnam-Carey: Ela é muito pragmática. Isso é o que Lexa é. Ela é um pragmático. Eu não acho que ela seja insensível. É só que ela é realista e que ela foi ensinada a ser assim. É um mundo muito difícil, ela vem e ela teve de crescer em um mundo – de que a cultura é ter que ser corajoso e violento e frio e então ela apenas tem que ir junto com isso. Mas eu acho que ela sente muito mal, mas teve que fazer o melhor trabalho que pode para proteger as pessoas, você não se importa ou você tenta fazer com que as pessoas não podem ver seus sentimentos.

IGN: Sendo esse o caso, porém, e eu sei que agora estamos em modo de especulação, mas você acha que quando ela ver Clarke novamente ela vai tentar convencê-la e esperar que ela possa ver sua perspectiva sobre isso?
Debnam-Carey: Eu acho que Clarke vê a posição de Lexa, de certa forma. Se Clarke estivesse na posição de Lexa, eu não sei o que ela… Ela poderia fazer a mesma coisa. Sim, ela é um otimista. Ela está sempre tentando encontrar a melhor solução, mas… Há um ótimo artigo que a MTV fez sobre The 100 que é [muito mais escura] de Game of Thrones ou algo assim e eu adorei, porque houve alguns pontos realmente grandes. Clarke, ela fez algumas coisas difíceis e fez algumas escolhas difíceis. Quando você sobrevive, você afunda ou nada. Você apenas tem que fazer essa escolha. Quem vem primeiro? Tem de fazer uma escolha no final do dia. Isso é também o que é interessante sobre [Fear The Walking Dead] é o que as pessoas fazem para sobreviver. Quem você pode salvar e que você está disposto a salvar.

IGN: Eu sei que Jason disse que ele não gosta de dar aos personagens uma boa escolha. É sempre duas opções terríveis.
Debnam-Carey: Uma escolha má e uma bem pior.

IGN: Quando falei com você da ultima vez, foi antes do penúltimo episódio, da última temporada em que você estava. Como tem sido desde então, tanto quanto ver ainda mais da reação dos fãs para o sua personagem e do investimento. no potencial de Clarke e Lexa, mesmo depois de como as coisas parou?
Debnam-Carey: Eu quero dizer, foi maravilhoso. É uma experiência muito humilde de ter as pessoas se relacionando tão rápida e diligentemente por algo que você investiu tanto tempo e energia. Tive sorte. Eu tive uma personagem tão incrível de trabalhar e um traje brilhante e maquiagem, e este olhar muito icônico – que eu acho que tem muito a ver com isso também! Ela é uma personagem muito icónica e que vai muito com a colaboração das pessoas envolvidas. É maravilhoso que o trabalho tem sido reconhecido por fãs e eu sei que eu sou a pior com mídias sociais e as pessoas meio que ficam um pouco irritados com isso.

IGN: [Risos] Como se atreve a não twittar o tempo todo?
Debnam-Carey: Eu sei que eu não sei como lidar com isso! [Risos] É tão esmagadora, mas tenho notado que as pessoas são muito apaixonados, que é sempre … É surreal, mas é encantadora.

IGN: Nós não sabemos quantos episódios você vai estar nesta temporada, mas o que você espera ver de seu retorno?
Debnam-Carey: Eu sempre espero que Lexa mantém despenteando penas. É o que ela faz de melhor, realmente. [Risos] Mas realmente um grande … Não vai ser um grande bom momento para ela, isso é certo.

IGN: No ano passado, muita coisa aconteceu para você em termos de carreira e dois de seus grandes papéis na TV estão em série do mesmo gênero. Você era fã desse tipo de gênero ou que tenha sido engraçado para você ter esta carreira?
Debnam-Carey: Não. É tão estranho que eu meio que tropeçei em cima deste gênero. Eu nem sequer percebi que era a minha praia! Ao que parece é. Dramas pós-apocalipse é o que eu faço melhor, ao que parece! [Risos] Eu não sabia disso. Quando esse papel [FTWD] veio a mim também, eu estava como, eu não sei … Zombis, eu não sei se isso é realmente minha praia. Eu apenas fiz algo que era muito apocalipse também. Eu estava pensando “Devo realmente estar fazendo uma coisa semelhante?” Mas esse show é muito maior do que apenas um gênero. É muito sutil em camadas e esses personagens são tão texturizado e é isso que o torna tão grande para ser uma parte. Mas não, eu sempre pensei que eu estaria fazendo rom-coms ou algo assim. Mas não, eu sou como…
IGN: “O fim do Mundo!”
Debnam-Carey: Só mundos acabando!

IGN: Fazendo ambos essas séries, o que você acha do apelo deste tipo de história? É como se “O que eu faria nessa situação?”
Debnam-Carey: Bem, eu acho que é como apocalipse pode ser tão relevante agora. Tudo que você vê é o aquecimento global ou sobre o ambiente, a destruição da humanidade, o que a internet está fazendo para nós, o que ele está fazendo com os nossos cérebros? Este amálgama de… Um clímax com o quê? O que vai acontecer? Será que vamos matar a nós mesmos ou o mundo vai nos matar? Há uma obsessão com isso no momento porque é muito relevante. Nós temos uma escolha óbvia para fazer de nós nutrir nosso mundo ou não alimentá-la e cuidar dela. Então porque é relevante Eu acho que é por isso que estamos tão interessados em programas como este, no momento, como The 100 ou Fear The Walking Dead. Se você olhar para a década de 50, era tudo sobre a exploração espacial e a viagem e da emoção. Isso era o que era importante. Portanto, é interessante… A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

 

Tradução e adaptação ADCBR