A medida que nos preparamos para o lançamento de Fear the Walking Dead, a edição de hoje da nossa série de artigos CarterMatt Unsung Heroes é sobre a jornada de uma heroína e alguém que se viu em meio a tremendo perigo e sofrimento. Alicia Clark, interpretada por Alycia Debnam-Carey, começou a série como alguém completamente despreparada para os perigos que a rodeavam no apocalipse zumbi; agora, ela tem a capacidade de ajudar outras pessoas que estão sofrendo e de tomar decisões difíceis quando as situações surgem.

Como a série permitiu que esse personagem tivesse tanta profundidade ao longo do tempo? Muito disso começa como o olhar para onde sua história começou – ao começar a história de Fear the Walking Dead logo após o inicio do apocalipse, tivemos a chance de mergulhar na humanidade da Alicia. Ela era uma jovem mulher com suas próprias questões de identidade e propósito para descobrir, e apostar na vida ou morte em cima disso era uma receita para o desastre. Vimos seu medo, sua insegurança e também um pouco da sua capacidade para cometer erros. Ela fez várias, seja em termos de confiança ou sobrevivência.

E é ai que o próximo componente chave da evolução de Alicia Clark entra em cena: sua capacidade de aprender. Apesar de seus defeitos (como todos os grandes heróis), sua maior força é que ela nunca ignora o conhecimento. Ela aprendeu com suas experiências, e ela aprendeu com sua mãe Madison, que passou por sua quota de dor muito antes do inicio do apocalipse. Ela ficou mais forte, e foi capaz de usar um pouco de sua intuição natural mais no campo. Mesmo no meio da morte, ela tinha alguém para quem ela pudesse olhar. Ela já entendia empatia e cuidava de outras pessoas devido ao seu relacionamento com Nick, mas passar pelo apocalipse ajudou a entender melhor em uma escala mais ampla. No rancho Broke
Jaw, Alicia viu exemplos de má liderança e caos, mas ela também começou a entender a boa liderança, oferecendo esperança e encontrando soluções rápidas para problemas que não eram egoístas. Enquanto Alicia ainda se esforçava ocasionalmente para aqueles momentos de normalidade, ela percebeu que este não era um mundo normal. Ela mostrou que pode tomar as decisões certas e superar as perdas. É por isso que ela ainda esta de pé e o crescimento de seu personagem é tão verossímil e natural para esse mundo que você não pode deixar de torcer por ela.
O desempenho de Debnam-Carey também traz a Alicia para novos patamares, já que a cada temporada parece que ela descobre algo mais sobre essa personagem e contribui para o coquetel de experiências de vida que ela tem. Ela pode canalizar sua dor lindamente, mas também ser forte e entrar no modo assassina de zombi, se necessário. Se você já precisou de um microcosmo da evolução da personagem, tudo o que você precisa fazer é olhar para a imagem abaixo da próxima temporada.

Você pode imaginar esta Alicia existindo na primeira temporada de Fear the Walking Dead? é difícil. É um sinal de seu heroísmo, seu crescimento e sua força.

 

O que você acha que pode estar vindo para Alicia Clark nessa nova temporada de Fear the Walking Dead? e você está tão impressionado quanto nós com o crescimento da personagem?

A quarta temporada de Fear The Walking Dead estreia neste Domingo, 15 de Abril, na AMC.

Tradução e Adaptação, Cláudia Facci – ADCBR.

Fonte:

Alycia Debnam-Carey de Fear The Walking dead ofereceu mais sugestões que a quarta temporada vai incluir “saltos no tempo”.  Há especulações que a linha do tempo para os novos episódios vão se entrelaçar com a série parente The Walking dead. Isso explica como Lennie James pode fazer um “salto no tempo” entre dois shows como Morgan Jones.

Alycia falou ao Digital spy em uma recente visita ao set em Austin, Texas, que terá definitivamente linhas de tempo alternadas nos novos episódios, dando a ela chances de explorar diferentes lados de sua personagem Alicia.

“Eu não posso ir muito afundo mas há elementos excitantes nessa temporada, em particular na primeira parte, onde nós brincamos muito com o tempo, então verão diferentes pontos de quem Alicia é como personagem, e nesse tempo eles estarão bastante diferentes, eles filmaram em partes muitos diferentes umas das outras e todos eles parecem diferentes.”  Ela explica.

“Isso é muito animador. É algo que nunca vi sendo tentado em qualquer um dos universos de The Walking dead muito menos com qualquer outro TV show no momento. Há também um monte de mudanças dramáticas acontecendo para ela, ela está crescendo e aprendendo. Eu acho que vimos ela se tornar algo como uma badass apocalíptica, ela é capaz de se aguentar muito bem agora mas esses passos irão subir para outro nível.”

Alycia não entrará em detalhes específicos sobre as mudanças que os telespectadores vão ver na Alicia, mas deu uma pista criativa sobre isso.

“Desde o início desse show eu tenho sempre o papel da jovem adolescente,” Ela diz. “Eu acredito que você pode muito com isso se você por pra fora, dizer o que você quer, perguntar por coisas, pedir materiais diferentes, ser investida e ser membro ativo desse show. Eu sempre fui muito ativa em perguntar o que eu queria e o que eu gosto, eles escutam e são muito receptivos.”

“Minha coisa favorita sobre os ‘saltos no tempo’ no show é que você tem uma mudança específica que pode acontecer com seu personagem. Uma das coisas mais difíceis sobre esse show é que se move devagar em termos de minutos, é sempre sobre o detalhe. Com o salto no tempo é divertido porque você tem uma específica mudança, quer seja partido dos escritores ou de uma perspectiva de um  personagem que você tem licença pra fazer, mesmo se você só quer cortar o cabelo.”

 

Fear the Walking dead retorna com sua nova temporada dia 15 de Abril, na AMC.

Tradução e Adaptação, Larissa Ricardo – ADCBR.

Fonte:

 

 

Durante a coletiva na WonderCon desse ano, o site ComicBook fez uma pequena entrevista com uma parte do elenco de Fear The Walking Dead. Confira a entrevista traduzida logo abaixo:

Alguns anos no apocalipses será o suficiente para transformar a Alicia Clark em uma ‘fodona’ como nenhuma outra quando a quarta temporada de Fear the Walking Dead rolar.

Apesar de grande parte da campanha de marketing de Fear the Walking Dead ser centrada em torno de novos membros do elenco e um crossover com The Walking Dead, Alycia Debnam-Carey ficou entusiasmada quando ela garantiu a ComicBook.com que sua personagem esta evoluindo. E não para aí, no entanto. Alicia Clark terá um papel ainda mais eminente do que nas temporadas anteriores, se a carga de trabalho da Debnam-Carey for alguma indicação.

“Você não faz a menor idéia, do quão ‘fodona’ Alicia Clark vai ser”, disse Debnam-Carey. “A jornada da Alicia nessa temporada é dura”, acrescentou a atriz que faz a Madison Clark, Kim Dickens, sentada ao lado da atriz que interpreta a filha de sua personagem.

“Vamos apenas dizer que ela esta exausta e um pouco machucada”, acrescentou o ator Colman Domingo, que interpreta o Victor Strand. “Os machucados que tive nos últimos dois meses, eu estou apenas tomando banho no gel de arnica todos os dias”, disse Debnam-Carey, com uma risada. “Definitivamente foi uma gravação mais brutal pra mim nesta temporada, mas também, estou trabalhando muito mais, e há muito mais sequência de ação, também estamos filmando muito drama! É bom. Um elemento disso foi levantado. Agora temos muito mais experiência, mesmo com as armas que estamos carregando.”

Colman Domingo promete que haverá um “salto no tempo” rumo à quarta temporada, o que significa que esses personagens são significativamente mais profundos em sua jornada apocalíptica na próxima vez que o público os ver.

“Mesmo na primeira semana em que estávamos no set, tínhamos que falar com o nosso novo aderecista Colin [Thurston], mas também com o nosso novo armeiro e com a maneira como ele nos mostrava quais armas tínhamos, o que eram. Isso foi enfrentado à sua própria maneira, porque não tínhamos muito disso para lidar. Nós tivemos, mas não foi na mesma medida que a outra série tinha. De repente, éramos muito parte desse mundo” Eles estão muito mais preparados para as ameaças agora do que nunca. “Antes era mais desagradável”, disse Domingo. “Um pouco mais treinado.”

Fear the Walking Dead vai estrear sua quarta temporada depois que The Walking Dead terminar sua oitava, às 10h da noite, no dia 15 de Abril, na AMC.

Tradução e Adaptação, Cláudia Facci – ADCBR.

Fonte

O elenco e produtores de Fear The Walking Dead compareceram à WonderCon – um evento anual de ficção científica e filmes – pela primeira vez. Esta é a primeira WonderCon para as duas séries do universo de The Walking Dead! A convenção começou nesta sexta-feira, 23 de março, e acabou no domingo, 25, e contou com a presença de Alycia.
Confira mais fotos em HQ da atriz no evento e durante o painel clicando nas miniaturas:
106.jpg
110.jpg
112.jpg
114.jpg
116.jpg
117.jpg
122.jpg
_.jpg

Confira também o vídeo do painel completo de FTWD na convenção:

Há dois anos atrás, um assunto dominou os Trends do Twitter, os Fãs LGBTs merecem mais.

Quando The 100 matou a comandante dos clãs, lésbica, Lexa, a audiência não ficou apenas chateada, eles ficaram bravos. Esta foi a ultima gota depois de anos de personagens LGBTQ serem mortos sem piedade. Publicações Mainstream como The Washington Post, Variety e The Hollywood Reporter, todos se juntaram.

Uma campanha de arrecadações de fundos foi criada, assim como a ClexaCon, que foi um grande sucesso. Mas quando estamos falando sobre a “bagunça de The 100”, como Maureen Ryan da Variety diz, não estamos apenas falando sobre as conseqüências de matar uma lésbica. Os escritores de The 100 atraíram fãs lésbicas e bissexuais em fóruns Queer – “safe spaces” – ao ridicularizarem as preocupações válidas de suas vitimas que caíram na tropa do “Bury your gays”. Depois de o episódio ser exibido, alguns usuários influentes no twitter tiveram que postar linhas de atendimento contra suicídio, porque quando você se lembra quem é o publico algo de The 100, é além de antiético e deliberadamente manipulador atrair jovens LGBTQ que já estão passando por dificuldades na vida real e que usam a televisão como uma válvula de escape.

No entanto, em vez de refletir sobre a injustiça que muitos fãs sentiram que enfrentavam, nós só podemos olhar para frente. A representação LGBTQ está em constante evolução na televisão… ou é isso? Eu fui para o twitter para descobrir o que as pessoas pensam. Foi no twitter que tudo isso começou; O twitter terá sua voz ouvida mais uma vez. Eu perguntei:

1.) Com a vergonhosa “bagunça da Lexa” como vocês avaliariam, brevemente a representação LGBTQ, na TV agora? Especialmente, como vocês acham que a morte da Lexa afetou essa representação LGBTQ? O que ainda falta e o que melhorou, desde o impacto da morte da Lexa? Se é o caso?

Os fãs responderam quase que instantaneamente. Aqui é o que alguns deles disseram:

“Eu acho que a morte da Lexa certamente aumento a consciência de algo que os escritores
eram ignorantes como sendo um problema repetitivo ou uma atividade ignorada para um final
mais conveniente /falta de criatividade para um final de uma história de amor lésbica. O
resultado da morte da Lexa fez com que seja impossível de ignorar isso.”

“Ainda estou traumatizada. A morte da Lexa realmente trouxe atenção para o “Bury your
trope” (a morte dos gays). Parece que é um padrão vicioso que está sendo feito de modo
exagerado. As mentiras, iscas e decepções ainda continuam. Alguns atraem os LGBTQ para
assistirem suas séries apenas por lucro.”

“A morte da Lexa afetou claramente a representação LGBTQ na TV. A enorme reviravolta
obrigou a grande mídia a tomar nota e, posteriormente, pressionaram os criadores/líder dos
seriados para discutirem o tratamento dos personagens LGBTQ de maneira que foram
previamente autorizados a obter um passe para.”

“A morte inútil e cruel da Lexa teve o poder de diminuir o número de hipotecas entre os
personagens LGBTQ, mas, além disso, não melhorou a qualidade da representação e eu não
pude amar um novo personagem LGBT porque tenho medo de sofrer novamente.”

“Claro que teve um impacto, mas a vida da Lexa teve um impacto maior. Nós não vamos
conseguir mais consciência para o que é boa representação, enquanto os escritores escaparem
com tropos e estereótipos nocivos. Ouça, repense, reescreva, encontre uma maneira. Seja
responsável, envie a mensagem certa.”

A principal idéia de tudo isso infelizmente, eu não acho que possamos esperar uma representação perfeita em todas as frentes ainda. O mundo é muito diversificado em termos de etnia, raça, sexualidade, deficiência… todos os tipos. Mas em vez de discriminar por causa dessas individualidades, por que não comemorar isso?

Parece que o consenso geral é que, embora o tratamento do “incidente da Lexa” não tenha sido ótimo, tudo em seguida foi. De certa forma, é uma vitória. Uma tragédia sempre permanecerá uma tragédia, mas se ela inspira tal generosidade, apoio e amor compartilhado a comunidade, sim, entre uma multidão de estranhos na internet, então, talvez nós, não sejamos viciados em mídias sociais por todos os motivos errados. Em alguns casos, como se viu nos tweets acima, os fãs estavam tão ligados a Lexa e o que ela queria dizer como símbolo, que eles não podiam ver a representação LGBTQ da mesma maneira novamente. E isso é uma pena, porque há excelentes meios de comunicação la fora.

One day at a time, Brooklyn Nine-nine e Legends of Tomorrow, por exemplo. Mas não é difícil simpatizar aqui, porque pela milésima vez: a televisão não é um vácuo. Os espectadores são pessoas reais; alguns são tão jovens.

A vulnerabilidade está na vanguarda e até a televisão melhorar seus padrões de representação, talvez essa vulnerabilidade permaneça na vanguarda. Não quer dizer que a televisão não tem, mas ainda tem um caminho compreensivelmente longo a seguir. No entanto, o que os fãs fizeram, tão sensivelmente, é continuar com o legado da Lexa. A Lexa sempre foi uma personagem altruísta. Não há nada que se possa fazer sobre a morte, além de decidir o que você aprende e tira disso. Lexa deixou um legado de amor, e os fãs abraçaram isso. A prova disso são as campanhas de arrecadações de fundos, na ClexaCon, nos brindes e na produção de algumas coisas incríveis de fãs. Os legados ficam, sim. Mas o que realmente importa é o que você faz com esse legado. E neste
caso, penso que a mensagem de amor foi ouvida em voz alta, triunfante e claramente.

Ah, temos um longo caminho a percorrer, mas as rodas do nosso comboio LGBT estão, definitivamente, em movimento. Agora, esperamos um Tesla de arco-íris para nos lançar em um mundo verdadeiramente representativo da diversidade de beleza com que somos tão abençoados todos os dias na vida real.

Nicola Choi sobre a representação LGBTQ, a morte dos personagens gays e o legado duradouro da Lexa.

Tradução e Adaptação, Cláudia Facci – ADCBR.

Fonte:

Alguém esperava uma invasão tão grande e que as campanhas e convenções seguissem após a morte da Comandante Lexa em The 100? Nós não.

‘Fog of War’ foi o episódio. The 100 foi o show. 3 de dezembro de 2014 foi a data do lançamento

Faz três anos que a atriz de Fear the Walking Dead, Alycia Debnam-Carey, fez sua primeira aparição como ‘Heda‘. Ou em nosso inglês: a Comandante. O efeito foi instantâneo. Debnam-Carey, da noite para o dia, foi lançada no estrelato e tornou-se a favorita dos fãs de imediato. Além disso, os espectadores descobriram instantaneamente química entre a líder do show, Eliza Taylor.

Sendo uma metade do famoso ship ‘Clexa‘, que desde então passou a inspirar uma convenção atual, é seguro dizer que a introdução de Debnam-Carey transformou a série. The 100 teve um típico passeio de montanha-russa entre a CW. Uma primeira temporada cegamente ruim, seguiu uma segunda temporada surpreendentemente viciante. E, então, uma onda estupenda de “como assim?” temporadas daqui em diante.

A centralidade da Lexa para a série foi inimitável. Quando você pensa em The 100, você pensa em uma centena de crianças aleatórias e indistintas que caíram na terra ou você pensa em Grounders, warpaint e aquela cena de luta com o Prince Roan de Zach McGowan?

Francamente, pouca atenção foi polvilhada no pequeno show da CW até a notícia de um novo personagem revolucionário escorrer da saída para a saída. Grandes como a Variety; The Hollywood Reporter; Entertainment Weekly; e Vanity Fair. Em uma série sobre adolescentes que sobreviveram feridas de lança no peito (… mas não um tiro de arma) – por meio de algas marinhas, esse conceito também era fora deste mundo. The 100, no The CW, estava prestes a apresentar uma comandante sem sentido, forte e independente, diplomática que também era lésbica?

Sim. Sim eles fizeram. Concedido, Debnam-Carey pode não ter recebido o melhor material como Lexa. Mas ela fugiu com a série, depois de tudo?

Definitivamente, parece que sim.

As consequências emocionais da morte da Comandante Lexa provocaram indignação, campanhas de hashtag controladas … e vidas salvas.

Imediatamente após as consequências da morte de Lexa, a conversa sobre o trote de Bury Your Gays provocou indignação. A hashtag #LGBTFansDeserveBetter ficou no Twitter por dias. Doações de qualquer lugar e em todos os lugares derramados em um fundraiser. Produtos, livros de arte e camisetas foram vendidas com o lucro indo para instituições de caridade.

No entanto, onde há revolução também existe resistência. É apenas “outra lésbica morta“, na verdade. Isso é tudo, não é? Kira M. Deshler (2017) estudou a falta de cuidados particularmente nocivos.

“Descobri que garotas criaram seus mundos únicos nesses espaços online, e por meio de seu ativismo e discurso público, começaram a mudar o equilíbrio de poder entre produtores e telespectadores de textos de mídia, estabelecendo conexões importantes entre a ficção e o mundo ‘’real’’ que eles gostam. “- Deshler, 2017.

E essa é a beleza disso. É tão agridoce que tal tragédia – aconteceu em um público relativamente jovem – teve que inspirar esse movimento. Por algum milagre, a arrecadação de fundos provavelmente aumentou mais dólares do que The 100 tem telespectadores. Notavelmente, a audiência jovem (maioria) manobraram feridas legítimas e raiva no compromisso de mudança de vida para a sociedade.

O Projeto Trevor fornece “serviços de intervenção de crise e prevenção de suicídios para jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e questionadores (LGBTQ) de 13 a 24 anos de idade”. Perturbadamente, esta linha direta teve que ser distribuída em massa após a morte de Lexa.

Muitas pessoas podem simplesmente ignorar isso. “É apenas televisão”, você vai ouvir. E novamente, todos nós ouvimos a frase “televisão não está mais no vácuo”, também. Mas é verdade. A televisão saiu da tela e entrou nos corações dos espectadores. A representação importa porque muitas vezes, na vida real, essas comunidades minoritárias não se vêem como a guerreira Lexa. A lutadora valente que ela era; a amante compreensiva que ela era. No entanto, ela inspirou muitos. E se esse impacto sísmico é reconhecido e ainda é suficiente para alguém ignorar as audiências ruins, pedimos desculpas em seu nome. Dizer a alguém como sentir sobre sua interpretação é roubá-los não só de sua independência. Mas também é ridicularizá-los em seu pior estado. No entanto, enquanto a feiura festejava, a beleza flutuava sob a forma de salvar vidas e coligação das comunidades.

Heda Lexa: a Comandante que revolucionou a sociedade do seu povo e não apenas sobreviveu – mas viveu.

A desconfiança foi pesada para começar. Inicialmente, Lexa era uma comandante brutal, traiçoeira e auto-interessada. Como Debnam-Carey a desdobrou, aprendemos sobre o amor perdido, seus valores nobres e o altruísmo em que nasceu a traição de Clarke. A inteligente interação de Skaikru com a segunda temporada e a verdade sangrenta da visão de Lexa, como uma líder de guerra experiente, cavaram o caminho para um excelente personagem tridimensional.

Uma das citações mais significativas de sua personagem veio em ‘Bodyguard of Lies’:

Lexa: “Você acha que nossos caminhos são difíceis, mas é assim que sobrevivermos”.

Clarke: “Talvez a vida seja mais do que simplesmente sobreviver. Não merecemos coisa melhor do que isso? “

É certo que, desde a surpresa da qualidade da segunda temporada, a consistência da caracterização da Lexa na terceira temporada declinou (?). Talvez seja o melhor do sucesso de ‘Clexa‘, o papel de Lexa foi extremamente romântico. Os confrontos morais da marca registrada entre Clarke e Lexa permaneceram. Mas quando um adolescente inexperiente anda por todo o Comandante da Coalizão em matéria de guerra, Lexa como alguém que existia além de um Interesse de amor, fracassou.

No entanto, nos ofereceu uma visão íntima de um enigma. Você não conhece muitos, como Lexa, que não temem a morte e não são psicopatas. Pequenas cenas da vida de Lexa foram dados para nós. Sua afabilidade natural com o seu filho Nightbloods. A vulnerabilidade era tão clara que isso lhe custaria. E fatalmente, o medo da morte antes mencionado.

A terceira temporada foi mais um pico para Lexa e caracterização. Mas isso nos mostrou que sua filosofia de usar sua cabeça e não o coração agora havia se fundido. E embora a execução tenha sido tão fraca, é difícil conciliar, é um pouco menos doloroso saber que Lexa morreu sabendo que ela era amada, muito querida. No entanto, arcos forçados e temporários, não aguardam. Nem para revolucionários.

Em parceria com com Eliza Taylor, ela e Debnam-Carey aproveitaram a oportunidade de esmagar os corações com sua interpretação de ‘Clexa‘.

Nada preparou a base de fãs (e os escritores, claramente) para o quão enorme ‘Clexa’ se tornaria. Maravilhosamente, é uma fonte inspiradora de criatividade dentro do fandom. Alguns dos conteúdos gerados podem ser verdadeiramente abertos. Quem pode dizer que fandom não pode inspirar verdadeiro talento? E aqueles que pensam “bem, vamos dar uma chance”? Um ciclo eterno de inspiração é lindo, certo?

É algo que você não imaginaria que a morte de um personagem fictício deixasse para trás. No entanto, uma grande parte disso veio do ship ‘Clexa’. Debnam-Carey e a química com Taylor certamente dispararam como um raio antes do trovão ter uma chance de recuperar o atraso.

Eliza Taylor: “Sinto que [Lexa] era” ‘a certa’ para ela .

A representação manifesta-se em muitas formas incontáveis. O que Lexa era para muitos, assim como Clarke. E juntas? Como um casal? Um casal abertamente estranho que estava no precipício de comandar suas sociedades? Em última análise, essas duas estavam presas em uma suspensão de descrença no mundo de The 100. Mas eles ressoaram com uma quantidade inacreditável de pessoas. Isso não pode ser coincidência. Em um mundo televisivo privado de relacionamentos como Clarke e Lexa, essa era a esperança pendurada em uma corda. Através de manipulação de bastidores, ela foi exageradamente arruinada.

Sem rodeios, a pura frieza do tal não-profissionalismo é tão chocante quanto a deposição do próprio tropo. Há tantos artigos criticando a nocividade do tropo. Poderíamos – e talvez um dia iremos – falar sobre isso de forma adequada.

Mas há três anos, Alycia Debnam-Carey explodiu em nossas telas e roubou The 100. Para seu bem, vamos comemorar e nos orgulhar disso.

Nós lemos, fizemos campanhas, ferimos, unificamos – mas enquanto o legado de Lexa viver dentro de nós – certamente podemos comemorar a Comandante Debnam-Carey.

Três anos depois, Lexa ainda é o topo das listas de personagens favoritas de muitas pessoas. Ela, um mistério de contradições, não deveria ter existido. Mas Lexa existiu. Fechada para o amor, ainda sobrecarregada disso por Clarke. Inimaginavelmente poderosa, porém doloroso para a humanidade.

De todas as citações, a maioria veio de suas “lições” para Clarke. Uma configuração óbvia para o final, uma das mais memoráveis ​​foi:

Lexa: “A vitória está de costas ao sacrifício”.

Pode ter sido um descarte barato em ‘Blood Must Have Blood: I‘. Mas o sacrifício sempre foi um tema para a Lexa. Primeiro, ela sacrificou seu amor para forjar uma aliança com seu inimigo, portanto uma coalizão. O sacrifício de seu interesse próprio era uma decisão regular que ela tinha que fazer. No entanto, como líder, jurou a sua população, a dor que a maioria não conseguiria lidar descansava unicamente sobre seus ombros.

Lexa era corajosa diante do terror. Ela era diplomática mesmo no meio de um golpe contra ela. A astúcia, inteligência e compreensão permitiram que ela perdoasse a traição. E sua cabeça finalmente ensinou a ela a parar de fechar o coração e deixar o amor-vida infiltrar. Não é difícil ver por que ela era um ícone. Complexidade e insegurança a atormentavam. Mas ela era uma guerreira. Uma lutadora que ganhou, em nossa comunidade LGBTQ. Em última análise, Lexa era amor – ela sempre tinha sido – e o fato de que ela era uma guerreira e uma comandante também era indecisivelmente capacitador. A morte não precisa ser um símbolo para ela;

Infinito soletrado na parte de trás do seu pescoço. E o infinito é talvez por quanto tempo ela será amada e lembrada.

“Eu sempre estarei com você”, prometeu. Inegavelmente, podemos sentir isso.

Papéis como esses raramente são tão bem retratados e, como já vimos, ainda mais raramente tao bem escritos. Mas o legado que resta é inspirador.

Há tantos buracos abertos e inconsistências de personagens envolvendo a Lexa que é notável que ela não se transformou em um Fight Club da televisão.

Mas você é tão bom quanto as palavras que você recebe. Ou então o mito vai.

Simplesmente, você não especifica os maneirismos característicos de Lexa da maneira que Debnam-Carey fez apenas lendo palavras de um script. Muitas vezes, os pensamentos, medos e desejos de Lexa poderiam ter feito com um pouco mais de “mostrar, não contar”. No entanto, a generosa natureza do trabalho de Debnam-Carey compensou imensamente. Seus olhos sempre foram uma porta de entrada para a alma de Lexa e Debnam-Carey abriu isso. A postura real; a mandíbula teimosa; a enunciação perfeita. Debnam-Carey não era apenas um símbolo para Lexa: ela era Lexa.

De certa forma, a base de fãs era uma fênix que se elevava das cinzas. E a base de fãs não representou apenas Lexa, também. Eles também eram a Lexa.

Essa unidade inspirou convenções maciças – a mais notável é a ClexaCon em Las Vegas. Não só conseguiu grandes audiências e convidados, mas também deu a comunidade LGBTQ uma chance única de realmente se encontrar e vincular. Famosamente, o escritor Javier Grillo-Marxuach abriu seu Tumblr para críticas para entender a dor e a dor que o tropo causou. A evolução com sites dedicados e o aumento dos sistemas de apoio está mudando o alcance da televisão para melhor. E, espero, essa será uma tendência ascendente. Espero que seja o legado de Lexa – de unidade e paz sempre crescente.

Sua luta pode ter acabado, Comandante Lexa. Nós vemos que você se mudou para matar zumbis agora, o que é consideravelmente mais frio se estamos sendo honestos. Mas a batalha difícil que você começou é uma que prometem continuar. Assim, do fundo do nosso coração:

“Oso gonplei nou ste odon kos oso gonplei don jos stot au.”

Tradução e Adaptação: Júlia Santos, ADCBR – Fonte