Alycia Debnam-Carey, que interpreta Alicia em Fear the Walking Dead da AMC, discute como sua personagem está se recuperando e por que ela está escolhendo sobreviver sozinha. (SPOILERS)
P: Alicia tentou ficar sozinha, pensando que estar longe de sua família e amigos seria a melhor maneira de sobreviver. Isso está pesando nela agora?

A: sim Já vimos Alicia sair sozinha e isso reforça a ideia de que ela está melhor sozinha. A única coisa que a trouxe de volta na última vez foi sua conexão com sua família – sua mãe e seu irmão – e ela não tem mais isso, então por que ela deveria ser responsável por mais alguém? Eu acho que ela se sente melhor por não estar por perto de outras pessoas.

P: Existe uma razão oculta para Alicia procurar a pessoa que solicita ajuda no depósito de madeira?

R: Eu acho que a fixação da Alicia em tentar salvar outras pessoas é parte de uma tentativa de se redimir e compensar o mal que ela fez, e o assassinato do qual ela fez parte. É sua tentativa de equilibrar isso novamente, e reencontrar a sua essência, reencontrar a pessoa que ela costumava ser e de quem gostava, alguém compassivo, amoroso, carinhoso e esperançoso. Ela também quer homenagear o legado de sua mãe, e faz isso saindo e encontrando pessoas para salvá-las. Foi o que eles fizeram no estádio de beisebol. Eles saíram em missões para levar as pessoas que estavam à beira da destruição e da morte e as acolheram. Ela se fixou na ideia de que isso vai consertá-la e torná-la melhor.

P: Como é para ela quando chega ao pátio e percebe que é tarde demais?

A: Quando ela vê que a pessoa já transformou, isso é um grande golpe para ela. Ela não pode vencer. Isso confirma o quanto ela falhou e que ela não pode fazer o que sua mãe fez ou ser a pessoa que ela costumava ser. As coisas nunca mais serão as mesmas para ela.

P: A decisão de Morgan de voltar para “casa” é outra perda a processar?

A: Há uma conexão entre Morgan e Alicia, mas, ao mesmo tempo, ela não está aberta o suficiente para receber qualquer ajuda que ele está tentando dar a ela. Para Alicia, este é apenas mais um exemplo de como você não pode confiar em ninguém. Eu não acho que seja uma decepção, mas é algo que a pega desprevenida. Ela está em um ponto deprimido. Ela está além do desapontamento e da mágoa. Você não pode contar com ninguém. Morgan está dizendo que você pode contar com as pessoas, mas ela está segurando um espelho para ele e mostrando a ele que ele não é diferente de ninguém.

P: Onde ela encontra coragem para continuar? O que está alimentando ela agora?
A: Estamos vendo uma nova versão dela. Estamos vendo ela completamente livre para qualquer família e completamente sozinha. Ela está tentando gostar da pessoa que ela já foi e aceitar sua existência e talvez honrar sua mãe. Parte dela está tentando processar essa dor e essa perda. Ela não sabe o que vem a seguir. Ela tem falado da morte e destruindo a vida de outras pessoas e matando pessoas, mas eu não acho que ela saiba o que vem a seguir. Eu não tenho certeza se ela tem esperança ou amor ainda. Ela não gosta de si mesma. Ela não está pronta para ficar com outras pessoas. Parte de sua jornada é definitivamente tentar traduzir o que sua vida vai significar agora.

Tradução e Adaptação, Romina V. Rocha – ADCBR.

Fonte

Fear The Walking Dead está pronto para voltar para a segunda metade da quarta temporada – e as coisas estão prestes a piorar.

Fear The Walking Dead tem sido tão emotivo nesta temporada com duas grandes mortes que ainda estamos tentando nos recuperar – sério, não é justo. Alicia tem muito a processar como o único membro da família Clark, e de acordo com Alycia Debnam-Carey, as coisas “só vão piorar”.

Ela tem estado em um lugar bastante escuro durante a primeira metade da quarta temporada e indo para a segunda parte da 4ª temporada, e sem dar muita atenção, nós apenas temos que acreditar que tudo está prestes a virar um inferno para Alicia.

Debnam-Carey apontou durante San Diego Comic-Con que Alicia é agora a única pessoa que sobrou do piloto (louco, né?). Ela passou a dizer que ela acredita que Alicia foi que mais mudou desde que a vimos pela primeira vez – uma adolescente para uma fodona lutando para sobreviver em um mundo pós-apocalíptico.

Parece que, ao avançar, veremos Alicia tentando passar pelas coisas por conta própria, e será uma grande parte de seu arco enquanto as coisas continuam a desmoronar. Lennie James, que interpreta Morgan, comentou sobre o fato de que Fear The Walking Dead é um grande defensor de que os personagens evoluam, algo que muitas séries não fazem.

“Para os personagens passarem genuinamente de algo a ser algo diferente, e é algo que eu acho que é uma das razões pelas quais nossos fãs são compelidos pelo que fazemos e são atraídos por nós, é porque eles têm a posse da jornada de nossos personagens.”

Nós definitivamente temos que concordar com você, Lennie! Jenna Elfman, que interpreta June, falou sobre como o programa permite aos espectadores vislumbrar personagens lidando com situações de vida ou morte e como essas situações fazem com que eles mudem drasticamente.

PROXIMO: Madison fará uma aparição em The Walking Dead?

Parece que a jornada de Alicia envolverá se ela pode ou não continuar com o legado de Madison e manter viva a memória de sua mãe e seu irmão. Suspiro, isso vai ser difícil.

Fear The Walking Dead retorna em 12 de agosto no AMC às 9 PM EST! (22h horário de Brasília)

Tradução e Adaptação, Cláudia Facci – ADCBR.

Fonte

A San Diego Comic Con é um grande evento que acontece anualmente e reúne elencos de séries e filmes para divulgações e entretenimento para fãs. O elenco de Fear the Walking Dead participou do evento pela quarta vez nesta última quinta-feira (19) e sexta-feira (20), e Alycia esteve presente novamente junto ao elenco realizando entrevistas, sessões de fotos e autógrafos, e muito mais.

Confira as fotos do evento clicando nas miniaturas abaixo:

Dia 19 – Portraits:

116~0.jpg
117~0.jpg
118~0.jpg
43~1.jpg
44~1.jpg

Dia 19 – Portraits – Variety Studio:

ADC1.jpg
ADC2.jpg

Dia 19 – Variety Studio:

14~1.jpg
15~1.jpg
16~0.jpg
17~0.jpg
18~0.jpg

Dia 19 – Portraits – Entertainment Weekly:

01~0.jpg

Dia 19 – IMDboat:

10~1.jpg
1~4.jpg
2~3.jpg
3~3.jpg
4~3.jpg

Dia 19 – Better Call Saul Premiere: 

51~1.jpg
52~1.jpg
53~1.jpg
54~1.jpg
55~1.jpg

Dia 20 – Sessão de autógrafos/Photocall:

60~1.jpg
61~1.jpg
62~1.jpg
63~1.jpg
64~1.jpg

Dia 20 – Portraits – LA Times:

01.jpg

 

Atualizaremos esse post com todas as entrevistas legendadas + painel do evento, em breve.

Fear the Walking Dead começou com a história das famílias Clark & Manawa entrelaçadas. Havia seis Clarks ou Manawas no início da série, quando ela estreou em 2015, mas quando a 4ª temporada retornar em 12 de agosto, apenas um permanece: Alicia (interpretada por Alycia Debnam-Carey). E temos sua primeira aparição exclusiva da segunda metade da quarta temporada com uma imagem impressionante da única sobrevivente.


A volta desta metade da temporada vai examinar toda essa perda de família – incluindo as mortes de Nick e Madison – tem afetado a ultima sobrevivente da família Clark. “Alicia está em um lugar muito interessante”, diz o roterista Andrew Chambliss. “Ela perdeu tanto a mãe quanto o irmão, então pela primeira vez ela está realmente se encontrando no apocalipse sem nenhuma de sua família biológica. Sim, ela tem amigos, sim, ela tem Luciana, mas há uma grande diferença entre ter seus amigos por perto e não ter sua mãe e seu irmão.“ 
Este será um momento de tudo ou nada para Alicia. Ela pode se esforçar para preencher a liderança deixada pela perda de sua mãe, ou ela não será capaz de se recuperar da morte de sua família? “Ela está percebendo que está sozinha e está tentando descobrir como ela pode manter viva a memória de Madison e Nick”, observa Chambliss. “E uma grande parte do que ela vai se perguntar é se ela pode preencher o lugar da Madison e como isso é possível para ela seguir em frente.”
Claro, Alicia não será a unica impactada pela morte de Madison. Como ela, Luciana e Strand continuam reagindo ao que aconteceu no estádio de beisebol que vai orientá-los os próximos oito episódios. A vingança sanguinária estará fora de sistema agora, quando as coisas voltam? E qual será o relacionamento deles um com o outro, agora que sua missão acabou? “Vamos encontrar cada um deles em um lugar diferente, mas todos vão se debater com a mesma questão fundamental”, brinca Chambliss. “Eles gastaram muito tempo nessa busca de vingança e foi o que uniu os três, mas agora sem isso, é meio que fazer a pergunta de como eles se relacionam.”
Não apenas isso, mas eles meio que se perderam o motivo de como querem viver e de quem querem seguir em frente. “Eles estão aceitando o fato de que sua missão de vingança significava que, por algum tempo, esqueceram o motivo pelo qual Madison morreu – aquilo em que ela acreditava e a esperança que ela tentava manter viva”, diz Chambliss. “Esses três personagens estão tentando descobrir como eles podem seguir em frente e como eles podem manter os ideais de Madison vivos porque eles os esqueceram por muito tempo.”

Tradução e Adaptação: Cláudia Facci, ADCBR.

Fonte:

 

Alycia Debnam-Carey, que interpreta Alicia em Fear the Walking Dead da AMC, fala sobre a destruição e a perda que antecederam a final da quarta temporada e para onde sua personagem vai de lá.

P: Como você gostou de contar a história através de flashbacks e mexendo com o tempo?

R: Brincar com o tempo definitivamente tem sido um dos elementos mais divertidos desta temporada… você desenvolve o personagem de duas maneiras diferentes e fica pulando entre o presente e o passado. Ao mesmo tempo, também é muito difícil. Você tem que ficar por dentro de como tornar o personagem diferente… Pareceu muito diferente nesta temporada e nos deu um tipo diferente de profundidade. Para interpretar a história em termos de Madison e Nick… tem sido uma ferramenta muito eficaz. Isso torna ainda mais doloroso como tudo acaba.

P: Quão diferente é a Alicia que estamos vendo agora daquela que conhecemos na primeira temporada?

R: Ela é uma pessoa completamente diferente. Eu acho que ela teve um dos desenvolvimentos mais extremos de todos os personagens. Se você olhar para quem ela era na primeira temporada, ela era apenas uma adolescente que tentava sair da cidade. Você a vê agora e ela é uma concha… essa pessoa. No fundo, acho que ela ainda tem todas essas qualidades, mas perdeu muito da humanidade, da moral, e da ética. Ela está muito brutal e muito destruída depois de tudo o que aconteceu com ela. Tem sido muito legal para mim levá-la para aquele lugar – e isso não termina por aqui. Ela está se desenvolvendo mais conforme avançamos.

P: A primeira metade desta temporada foi levando ao final da metade da temporada. Como foi finalmente chegar a isso? Quais foram alguns dos detalhes práticos, bem como o trabalho emocional, que fez parte de um episódio tão grande?

R: Foi o maior episódio para filmar. Todos nós sabíamos que é isso que estávamos esperando com a morte de Madison e o fim dos flashbacks com o Nick. Isso significou que este foi realmente o fim de uma história e o começo de outro capítulo. Foi o empurrão final para o tornarmos especial e honrar esses personagens e também dizer adeus a eles ao mesmo tempo. Foi muito difícil. Acho que todos sentimos a mesma pressão levando à isto. De certa forma, houve uma sensação de alívio quando terminamos, mas foram todos aqueles meses de emoções e corações partidos em um episódio. Eu acho que pode ser o meu episódio favorito de todos que filmamos. É uma homenagem tão legal e linda para esses personagens. Houve tantos elementos diferentes também. Tivemos efeitos práticos em termos de armas de fogo e treinamento de armas e sequências de dublês. Ao mesmo tempo, houve cenas incrivelmente emocionantes, como a com todos ao redor da fogueira, lembrando o legado de Madison, e a cena em que Morgan está tentando convencer Alicia a não matar Naomi. É muita coisa. Espero que tenhamos feito justiça.

P: Quais são seus pensamentos sobre o lema recorrente de Madison de que “ninguém se vai até que eles se vão”? E como isso permeia toda a temporada, até o final?

R: O lema de Madison continua a aparecer através do desenvolvimento de Alicia. Também ressoa com ela quando ela está naquele impasse com Morgan. Ele diz para ela: “Eu sei que você ainda está aí. Eu vejo sua mãe em você.” Isso é um lembrete para ela do que sua mãe realmente representava. Eu não acho que Alicia pode manter essa crença desde a morte de sua mãe. Eu acho que ela decidiu que não é verdade e que as pessoas precisam pagar por suas ações, mas ela chega a um ponto em que alguém reconhece nela que ainda existe algo bom e que ela pode ser salva mesmo que tudo esteja desmoronando ao seu redor.

P: Madison fez de sua missão preservar a humanidade de seus filhos. Isso é mesmo possível?

R: Eu acho que depende do que você define como humanidade. Existe uma maneira de preservar a moral e a ética, mas acho que suas prioridades só mudam com o tempo. O que conhecemos como moral e ética agora pode não pertencer ao que a moral e a ética são no apocalipse. É o mesmo com qualquer período de tempo na história. É diferente em termos de contexto e circunstâncias. Eu acho que elementos de amor, esperança e perdão ainda existem e são verdadeiros – é por isso que qualquer um dos nossos personagens ainda existem – mas é definitivamente desafiador neste ambiente.

P: À este ponto, Alicia perdeu toda a sua família – pelo menos biologicamente. Ela pode encontrar um sentimento de pertencimento em Luciana e Strand? E quanto a Charlie e June – ou Naomi/Laura?

R: [Risos] É, eu nunca sei como chamá-la!… Embora ela possa ter sido afastada da completa destruição e vingança, Alicia definitivamente não se sente conectada a ninguém. Eu não acho que ela queira estar perto de ninguém… uma parte dela percebe o efeito destrutivo que ela tem em outras pessoas e ela não sabe como lidar com isso. Ela está em um ponto onde ela realmente não gosta de si mesma, o que eu acho que é a coisa mais triste de todas… Estar neste novo grupo de pessoas que ela tentou prejudicar e estar cercada por pessoas que afetaram diretamente sua vida, como Charlie – ela está querendo sair. É um outro nível de perda e tristeza.

 

Fear the Walking Dead retorna com a outra metade da 4ª temporada dia 12 de Agosto.

Tradução e Adaptação, Marina Brancher – ADCBR.

Fonte

Em comemoração ao aniversário da Alycia de 25 anos, que será dia 20 de Julho, nós do ADCBR pensamos em algo diferente do que estamos acostumados a fazer, e queremos ver todos participando!

O projeto se chama Alycia25DaysBdayChallenge. E como participar? É simples.

A partir do dia 26 de Junho até dia 20 de Julho, postaremos desafios diários que serão postados no Twitter em forma de thread. A intenção desse projeto, além de mostrar nosso amor e admiração pela Alycia e seus respectivos trabalhos, é de interação entre o fandom brasileiro dela.

Gostou da ideia e quer participar? Basta salvar a imagem abaixo (ou em nosso twitter), e a partir do dia marcado começaremos.

Quem for participar, nos marquem em todas as fotos/gifs/vídeos diários do desafio que iremos dá RT em todos. O desafio também pode ser feito no Instagram, basta postar a imagem e nos marcar lá também.

 

Nós do ADCBR contamos com vocês!