O Alycia Debnam-Carey Brasil está com vagas abertas! Quer fazer parte da nossa equipe? Se você tem tempo livre e interesse, preencha o formulário abaixo conforme a vaga que deseja ocupar e nos envie por email: debnamcareybr@hotmail.com

Antes de tudo, vale ressaltar que o trabalho feito no site não tem fins lucrativos e não é remunerado, é tudo feito de fãs para fãs por admiração ao trabalho da atriz Alycia Debnam-Carey.

Saiba mais detalhes sobre as vagas:

Gallery Manager: 2 vagas.
Nome:
Idade:
Tempo disponível por dia/semana:
Requisitos:
• Saber usar a galeria Coppermine.
• Ter acesso à fotos.
• Ter responsabilidade para cumprir as tarefas da vaga.

Tradutor: 1 vagas.
Nome:
Idade:
Tempo disponível por dia/semana:
Nível de inglês:
Requisitos:
• Ter o bom uso da língua portuguesa e inglesa.
• Ter um bom desempenho na transcrição de vídeos.
• Ter responsabilidade para cumprir as tarefas da vaga, quando necessário.

 

Nos envie as respostas e iremos avaliar.

Equipe Alycia Debnam-Carey Brasil.

A “anti-ingênua”
Atriz australiana Alycia Debnam-Carey está silenciosamente deixando sua marca em Hollywood por todos os bons motivos

Abaixo da superfície

O “jovem ingênuo” de Hollywood parece ultrapassado, não? Essa “trope” existe há tanto tempo quanto a indústria cinematográfica e televisiva conta histórias, mas, à medida que atitudes e oportunidades mudam, atores como Alycia Debnam-Carey estão forjando carreiras menos vinculadas para ao estereótipo de elenco bidimensional. A jovem de 25 anos, por exemplo, pode ser mais conhecida por suas duas temporadas como Comandante Lexa no universo pós-apocalíptico de The 100. Ou mais recentemente como Alicia, uma mulher navegando pelo colapso da civilização, no favorito Fear the Walking Dead.
Debnam-Carey acabou de passar 15 horas no set deste último quando ela liga de Los Angeles – sua segunda casa desde que se mudou de Sydney sete anos atrás. E enquanto a atriz gosta do fato de que um dia filmando Fear the Wallking Dead pode ser preenchido com treinamento de luta, empunhando uma faca e matando zumbis, ela parece desconfiada de ser rotulada de “fodona”, pelo menos no sentido tradicional. “Eu sinto como se originalmente houvesse uma expectativa de retratar a ‘fodona’ com características essencialmente masculinas”, diz ela, explicando que quando uma mulher interpreta uma guerreira, não necessariamente equivale a uma presença intensa na tela. É preciso ter nuance. “O que eu acho tão agradável é realmente incorporar a complexidade da mente feminina que – para mim pessoalmente – inclui uma suavidade”.
Com uma lista de projetos mais sombrios, você pode pensar que Debnam-Carey encontrou seu nicho. Mas, quando questionada, ela responde pensativamente que ela ecoa os papéis prontamente disponíveis, ao invés de uma propensão particular dela. “Esses tipos de narrativas distópicas são predominantes na mídia agora mais do que nunca”, explica. “Acho que isso reflete a necessidade de investigar e entender nosso lugar no universo e nossa mortalidade como raça humana”. Considerando o cenário político atual, especialmente em torno do debate sobre mudanças climáticas, ela provavelmente está certa.
Com isso em mente, não é tão surpreendente ouvir que quando chega o momento a atriz fica ansiosa para diversificar. Um próximo papel no suspense policial “A Violent Separation” se afasta dos universos pós-apocalípticos, e Debnam-Carey se deslocaria ainda mais longe com prazer. “Eu sempre quis fazer um drama de época, como “Desejo e Reparação”, ela revela. “Estou animada para sair um pouco mais caprichosa.” Para uma amante da moda, o figurino desse gênero também é atraente após anos passados coberta de sangue e lama no trabalho. “Eu criei esse termo no nosso set [de Fear the Walking Dead] chamado “nail jail”, porque cada vez que aparecemos no set eles só preenchem nossas unhas com sujeira”, ela compartilha com uma risada. “Ser refinada por uma vez seria adorável.”

Por NATALIE MELL

Veja todas as fotos em HD do photoshoot na nossa GALERIA.

Tradução e adaptação: Marina Brancher, ADCBR 

Fonte

Alycia Debnam-Carey compareceu à convenção United Fandoms realizada pela Royal Events em Paris nos dias 13 e 14 de julho deste ano, um evento multi-fandom para a oportunidade de conhecer novas pessoas, novos convidados ou descobrir novas séries. O evento contou com Photo-ops, Meet & Greet, perguntas e respostas entre atores e fãs, sessões de autógrafos, noite com os atores, entre outras atividades. A atriz participou de painéis com convidados como Ricky Whittle (The 100, American Gods, Mistresses), Jessica Harmon (The 100, iZombie), Thomas McDonell (The 100) e Chelsey Reist (The 100).

Confira as fotos em HD da convenção clicando no link abaixo:

Galeria de Fotos: United Fandoms

 

 

Veterana na série Fear the Walking Dead, Alycia Debnam-Carey conta que Alicia vai se tornar uma pessoa e líder melhor na quinta temporada, e também irá estreitar sua ligação com Morgan (Lennie James), seu mentor.
“Tem sido um verdadeiro prazer estar há tanto tempo com um personagem, e vê-la crescer, de uma estudante, e tornando uma guerreira destemida, e mesmo toda tragédia que aconteceu, eu acredito que tenha dado a ela as ferramentas necessárias para se tornar uma jovem tão capaz”, revela Debnam-Carey durante a WonderCon, em Anaheim, Califórnia.
“Mas acho que o que realmente veremos daqui pra frente é ela tentando decidir o que fazer em seguida, e já esperança? E isso é o que realmente fará dela uma pessoa melhor e líder em tudo isso. Porque se você não consegue se conectar com a humanidade disso, então eu acho que você não tem mais nada.”
Ultimo membro sobrevivente do clã Clark, após as mortes devastadoras de sua mãe Madison (Kim Dickens) e seu irmão Nick (Frank Dillane), Alicia cresceu significativamente quando assumiu o papel de irmã mais velha da assassina do seu irmão, Charlie (Alexa Nisenson).
Agora Morgan lidera o grupo enquanto eles embarcam em uma nova missão, repleta de medo, para procurar e ajudar outros sobreviventes, assumindo aqueles deveres nos momentos finais da temporada 4 após encontrar inspiração na falecida Madison e no bondoso caminhoneiro Polar Bear (Stephen Henderson).
“O par formado por Morgan e Alicia é bem interessante”, diz Debnam-Carey sobre a dinâmica, lançada quando Morgan tentou impor sua ideologia pacífica a uma Alicia enlutada e em busca de vingança na temporada 4.
“Eu acho que os dois estão tentando lidar com as mesmas questões filosóficas de: Qual é a razão para continuar? Por que queremos continuar, qual é o objetivo? Acho que ela o vê como uma espécie de mentor, porque ela a protege e tenta convencê-la de que há mais do que isso e que temos que fazer coisas melhores para compensar por tudo o que fizemos e que isso pode ser uma coisa realmente positiva, e isso pode lhe dar esperança, e lhe dar um senso de razão e propósito.”
E esperança e propósito são coisas que Alicia precisa.
“Tudo pelo qual ela passou, ela perdeu tanta gente, e se tornou essa guerreira fechada”, acrescentou Debnam-Carey. “E é disso que ela se orgulha, e é o que pensa, que é a única coisa que ela pode fazer, apenas lutar e matar. E eu acho que ele é uma das pessoas que sabe que há muito mais (para ela) do que isso e ele quer que ela comece a confiar novamente.”

Retornando para a 5ª temporada ao lado de Alycia Debnam-Carey estão Lennie James, Danay García, Jenna Elfman, Garret Dillahunt, Maggie Grace e Alexa Nisenson. Também estão nesta temporada Mo Collins e Daryl Mitchell, como Sarah e Wendell, Rubén Blades, que retorna como Daniel Salazar, e os estreantes Austin Amelio, como Dwight, e Karen David, como Grace.

Tradução e adaptação: Romina V. Rocha, ADCBR. 

Fonte

No dia 2 de junho deste ano, Alycia, elenco e produtores de Fear the Walking Dead compareceram à premiere da 5ª temporada da série no Split Screen Festival no IFC Center em Nova York, realizando painéis e coletiva de imprensa para falar tudo sobre sua temporada mais recente.

Confira todas as fotos em HD da atriz no evento clicando nas miniaturas abaixo:

ssf002.jpg
ssf003.jpg
ssf004.jpg
ssf005.jpg
ssf006.jpg

Confira também a entrevista da StyleMTV legendada:

No dia 03 de junho deste ano, Alycia Debnam-Carey e o elenco de Fear the Walking Dead compareceram à entrevista da BUILD Series em NYC para falarem sobre a 5ª temporada da série.

Confira as fotos em HQ clicando nas miniaturas abaixo:

build020.jpeg
build021.jpeg
build022.jpeg
build023.jpeg
build024.jpeg

Confira também o vídeo completo da entrevista legendado:

Por Romina V. Rocha

Para uns, ela é a Comandante Lexa. Para outros, Alicia Clark, a heroína de Fear the Walking Dead. Para o mundo do entretenimento, ela é Alycia Debnam-Carey, uma australiana de 26 anos, que vem conquistando público e crítica com suas atuações seguras e sua beleza incontestável.

Nascida em Sidney, Debnam-Carey estreou na televisão com apenas 8 anos de idade e desde então apareceu em várias produções em seu país de origem, até se aventurar em Hollywood. Sua grande chance chegou em 2014, quando fez uma participação especial em The 100, como Lexa, a Comandante dos 12 clãs. O sucesso da atriz foi grande na série até a trágica morte da personagem, que gerou comoção mundial e liderou tendências nas redes sociais. A repercussão foi tão grande que até hoje existem campanhas para o retorno dela.

Antes de aceitar viver a líder dos Grounders na série de TV e se tornar mundialmente conhecida, Alycia já havia participado de três longas metragens, Into the Storm, The Devil’s hand e Friend Request. Em todas as produções a atriz recebeu críticas positivas. A expectativa pela próxima incursão da atriz no cinema foi grande, o que gerou grande antecipação com relação ao filme A Violent Separation.

Uma tragédia convertida em crime. Dois irmãos unidos por um segredo. Um amor ameaçado por uma ligação de sangue. Assim começa A Violent Separation. Dirigido pelos irmãos Kevin e Michael Goetz, o filme é ambientado do meio oeste norte americano, e gira em torno do relacionamento dos irmãos Norman e Ray Young, com as irmãs Abbey e Frances Campbell.

A trama tem início com uma tragédia envolvendo as famílias Campbell e Young. Teria sido um crime ou apenas uma fatalidade? Com medo de ser responsabilizado devido ao seu passado conturbado, Ray resolve agir e fazer qualquer evidência do suposto crime desaparecer e, para isso, acaba envolvendo Norman, o até então correto policial.

O que se segue é o desmoronamento da relação entre os irmãos, agora envolvidos em um crime. Até aí o filme transcorre bem, com bons momentos de tensão e diálogos interessantes, tudo isso envolto em uma fotografia primorosa, retratando com fidelidade a época em que se passa, os anos 80, e o local onde a história acontece.

A Violent Separation peca em alguns momentos, principalmente na fragilidade do elenco masculino e a lentidão do enredo. O Norman, de Brenton Thwaites, não tem o carisma e o apelo necessário para o papel. Apesar de por vezes caricato na sua interpretação de um suposto ‘bad boy’, o Ray de Ben Robson cumpre relativamente bem o que dele se espera. Frances, por sua vez, é o personagem central do filme, sendo responsável pelos melhores momentos. É possível perceber a angústia da personagem, dividida entre o amor pela irmã e o sentimento de revolta, por ser sempre a que precisa resolver seus problemas.

Vale destacar a presença dos veteranos Ted Levine (O Silêncio dos Inocentes), como o xerife Ed Quinn, e Gerald McRaney, vencedor do Emmy pela série This is Us, como o pai de Frances e Abbey. A relação de Frances com o pai é um dos trunfos do filme, e tanto Alycia quanto McRaney brilham em seus papeis. Vale destacar também a participação de Claire Holt, como Abbey. Ela e Debnam-Carey são o coração do filme, que merece ser assistido.