Alycia Debnam-Carey que interpreta Alicia Clark em Fear The Walking Dead, fala sobre seu zombie favorito, relacionamento de Alicia e Strand e porque ela gosta da narrativa desta temporada.

Q: Como foi passar tanto da temporada separada de tantos colegas de elenco?
A: É estranho no fato de que você não vê as mesmas pessoas no set todos os dias e você sente que tem histórias isoladas sobre as quais talvez não saiba muito. Mas, ao mesmo tempo, é bem legal do ponto de vista da história, porque o que eu gostei nessa temporada foi que eles agruparam personagens específicos, o que significa que poderíamos explorar a dinâmica um-a-um mais profundamente e gosto mais disso. Acho que isso nos dá mais tempo, especialmente em uma série que é tão cheia de ação, que é tão dominada por montagens e dublês e um tipo de enredo de grande ação — isso permite que os momentos do personagem se destaque. Então, quanto mais focamos em personagens individuais dentro de um número menor, eu simplesmente sinto que isso nos dá a chance de explorar melhor a dinâmica, de obter mais dos personagens nessa situação.

Q: Qual estado mental de Alicia no começo do episódio 7?
A: Bem, Alicia está desapontada não apenas com a forma como o relacionamento com Strand foi, mas também com o plano que ele propôs agora mudou e a deixou um pouco vulnerável e despreparada. Acho que para ela, neste momento, é apenas sobre se ela está pronta novamente e se esforça para ficar por cima. Acho que ela tende a permitir que outras pessoas governem a situação e confiar que essas pessoas em particular em sua volta seguirão adiante com seus planos. E, você sabe, a cada temporada que passa, ela está se tornando mais autônoma e mais astuta por conta própria, e acho que este episódio é outro exemplo de como ela é incrivelmente capaz quando está sozinha e se trata apenas de garantir que ela e Charlie estão preparadas da melhor maneira possível para perseguir o que quer que aconteça a seguir — seja para sair, seja para ficar e tentar lidar com situação. Mas acho que se trata de se proteger da melhor maneira possível.

Q: Por que ela decide responder a Strand depois de ignorá-lo por tanto tempo?
A: Quero dizer, acho que Alicia conhece Strand provavelmente melhor que todos, tirando talvez Daniel. Mas ela sabe que, embora sua manipulação e suas formas de barganha possam enganar, eles também fazem parte de quem ele é. E o fato de que ela sabe disso sobre ele a informa que ela pode potencialmente usar isso a seu favor também. Ele mostrou suas verdadeiras cores para Alicia e ela finalmente entende que ele é um vigarista, então ela sabe no que está se metendo sempre que ele apresenta certas situações. E então, se há algo que vale a pena negociar, ela não vai dizer “não” abertamente. Portanto, com Strand, há sempre uma possibilidade de um “e se?” questionar coisas que Alicia é inteligente o suficiente para não recusar. Acho que nessa situação em particular, enquanto ela ainda está irritada com o fato de que ele meio que a traiu, ela está disposta a deixar isso de lado para ver o que ele tem a oferecer.

Q: Alicia diz que está ajudando Strand porque possivelmente quer se unir às pessoas que levaram Dakota. É esse o verdadeiro motivo dela ou é por causa do que você acabou de dizer sobre Strand e sempre haver um ar de possibilidade com ele?
A: Bem, também tem isso. Eu acho que, se a anterior era a resposta mais geral, essa é a mais específica, então esta é a resposta mais específica de que ela quer usar o que puder a seu favor também. Strand não vai ser tão específico sobre seus planos. Ele não vai deixá-la saber o que realmente está acontecendo. Ela vai resolver o problema com as próprias mãos, então, se isso for encontrar pessoas que possam ajudá-la, ela vai fazer isso.

Q: Como foi filmar o ataque no celeiro? Essa cena parecia incrivelmente intensa.
A: Isso foi legal. Foi uma noite muito longa. Sempre que temos alguma coreografia de luta, é sempre divertido interpretar e fazer, e nossa equipe de dublês é incrível. Nós montamos e fazemos a coreografia bem rápido porque temos que entrar bem rápido, então é sempre como uma dança em certo sentido. É muito divertido quando você consegue realmente fazer. A configuração de toda a casa é muito diferente de [qualquer coisa] que vimos no show, e eu achei muito legal explorar esse momento neste mundo.
Foi também, na minha opinião, os melhores zumbis que ja vimos. Eu simplesmente amei como eles eram macabros e fantásticos. Isso me lembrou algo mais de conto de fadas do que nosso típico gênero zumbi. Achei que era um novo visual muito bom. Para ter algo tão diferente da 6ª temporada e para que eles sejam meus favoritos — quando digo isso, não digo levianamente. Eles eram meus favoritos porque eles… me lembravam de algo mais parecido com o O Labirinto do Fauno ou fantásticos como bestas gregas… E os efeitos especiais que criam esses looks, é apenas uma verdadeira conquista. Quero dizer, o trabalho que eles envolvem — alguns tinham escamas de crocodilo e cada um deles tinham olhos diferentes. Havia olhos de cabra e olhos de gato. Achei que era uma ideia tão legal, interessante e diferente. Eu amei. E então as silhuetas pareciam tão diferentes porque tinham chifres e quase parecia mais diabólico.

Q: Por que Alicia finalmente decide ir para o lugar seguro de Morgan com Dakota, em vez de entregar Dakota e ganhar sua própria liberdade?
A: É a ideia de que existe um ciclo para Alicia e dor e raiva, e, se você fizer algo mal por alguém, essa dor que eles podem sentir só vai piorar e se tornar mais dor no futuro e, potencialmente, voltar e te machucar — e também que não vai mudar nada combatendo fogo com fogo, essencialmente. Para Alicia, uma coisa que amo nela como personagem é que ela tem mais compaixão e mais otimismo, eu acho, do que muitos dos outros personagens, até [mais] do que sua mãe. Acho que a mãe dela era um pouco mais crua e um pouco mais implacável.
Alicia está pronta para tentar e promover um resultado melhor e tentar alcançar algo que seja melhor do que paramos, e eu amo isso nela. E eu acho que é uma das poucas coisas que vimos que é inata nela como personagem, em comparação com o mundo ao seu redor também. Ela ainda mantém isso, apesar de tudo. E então ela escolheu aprender uma lição sobre “nós não queremos criar monstros” e não há nenhuma maneira real de sair disso, a menos que tentemos ser compassivos um com o outro — Acho que há uma linha que, no final das contas, está fazendo dela uma líder melhor e uma sobrevivente melhor, estranhamente.

Q: Você acha que é verdade, como diz Strand, que Dakota respeita Alicia e confia nela?
A: Eu não acho que seja uma declaração que ela esteja particularmente segurando. Acho que ela pode estar ciente de que pode ter uma certa lealdade com um adolescente mais jovem porque ela mesma estava meio que nessa posição quando o apocalipse realmente começou. E nós vimos isso com Charlie também — existe uma espécie de irmandade nessas mulheres mais jovens, nessas garotas mais novas, onde um vínculo é muito importante. Mas, quero dizer, ela também é cautelosa.
Alicia não tem muitas pessoas confiáveis, eu acho. Alguém me perguntou recentemente em um painel: “Em quem Alicia mais confia?” e eu tipo, “Confiança é uma palavra inconstante neste apocalipse!” Então ela sempre vai ter cuidado ao seguir em frente, e eu acho que ela não vai colocar Dakota sob sua proteção, mas talvez ela possa ser influente e causar uma boa impressão nela. Acho que talvez seja por isso que no final deste episódio a vemos estender um ramo de oliveira, esperando que esta seja a escolha certa, que você é quem diz ser e que existe uma bondade e talvez possamos escavar um otimismo e uma compaixão aqui.

Q: Você pode descrever a evolução do relacionamento de Alicia com Strand?
A: É uma relação de personagem muito especial para mim, obviamente porque mantém [viva] a memória de um grupo de personagens do qual não sobraram muitos. Isso conecta aquela velha família a esta nova família e, apesar de todas as manipulações de Strand, características do vigarista e sua astúcia, ela sabe que, em última análise, eles compartilham muita história agora e compartilham muita dor e compartilham muito crescimento e sobrevivência. Isso os une, e eu não acho que isso seja algo que vai ser tão fácil de jogar fora. Acho que agora eles estão gratos por estarem nisso juntos, em certo sentido, e acho que sempre estarão.
E a dinâmica realmente mudou de Madison e Strand sendo camaradas para agora Strand sendo mais um mentor para Alicia e agora eles meio que se tornando uma família e iguais. É uma dinâmica realmente interessante e verdadeira. É revelado assistindo a série, e eu acho que é muito especial quando você faz algo assim.

Fear The Walking Dead todas as segundas no AMC Brasil.

Tradução e Adaptação: Carol Prado – ADCBR.

Fonte:

A atriz também aborda aquela teoria implacável dos fãs de que a mãe de sua personagem, Madison, de alguma forma ainda está viva: “Acho que todos nós precisamos de um encerramento para isso.”

O final da metade da temporada de “Fear the Walking Dead” continuou o tema desta temporada de explorar o elenco, personagem por personagem, com um foco profundo no membro original do elenco Alycia Debnam-Carey.

Alicia tem sido em muitos aspectos o coração de “Fear” desde o início, começando sua jornada como uma adolescente e navegando por mais altos e baixos do que quase qualquer outro personagem no universo de “The Walking Dead”.

Alycia Debnam-Carey se conectou com TooFab após os eventos dramáticos do último episódio para falar sobre a grande mudança que sua personagem sofre ao longo desta hora única quando ela se dá conta de si mesma e se mantém firme contra duas das maiores influências em a vida dela.
O maior deles, e o mais tenso, veio quando ela e Morgan (Lennie James) se reuniram pela primeira vez nesta temporada. Convencida de que Morgan estava morto, Alicia rapidamente se viu mudando de um choque eufórico para um horror incerto enquanto percebia o que ele tinha acabado de fazer.

O impulso do episódio foi uma operação de recuperação, com Alicia e Charlie (Alexa Nisenson) recebendo essa tarefa de Strand (Colman Domingo) para recuperar a irmã mais nova sequestrada de Virginia (Colby Minifie) Dakota (Zoe Coletti).

Só que o sequestro não saiu como planejado, pois Dakota escapou após o massacre de todos os guardas da Virgínia para proteger sua caravana. É essa carnificina que está no centro do horror de Alicia quando ela percebe o quão longe Morgan estava disposto a ir em seus esforços para salvar a todos.

Não necessariamente um anjo, Alicia tinha acabado de fazer um acordo com Virginia para devolver Dakota para a liberdade dela e de Charlie. Mas Morgan massacrou homens e mulheres apenas para garantir este bem valioso. Não apenas a vida de Dakota significava muito pouco para ele, essas outras vidas foram perdidas.
E no final da hora, graças à trágica história de um personagem e à atmosfera de um mini-filme de terror que Debnam-Carey comparou ao “Labirinto do Fauno” – também vemos elementos de “A Ilha do Dr. Moreau” nele – Alicia tinha até suavizado sua própria vontade de vender Dakota.

A maior diferença para ela, porém, é que, pela primeira vez em sua vida, ela enfrentou Morgan, indo de igual para igual com ele a ponto dele realmente recuar na cara dela. Ele queria que eles aproveitassem Dakota para tentar proteger o resto do grupo. Alicia, a essa altura, queria convidar Dakota para se juntar ao grupo, salvando-a da Virgínia também.

E ela estava pronta para se afastar de Morgan completamente, a fim de proteger Dakota. Mais tarde, ela estava disposta a ficar cara a cara com Strand pelo mesmo propósito. Houve uma mudança monumental em Alicia nesta hora, que está tentando estabelecer uma conclusão bastante selvagem para esta temporada, pois veremos se ela continua afirmando sua própria posição moral sobre aqueles ao seu redor.

Debnam-Carey conversou com TooFab sobre o episódio, o tema de moralidade da temporada, bem como a jornada de sua personagem para este momento crucial, o que a está impulsionando agora e provocando o que está por vir na “muito, muito bagunçada” segunda metade da temporada.

Ela também abordou a teoria dos fãs desenfreados de que sua mãe Madison (Kim Dickens) ainda está viva em algum lugar lá fora, depois que sua personagem sugeriu voltar ao estádio onde Madison morreu (ou não?)

Como foi entrar no que certamente parecia um filme de terror clássico para um episódio?

Assustador, com certeza. É engraçado porque realmente parecia muito mais gênero de terror do que o que estou acostumada. Mas eu acho que o que foi realmente ótimo é que temos uma diretora incrível, uma diretora mulher, Tawnia [McKiernan], que apenas elevou isso para fazer parecer que era aquele gênero clássico de terror. Eu sei que ela estava realmente focada nisso. E tudo, desde o tipo assustador de seringa e ser amarrado à mesa e os animais taxidermia com olhos de vidro.

Mas eu também pensei que a maneira como fizemos com os walkersde animais da taxidermia, realmente parecia quase um terror do tipo ‘Labirinto do Pan’. Não havia nada realmente sangrento ou grotesco, mas parecia muito macabro e quase caprichoso, então eu gosto que houvesse esse equilíbrio dentro do episódio parecendo bastante – parecia muito assustadoramente assustador, mas também tinha uma espécie de chute na bunda elemento para isso.

A história do personagem “cientista louco” no meio do episódio, que acidentalmente matou sua família com suas criações enquanto tentava protegê-los, pareceu ter um grande impacto em Alicia.

Definitivamente, acho que foi a última peça do quebra-cabeça com que ela está tentando chegar a um acordo, que é o quanto de sua moralidade, sua própria ética e compaixão você precisa se apegar para tornar possível sobreviver neste mundo . Eu acho que para Alicia, sempre houve essa dualidade nela de querer jogar e precisar jogar, mas também se apegar à bondade e às coisas que fazem valer a pena.

Com seu próprio crescimento, ela tem pegado pequenos pedaços das pessoas que foram seus mentores, de certa forma, e finalmente ela se tornou a mentora. E ela está escolhendo primeiro, ‘Bem, tudo bem, eu vou jogar, eu tenho que fazer o que precisa ser feito para sobreviver, e se isso significa usar Dakota como uma peça de xadrez -‘

Mas, ao mesmo tempo, acho que agora ela está percebendo que a razão pela qual Charlie puxou o gatilho para Nick [o irmão de Alicia] é porque ela estava tão quebrada desde o início. Alicia reconhece isso em si mesma e foi esse o seu caminho quando a mãe morreu. Então eu acho que ver Dakota ser essa pessoa – estar em uma encruzilhada potencial – mostra a esperança de Alicia de que ela possa fazer algo melhor do que seus mentores atuais estão tentando fazer com que ela faça.

E então eu acho que pela primeira vez a estamos vendo ela pegar e falar, não, estou rejeitando o que Morgan quer e eu vou decidir daqui em diante. Então sim, estamos começando a vê-la crescer para a ocasião e se tornar a líder novamente, por si mesma.

Então, seria seguro dizer, com sua mudança em tentar proteger Dakota, assim como Charlie, que Alicia está assumindo a missão de coletar e talvez tentar salvar todas essas garotas destruídas?

Sim, acho que é absolutamente isso. Ela está tentando salvá-los do que ela passou. Ao longo da série, acho muito interessante que Alicia tenha sido realmente a única personagem regular daquela idade. Nós vimos muitas crianças mais novas ou muitos adultos mais velhos.

E então, Alicia passou por essa metamorfose única. E vê-la tentar coletar, como você disse, esse tipo de garotas quebradas é uma chance para ela tentar e fazer sua parte para fazer o melhor e para salvá-las do que ela passou. Ou pelo menos tentar e … Ela é aquela pessoa que sabe como era. Ninguém sabe disso melhor do que ela, então faz sentido.

Alicia mencionou voltar ao estádio esta semana, e você sabe que muitos fãs não estão prontos para admitir que ela está morta. A Alicia também está naquele acampamento, esperando que sua mãe esteja viva?

Para mim, acho que é uma oportunidade para ela revisitar, deixar de lado e ter um encerramento. Acho que é a única coisa que a está impedindo de se tornar a pessoa de que ela precisa para seguir em frente. E ser uma figura autônoma. E ser uma líder para essas meninas e uma líder de esperança e uma líder de possibilidades. Para mim, é um símbolo dessa jornada para ela e não realmente a esperança de que Madison esteja lá.

Então você está dizendo que os fãs deveriam buscar esse encerramento também, e deixar essa teoria maluca ir embora?

Eu já disse isso antes, acho que todos nós precisamos encerrar isso.

Depois de todo esse tempo, por mais que Alicia tenha crescido como resultado da perda de sua família, parece que não serviria para sua história trazer Madison de volta neste momento, né?

Eu concordo totalmente, isso tem sido uma grande coisa para mim. Na verdade, eu tive uma conversa com os escritores quando voltamos sobre como isso era algo em que eu estava pensando muito. Que, para Alicia seguir em frente, eu realmente quero que ela – sabe, se vamos fazer isso, precisa ser uma separação do passado que está sempre sendo trazida à tona. Precisa agora ter algum fechamento e seguir em frente para Alicia se tornar um ser humano completo em quem ela é.

Você mencionou moralidade e ética antes, o que parece ser um tema recorrente ao longo da temporada. Vimos John e June divididos por motivos morais diferentes, assim como Dwight e Sherry na semana anterior. Esta semana, Alicia, Morgan e Strand estavam todos em suas próprias ilhas quando se tratava de suas bússolas morais. Então, qual é a posição certa a tomar?

Acho que você está no caminho certo, e é difícil responder agora só porque não acho que vamos dar uma olhada completa em qual é a verdadeira base moral de cada personagem até chegarmos ao fim. Mas acho que haverá surpresas. Realmente haverá algumas surpresas sobre os fundamentos morais do personagem em que estamos.

Você conhece esses personagens há alguns anos, tem coisas que vem surgindo que te surpreenderam?

Sim, existem. Tem. Eu acho que vai conversar com o que a Alicia– O que tem sido incrível sobre a evolução de Alicia é que a vimos passar de uma adolescente ingênua a uma guerreira incrivelmente capaz –

Você pode chamá-la de líder f*dona, acho que ela merece isso.

Ela é uma líder f*da, isso mesmo! Mas também a vimos em meio a esse tipo de pacifista traumatizado e também a vimos ter que superar a turbulência interna de raiva, ressentimento e destruição. Então, o que acho que será interessante daqui para frente é ver como Alicia é capaz de, e se ela é capaz de equilibrar essa dualidade.

O que eu sempre disse é que Alicia é filha de Madison, e Madison não era um anjo. Ela era uma líder implacável, pragmática e séria. E embora ela fosse ferozmente protetora, ela também estava disposta a fazer muito para se certificar de que as pessoas com ela estavam protegidas.

Costumo dizer que alguém como Morgan é muito mais – não tão cruel quando se trata de… – ele pode ser, mas se eu olhar para Madison, sinto que havia um elemento de, não sei, havia- – Tudo o que estou dizendo é que vai ser interessante ver onde Alicia está encontrando essa dualidade.

Com Morgan massacrando os Rangers e mostrando a escuridão emergente, é hora de Alicia intensificar e ser a bússola moral dele?

[depois de uma longa pausa] … É isso que estou dizendo. Isso, sim, há muitas opções onde ela pode ir. Eu acho que percebendo isso– Alicia foi capaz de tirar muitas características diferentes de seus muitos mentores em sua vida e eu acho que finalmente vamos vê-la juntando tudo isso.

Na semana passada, June teve a oportunidade de matar Virginia. Esta Alicia recém-centrada teria feito isso?

Eu acho que ela quer.

Tem sido uma configuração relativamente tranquila para o que certamente será um confronto brutal entre Virginia e seu grupo. Você pode nos dizer o quão feio vai ficar?

Fica muito feio, não vou mentir. Fica muito feio, na verdade. Eu acho que se torna– Essa é difícil, eu realmente não sei o que dizer. … Vou te dizer uma coisa, fica muito, muito bagunçado e a oportunidade – eu não sei o que dizer.

Bem, definitivamente parece que a m* vai atingir o ventilador.

Vai atingir o ventilador, é verdade. Vai realmente atingir o ventilador.

Espera-se que “Fear the Walking Dead” retorne à AMC após os seis episódios bônus de “The Walking Dead” que vão ao ar em 28 de fevereiro.

Tradução e Adaptação: Marina Brancher – ADCBR.

Fonte

Alycia Debnam-Carey estrelou alguns papéis incríveis nos últimos anos. Desde seu trabalho como Lexa em The 100 até Alicia Clark em Fear the Walking Dead, ela tem uma maneira de dar vida a personagens tão fortes e poderosos. Para celebrar a recente temporada de Fear the Walking Dead, Alycia sentou-se conosco para conversar sobre tudo – como quais papeis ela fez audição (mas não conseguiu), o episódio favorito de FTWD e se ela guarda alguma coisa do set de The10

Aqui está tudo o que nós aprendemos:

1.Primeiro, qual foi a última série que você maratonou?

A última série que eu maratonei foi Sucession.Era nessa que eu estava tão interessada. E quando começou a pandemia, eu estava tipo, “Tudo que eu preciso é a nova temporada de Sucession” Então eu mal posso esperar para a Terceira Temporada. É isso que vem na minha mente

2. Qual emoji você mais usa?

Nossa, eu amo essa pergunta! Vou olhar meu celular para te dar uma resposta exata. Bom, nesse momento, é a carinha chorando (😭), que resume perfeitamente 2020. Mas além desse, é provavelmente as pequenas estrelas (✨) ou olhos com coração/amor (😍), eu acho. Mas nesse momento, apenas a carinha chorando.

3. Qual é seu filme preferido de todos os tempos?

Eu nunca tive uma boa resposta para isso. Nunca mesmo. Eu sinto que  gosto dos filmes por razões diferentes. Eu amo Pulp Fiction, mas eu também amo How to Lose a Guy in 10 Days. E, você sabe, tem uma grande diferença entre eles. Também tem aqueles bobos que eu quero assistir o tempo todo, como Superbad. Eu sinto que é muito difícil para eu escolher um filme favorito de todos os tempos

4. Tem algum filme que mais te marcou?

Eu penso constantemente sobre Melancholia

5. Qual pessoa mais te impressionou?

Recentemente, eu vi Quentin Tarantino e foi um “Ai meu deus. Ai meu deus”. Pulp Fiction é um dos meus filmes favoritos. Lembro de ter visto ele e apenas ficado tipo, “Ai meu deus, ai meu deus. Está acontecendo. Eu estou vendo você,” e ele, tipo, me olhou por um momento, e foi algo como “Está acontecendo.” E foi literalmente isso. Nós trocamos olhares.

6. Qual foi o hobby que você adquiriu ou voltou a fazer durante a quarentena?

Ler foi um grande. Também comecei a tocar piano. Eu não sei tocar piano, mas eu meio que comecei a tocar. Eu também estava pintando e desenhando bastante. Foi um tempo bem criativo para mim. Eu não tinha muitos planos, então só decidi ver onde isso me levaria, e essas foram as três coisas principais para mim.

7. Qual foi o último livro que você leu?

O último livro que eu li foi Pachinko. Durante a quarentena e o confinamento, eu fiz parte de um pequeno clube do livro com os meus amigos de Sydney, e foi muito, muito legal. Então nós começamos a ler vários livros. O último que eu li foi Pachinko. Nós ainda precisamos discuti-lo, tive vários sentimentos sobre. Gostei, mas não amei.

8.  Qual é a única coisa que você não pode viver sem?

Tenho uma pequena coleção de fotos dos meus amigos, da minha família e de Polaroids. Eu viajo bastante, então sempre carrego eles comigo. Eles estão lá no meu diário e eu os tenho há, acho que provavelmente, pelos últimos sete ou oito anos. É apenas um lembrete das pessoas da minha vida e das pessoas que eu amo, e isso é algo que eu realmente aprecio.

BuzzFeed: E tem algo diferente sobre ter as fotos físicas do que olhar no seu celular.

Com certeza! Na verdade, alguns anos atrás, eu tinha um desses aplicativos de foto que você pode colocar todas as fotos do seu celular e uma empresa vai imprimi-las para você. Em casa tenho essa grande caixa de fotos. Preciso fazer isso de novo eu gosto delas. Lembro de pensar quando éramos crianças, você provavelmente teve a mesma experiencia, de ficar olhando os álbuns de fotos e não é mais uma coisa. É incrível apenas sentar e viajar pelos anos, seu crescimento e as pessoas em sua vida. Não fazemos mais tanto isso

9. Qual é a sua coisa favorita de cozinhar?

Eu não sou uma grande cozinheira, mas faço um salmão assado muito, muito bom com brócolis grelhado e espinafre refogado. Eu posso arrasar nisso.

10.  Tem algum papel que as pessoas ficariam surpresas ao descobrir que você fez a audição e não conseguiu?

Ai me deus, tem tantos papeis. Eu não sei se você já viu o vídeo no Youtube com a Brie Larson que ela lista todos os filmes que ela fez audição?

BuzzFeed: Sim! É um dos meus vídeos favoritos

Eu assisti e foi como “Isso é tão eu.” Lembro de ir para The Bling Ring e ver [Brie Larson] na sala de audições comigo e pensar, “você não precisa estar aqui. Por que você está nessa sala de audições? Você deveria ter recebido esse papel.”

Recentemente, eu acho que os papeis que vem na minha cabeça são Black Widow e Little Women. Tem tantos. Se você for nos meus e-mais, é constante. Quer dizer, tem tantos.

11. Quem é seu crush celebridade da infância?

Provavelmente Zac Efron. Quando High School Musical saiu, eu tinha 12 ou 13 anos. E fiquei tipo, “Wow!” Esse foi o começo. Aquele pequeno corte de cabelo swoopy. Ele tinha tudo.

BuzzFeed: Ele tinha o corte de cabelo original do Justin Bieber antes de ser legal.

E é isso! Ele tinha antes de ser legal. Eu era obcecada.

12. Tem alguma celebridade que você é frequentemente confundida?

Me falaram que eu pareço com muitas pessoas. Já falaram Miley Cyrus, nós temos o mesmo formado do rosto. Já ouvi Fiona Apple. Antes Faye Dunaway. Geralmente é o formado do rosto. Por um tempo foi Emilia Clarke

13. Tem alguma história específica que você lembra quando te confundiram com outra celebridade?

Eu lembro, isso foi engraçado, fui para um show no Hollywood Bowl e era a orquestra de Game of Thrones tocando. Então, eu estava andando e esse cara que estava pegando os ingressos estava tipo, “Ai meu deus, eu não acredito que você veio. É uma grande honra”. E eu fiquei “O que você está falando?” e depois percebi que ele achou que eu era a Emilia Clarke

14. Qual é a sua história de fã mais louca?

Eu acho que é sempre muito louco ver pessoas que tatuaram minha maquiagem de The 100, como meus olhos ou meu rosto, tatuadas nos seus corpos, é sempre uma coisa muito doida ver. É um outro nível de dedicação. Eu estarei sempre observando vocês agora.

15. Na maioria de seus programas de TV e filmes, você tem um sotaque americano. Ficou mais fácil de fazer com o tempo?

Sim, acho que sim. Quer dizer, é porque a maior parte do trabalho que fiz foi na verdade nos Estados Unidos e todos com sotaque americano. Nunca usei meu australiano aqui. E, especialmente trabalhando em uma série nos últimos cinco anos, eu gasto muito do meu tempo com um sotaque americano, então isso se torna uma segunda natureza. Mas, é claro, de vez em quando há um deslize e eu digo: “Uau, isso realmente acabou de acontecer.” Meu sotaque é sempre mais forte quando volto da Austrália.

16. Você costuma voltar e assistir algum de seus trabalhos anteriores?

Assistirei ao que fiz, mas geralmente apenas uma vez. Normalmente faço isso só para ver como ficou, para ver como ficou, para ver se foi traduzido da maneira que pensei que seria. Eu quase vejo isso mais de uma perspectiva muito crítica, não uma perspectiva emocional do tipo, “Oh Deus, eu estou tão terrível. Oh, isso foi horrível. Eu deveria ter sido melhor”, nada disso. Quero ver como fica e gosto de ver o produto final. Mas raramente olho para as coisas uma segunda vez e, se o faço, é anos e anos depois. Então, eu tenho uma perspectiva muito diferente sobre isso, onde é como, “Oh meu Deus, eu pareço tão jovem.”

17. Você se lembra de como foi sua audição para Fear the Walking Dead?

Eu tive um processo de audição bem rápido porque eu tinha feito um piloto com AMC anteriormente que não deu certo. Era um piloto de Ridley Scott, e todos estavam tipo, “Oh meu Deus, isso vai acontecer, isso vai acontecer,” e por alguma razão, simplesmente não aconteceu. Então eles já estavam escalando [Fear the Walking Dead] e naquele ponto eles pensaram que eu poderia estar realmente certo para isso. Então entrei e acho que depois da primeira audição, fui colocada em uma leitura de química em tela com todos.

18. Existe alguma leitura de química em tela durante seu processo de audição de Fear the Walking Dead que você mais se lembra?

O que eu mais me lembro é de estar com Frank Dillane, que interpretava Nick. Eu me lembro que na audição, ele continuou me chamando de Alicia e, originalmente, eu recebi lados falsos. O personagem na verdade se chamava Ashley, e na audição, ele continuou me chamando de Alicia. Eu estava tipo, “Eu não sei, talvez esse cara seja como um ator de método britânico, algo que eu não me importo.” Então, descobriu-se que, quando todos nós conseguimos o show, estamos sentados em uma mesa gigante lida com AMC, executivos, produtores e a personagem agora se chama Alicia. Eu estava tipo, “Oh, espere, o que está acontecendo?” Foi um processo longo, mas também bastante rápido e furioso.

19. Alicia passou por tal crescimento de personagem desde a primeira temporada e se tornou uma personagem muito forte. Como é retratar o crescimento dela?

Eu olho para trás e tem sido muito gratificante. Eu acho muito raro conseguir essa oportunidade onde você trabalha com um personagem por tanto tempo e poder ter uma mão na sua transição e metamorfose, sabe? Eu acho que o que tem sido realmente especial sobre isso, é o fato de que eu tive que tê-la desde adolescente e acompanhá-la até se tornar uma jovem mulher. Essa é uma oportunidade rara, especialmente para espelhar isso com o pré-apocalipse e o pós-apocalipse. Ver um personagem crescer não apenas como um humano, mas também crescer em resposta ao ambiente é realmente ótimo e excitante.

20. Você sabia como a história da Alicia ia ser desde o começo?

Quero dizer, com programas de TV você não tem necessariamente o arco completo de como tudo vai se desenrolar como se fosse um filme. Então é um pouco mais difícil traçar as batidas principais [desde o início], mas eu acho que tem sido incrível. Ela teve o maior crescimento porque foi provavelmente a que foi mais longe. O público está aprendendo enquanto ela aprende. É uma oportunidade rara, mas realmente maravilhosa.

21. Você teve um momento específico da Alicia de que mais se orgulha até agora?

Eu sempre penso na terceira temporada, para ser honesta, e penso em quando fui empurrada pela primeira vez no bunker. Lembro que foi um grande momento porque foi o meu episódio. Foi a primeira vez que realmente tive um episódio singular. Lembro de sentir que este deve ser o momento em que Alicia evolui e muda para se tornar não apenas uma filha, uma irmã e uma adolescente, mas ela tem que estar à altura da ocasião. Então esse foi um grande momento para mim.

Eu também acho que, tendo aquele episódio com Charlie e Alicia em casa durante a tempestade durante a 4ª temporada, também foi um episódio importante para mim. Fiquei muito orgulhosa daquele episódio porque éramos apenas nós duas. Nós só tínhamos uma a outra para nos apoiar. Acho que realmente trabalhei muito para ter certeza de que fizemos o melhor que podíamos no tempo limitado que conseguimos. Foi outro episódio em que tivemos que vê-la evoluir, mudar e superar sua raiva por Charlie e sua tristeza e arrependimento por Nick e sua família, e simplesmente se tornar outra pessoa. Esses dois são grandes pontos de evolução para Alicia, então acho que esses são os dois de que mais me orgulho.

22. Você surpreendeu a todos quando voltou para o final da série The 100. Como o grande retorno de Lexa aconteceu?

Foi uma daquelas coisas em que nos últimos dois anos, houve momentos ou oportunidades em que poderíamos ter tentado [trazê-la de volta]. Eu sei que as pessoas realmente queriam trazer Lexa de volta, e havia tanta dor e mágoa que as pessoas estavam passando [depois de sua morte]. Eu nunca quis que parecesse um tapa na cara trazê-la de volta e levá-la embora novamente.

Então, quando Jason [Rothenberg] me ligou, ele disse: “Acho que tenho esta oportunidade que realmente gostaria de fazer com você. É o episódio final. O que queremos fazer com isso é apenas uma homenagem aos fãs e também para fazer uma declaração de que Clarke e Lexa realmente se amavam e se preocupavam uma com a outra. Seu amor se estenderá por muitas vidas. ” Acho que foi quando pensei: “Ok, esse é o único ponto que faz sentido.”

23. Você pensou muito nos fãs quando filmou o final da série?

Eu queria fazer isso especificamente para os fãs e ter um pequeno encerramento para finalmente sentir que houve uma volta positiva que aconteceu. Eu sei que era Lexa como a juíza e não necessariamente Lexa como ela mesma, mas eu ainda achava que o sentimento era importante. Foi uma homenagem ao quanto essas personagens se amavam e para ter um pouco de cura para os fãs. Tudo veio com muito amor e boas intenções.

24. Como foi se tornar Lexa novamente?

Foi surreal, mas também coube como uma luva. Era estranho como eu simplesmente escorregava de volta para a roupa. Acho que por ser uma personagem que passamos muito tempo criando e que tinha tantos atributos físicos – o figurino, a maquiagem, o cabelo – quando você veste algo assim, é uma experiência muito visceral. É muito como, “Oh, estou aqui neste personagem.” É muito bom.

25. O traje de Lexa era exatamente o mesmo quando você voltou?

Eles mantiveram a roupa de Lexa perfeitamente e eu me senti muito feliz comigo mesma. Eu estava tipo, “Oh, ainda serve. Está tudo bem.”

26. Você conseguiu manter alguma coisa do set de The 100?

Eu guardei o encosto da minha cadeira. Quando você está no set, você consegue levar as costas da cadeira do ator que tem no set. Então eu guardei isso. Bem, na verdade eles me presentearam ela em uma moldura, o que foi realmente adorável. Quanto a muitas outras coisas, não acho que tenho porque exatamente por essas razões que você tem que voltar de repente, três anos depois. Eles teriam ficado tipo “Ooh, nós realmente precisamos de você de volta.”

27. E, finalmente, você já pegou alguém assistindo a um de seus programas de TV ou filmes em um vôo?

SIM! Eu vi! E, eu não vou mentir, foi bem legal. Eu vi pessoas assistindo Fear the Walking Dead. Lembro que Into the Storm esteve em aviões por um tempo. Sim, FTWD e Into the Storm estavam em voos e me lembro de ter pensado, “Meu Deus, isso é tão legal!” Lembro também de sentar ao lado de alguém enquanto eles assistiam. Eu só estava pensando: “Estou bem do seu lado.” E eles não tinham ideia.

Você pode assistir Alycia em Fear the Walking Dead segundas no AMC Brasil.

Tradução e Adaptação: Amanda Lemos e Marina Brancher – ADCBR.

Fonte


Por sua performance incrível como Lexa em The 100 (aclamada, né?), escolha dos leitores blabba, a SpoilerTV fez um completo artigo sobre a atriz e sua performance, entrevistando pessoas como Elys e Jamie. Confira o artigo:

A Lexa de The 100 se tornou um personagem icônico graças em grande parte à interpretação de Alycia Debnam-Carey. Ela era uma personagem fria e calculista até estar perto da Clarke de Eliza Taylor. As duas personagens criaram um vínculo poderoso construído por curiosidade e respeito. Com o tempo, isso floresceu em atração que gradualmente evoluiu para amor. A razão pela qual a junção funcionou tão bem foi em grande parte devido à forma como Debnam-Carey lidou com o lado da Lexa do casal. Ela retratou Lexa como uma navalha afiada em torno de quase todo mundo e puxava para trás e suavizava Lexa quando ela estava com Clarke. Seu trabalho desempenhou um papel importante no quão querida a junção foi pelo público. Esse é um dos motivos pelos quais foi ainda mais doloroso quando a personagem morreu na terceira temporada. A perda de Lexa deixou um buraco no coração de Clarke e a perda de Debnam-Carey na série deixou um buraco escancarado nos corações dos fãs.

Então veio o final da série e por mais que Lexa não tenha voltado em The Last War (7×16), Debnam-Carey fez uma grande aparição final. Ela retratou o juiz sensato que presidiu o destino final da humanidade. Ela galantemente vestiu o traje de Lexa e exibiu sua pintura de guerra. Visualmente ela era Lexa, mas ela fez o juiz bem diferente e quase identificável. Este é um personagem com vasto conhecimento de uma infinidade de espécies que povoam a galáxia e ainda foi capaz de sentir o poder da ligação entre Clarke e Lexa. Debnam-Carey pegou um personagem que tão facilmente poderia ter sido unidimensional e fez a juíza com várias camadas, muitas vezes, apenas com a maneira que ela escolheu para falar ou se comportar. Também ajudou que ela conseguiu se reunir com Taylor e embora este não fosse um grande encontro romântico para seus personagens, ainda carregava um grande significado. Ela foi tão fundamental para a série que quase tiveram que trazê-la de volta ao final da série de alguma forma. Reuni-la com Taylor foi uma decisão bem elaborada. As duas são uma dupla poderosa de atuação e Debnam-Carey imediatamente voltou ao velho ritmo que ela compartilhava com Taylor. Um retorno épico junto com sua marca patenteada de atuação honesta e estóica é o que a tornou uma vencedora tão digna do título de Performer Escolha do Mês dos Leitores de Setembro da SpoilerTV.

Debnam-Carey apareceu pela última vez na série durante a 3ª temporada, então não era uma conclusão precipitada que ela estaria no final da série. O que você acha sobre ela fazer parte do final da série? Você ficou surpresa com o retorno sem aviso dela? Você acha que o retorno dela foi melhorado pelo fato de terem conseguido manter segredo por todos esses meses?

Aimee: Eu esperava que eles a trouxessem de volta para o final da série e fiquei feliz que a série não decepcionou. Lexa foi uma parte fundamental da série, mesmo muito depois de sua morte, que teria sido absurdo não encontrar uma maneira de trazer Debnam-Carey de volta no final. Mesmo que ela não tenha retornado como a amada Lexa, foi Debnam-Carey como atriz que fez Lexa ter o impacto profundo que ela causou. Eles precisavam daquela marca especial de atuação que ela oferece para ajudar a encerrar a série. Mesmo que eu tivesse a forte sensação de que eles iriam colocar pelo menos um cameo dela, ainda fiquei agradavelmente surpresa ao vê-la aparecer na tela. Estou muito impressionada que eles conseguiram manter seu retorno em segredo. Eu também fiquei agradavelmente surpresa com a capacidade em que a usaram. Eu esperava que se eles a trouxessem de volta seria uma piscadela rápida e sem consequências e você perderia esse momento, mas eles a incorporaram no episódio de uma forma impactante. Estou muito feliz que eles a trouxeram de volta e lhe deram um papel real para representar.

Ellys: Para mim, o retorno da imagem de Lexa no final da série foi mais um ovo de Páscoa do que um tributo ao legado e aos relacionamentos do personagem. Ainda assim, é inegável que Lexa e Alycia Debnam-Carey estarão para sempre ligadas ao impacto cultural do The 100. Trazê-la de volta para um último episódio em qualquer função foi apropriadamente simbólico dos sucessos mais brilhantes do programa e dos fracassos mais inesquecíveis. O termo icônico é freqüentemente usado em referências de entretenimento, mas Debnam-Carey realmente criou um ícone com sua atuação como Lexa ao longo dos anos, um ícone que remodelou o cenário da TV de inúmeras maneiras.

Jamie: Não fiquei surpresa porque já havia rumores online há algum tempo. Eu realmente acho que é bom que eles não promoveram. Da última vez, o episódio Thirteen (3×7) foi anunciado de antemão, o que provavelmente não ajudou nas coisas depois. E se seu retorno tivesse sido anunciado, todos teriam presumido (e esperado) que ela retornaria como Lexa, o que ela não fez. Portanto, manter isso em segredo foi a melhor maneira de chegar aqui. Mas estou extremamente feliz por ela ter voltado.

Ela voltou como a personificação de Lexa, mas interpretando um personagem totalmente diferente no Juiz. Ela foi uma de vários artistas que voltaram, para encarnar essa personagem. O que se destacou para você na interpretação dela como Juíza? Você acha que alguma das características antigas de Lexa se infiltrou em sua performance ou você viu essa performance como totalmente diferente?

Aimee: Ela tem a habilidade de dar alma aos personagens mais frios e fazer o público se importar com eles. Ela trabalhou essa mesma mágica com o Juiz e tornou sua versão do personagem mais atraente. Para não dizer que os outros artistas não fizeram um trabalho excelente ao trazer esse personagem à vida, eles fizeram, mas ela empurrou um pouco mais de humanidade para o Juiz para fazer as interações entre ela e Clarke terem um impacto mais significativo. Clarke e Lexa tinham uma conexão profunda na vida e essas memórias nunca desapareceram da mente de Clarke. O juiz aparentemente deveria sentir essas emoções fortes. Dessa forma, uma parte de Lexa foi um fator nas interações entre o Juiz e Clarke e Debnam-Carey fez um trabalho brilhante ao caminhar sobre uma linha muito tênue entre permitir que Lexa tivesse algum impacto no juiz sem perder o personagem para o memória de Lexa. Então, sim, acho que ela trouxe alguns aspectos de Lexa para sua performance, mas não de um jeito que fosse avassalador. Ela trouxe Lexa apenas o suficiente para homenagear a personagem que partiu, enquanto fazia o Juiz passar uma sensação completamente diferente. A performance que ela entregou foi fresca e original, respeitando o legado que ela construiu para Lexa e isso não foi uma tarefa fácil, mas ela conseguiu sem esforço.

Ellys: Debnam-Carey voltou para uma participação especial que exigia que ela apresentasse seu personagem icônico como uma mera concha, para reter quase todos os traços e definição de personalidade que fez Lexa quem ela era para o público e para Clarke Griffin. Sua atuação foi como uma aparição, nos assombrando em como ela nos lembrava alguém que ela não era.

Jamie: Algumas características de Lexa influenciaram sua performance, especialmente durante o abraço com Clarke. Seu retrato foi mais distante, no entanto. Foi terrivelmente difícil não vê-la como Lexa quando ela estava com a roupa e maquiagem.

Debnam-Carey teve uma impressão duradoura na série, mesmo muito depois de sua partida. Ela apresentou algumas performances poderosas como Lexa durante sua gestão na série. Qual de suas cenas como Lexa você acha que ela teve sua atuação mais impressionante?

Aimee: Escrevi muitos artigos ‘POTM’ (Performance do Mês) ao longo dos anos para Debnam-Carey. Para evitar repetir muitas coisas que, sem dúvida, disse muitas vezes neles, vou apenas listar meus cinco principais momentos favoritos dos meus cinco episódios favoritos. Survival of The Fittest (2×10) pela cena em que Lexa fica presa na jaula com Clarke. Muitas das bases para o relacionamento entre seus personagens realmente se firmaram neste episódio e naquele momento. Suas escolhas de atuação mostraram os sentimentos que estavam começando a surgir em Lexa. Bodyguard of Lies (2×14) pela memorável cena do primeiro beijo. Toda aquela cena do beijo, o que veio antes e depois, poderia ter parecido tão forçado se não fosse pelo comando magistral que ela tinha sobre Lexa para ser capaz de expressar todas as emoções que o personagem estava sentindo sem perder o controle. Watch the Thrones (3×4) pela a cena de batalha feroz que ela compartilhou com Zach McGowan como Roan. A convicção e ferocidade que ela trouxe para aquela cena foram impressionantes. Então Lexa venceu a batalha e em vez de matar Roan ela jogou a lança na Rainha Nia (Brenda Strong), matando-a e declarando Roan o Rei da Nação do Gelo. Toda aquela cena foi brilhantemente feita e cada ação que ela fez foi perfeitamente executada para transmitir tudo o que precisava ser declarado para causar impacto total. Thirteen pela polêmica cena da morte, apesar de partir o coração, a cena da morte de Lexa foi comovente, um ‘tour de force’ de Debnam-Carey enquanto ela conduzia o público através da dor excruciante de Lexa enquanto a personagem também tentava confortar Clarke. Houve um lindo momento de transição em que ela levou Lexa de uma dor intensa para uma calma pacífica enquanto aceitava seu destino. Eu entendo por que a série teve que descartá-la, mas também acredito que eles poderiam ter lidado com toda a saída de forma muito diferente, mas mesmo isso não poderia impedi-la de entregar uma performance profundamente impactante. Em seguida, veio Perverse Instantiation Pt. 2 (3×16) em que Lexa retornou à Clarke para uma aventura final juntos. Quando elas estavam juntas nas escadas após a convulsão de Clarke, isso deu a ela outro grande momento para mostrar o efeito que Clarke ainda tem sobre ela, mesmo nesta realidade de vida após a morte. Embora tenha sido um momento lindamente representado, talvez o mais memorável foi quando ela fez Lexa se comprometer a se sacrificar para proteger Clarke. Foi um final heróico que Lexa mereceu desde o início. Ela tinha os olhos de Lexa queimando de raiva e convicção enquanto ela avançava em direção à multidão. Esses são meus cinco principais momentos favoritos, mas há dezenas de cenas e performances incríveis que ela apresentou ao longo de seu tempo na série.

Ellys: Eu nunca fui capaz de esquecer como Debnam-Carey vendeu uma das reviravoltas mais fracas da série apenas com sua performance, enquanto ela vivia totalmente nos fardos e conflitos morais de sua personagem. Esta cena foi a traição de Lexa contra Clarke e o povo de Clarke no final da 2ª temporada, uma decisão que não funcionou em nenhum nível estratégico ou por qualquer tipo de ginástica mental. Debnam-Carey permitiu que o público ignorasse essa falha crítica na narrativa ao traduzir o tormento interno de Lexa vividamente, permitindo-nos sentir todo o peso trágico de uma decisão que Lexa sabia ter sido um erro. Sua atuação naquele episódio efetivamente preparou o palco para The 100 completar sua evolução em uma tragédia fatalista.

Jamie: Quero dizer, é difícil escolher apenas um. Mas suas cenas em Thirteen sempre vão se destacar para mim, porque ela retratou uma diferença muito clara entre a Comandante e Lexa. Além disso, na conversa pouco antes delas se beijarem neste episódio, li em algum lugar que as lágrimas de Lexa foram improvisadas por Debnam-Carey e isso realmente tornou a cena ainda mais poderosa.

Desde que ela estreou na série, sua parceira de cena principal sempre foi Eliza Taylor, então foi apropriado que ela encerrasse a série com Taylor. O que você gostou na parceria de atuação delas? Ela teve algumas cenas memoráveis ​​com outros membros do elenco também. Com quem você gostaria que ela tivesse trabalhado mais?

Aimee: Debnam-Carey e Taylor têm uma notável química de atuação desde que compartilharam a tela pela primeira vez. Sua dinâmica sempre foi magnética e fácil, mesmo quando seus personagens estavam em conflito. Acho que o que mais gostei na parceria deles foi como eles se deram bem. Eles eram uma dupla de atuação bem combinada e cada um sabia exatamente o que precisava trazer para sua performance para fazer a dinâmica de Lexa e Clarke atingir todos os pontos certos. O vínculo que criaram entre seus personagens era tão poderoso que, quando Lexa foi morta, o clamor daquele evento lançou uma campanha de proporções tão extraordinárias que mudou a forma como os personagens LGBT são tratados na televisão, levantou dinheiro para o ‘Trevor Project’ e lançou uma convenção de fãs. Uma resposta como essa só pode ser o efeito colateral de uma parceria de atuação sem precedentes que provocou uma emoção real e crua do público.

Quanto a com quem eu gostaria de vê-la atuar mais, isso é facilmente Marie Avgeropoulos. Elas trabalharam juntas um pouco, mas a série poderia ter feito muito mais com a dinâmica complicada entre Lexa e Octavia. Eu acho que eles deixaram muito em dúvida no que se refere à dinâmica entre essas personagens. Mais importante, eu acho que as atrizes eram bastante equilibradas e poderiam ter levado as coisas muito mais longe no empurra e puxa entre seus personagens. Eu teria gostado de ver Debnam-Carey e Avgeropoulos trabalharem juntos muito mais do que deveriam.2

Ellys: Eu pessoalmente teria adorado ver Debnam-Carey compartilhar mais cenas com Zach McGowan e Nadia Hilker, especialmente o último considerando a história complicada de Lexa e Luna. Em muitos aspectos, Lexa era a espada de dois gumes do The 100. Ela representou um poder e um desafio à narrativa escolhida pelo programa, esperança, coragem e liderança que quase ninguém mais trouxe ao mundo. Essas características provavelmente evoluíram do carisma e paixão de Debnam-Carey. Ela legitimou todo o universo do show com a forma orgânica como ela desempenhou o papel de Lexa. Realmente não havia maneira de o show chegar ao seu aparente final catastrófico se Lexa tivesse continuado a existir no show. Ela era um personagem muito poderoso, uma líder muito forte, muito sábia e compassiva. Ela também teria sido perfeita demais, se Debnam-Carey não tivesse equilibrado seu desempenho com uma centena de pequenas nuances de pesar e saudade.

Jamie: Eu amo que parecia que nenhum tempo havia passado desde a última vez que eles agiram juntos. A química ainda estava lá, eles ainda funcionavam tão bem um com o outro. Quanto a quem eu gostaria de vê-la interagir mais … Acho que nunca tivemos uma interação com Bellamy (Bob Morley). Isso teria sido interessante. Eu gostaria de ter conseguido algo com Madi (Lola Flanery) quando a chama ainda estava por perto. Mas também, Indra (Adina Porter). Ela ocupava uma posição bastante elevada quando Lexa ainda era a Comandante (eu acho), mas não acho que houve tantas interações entre eles.

Debnam-Carey teve apenas algumas cenas importantes neste episódio. Qual deles era o seu favorito? O que mais chamou sua atenção?

Aimee: O show deu a ela cenas importantes como o juiz para o final da série. A cena do reencontro deles foi linda, como Debnam-Carey, incerta, fez o juiz abraçar Clarke frouxamente como se ela estivesse tentando entender o significado completo por trás do abraço. Minha parte favorita era quando Clarke estava listando as coisas que ela tinha passado para justificar o que ela fez. Havia tanta suavidade na maneira como Debnam-Carey fez o juiz simpatizar e parecer realmente aceitar cada palavra que Clarke dizia e realmente se sentiu mal pelas coisas que Clarke suportou, embora suas ações fossem condenadas. Ela tinha emoção real e tangível em seus olhos e, ao trazer isso para o personagem, fez esse ser frio e implacável parecer quase humano. Os escritores não trouxeram Debnam-Carey de volta para uma grande redenção pelo que fizeram a Lexa. O final da 3ª temporada deu a Lexa aquela saída final, para o bem ou para o mal, mas deu ao público uma chance final de ver a dinâmica de Debnam-Carey e Taylor no trabalho apresentando aquela dupla de atores em toda sua glória. Mesmo com Debnam-Carey interpretando um personagem diferente, sua química de atuação ainda estava afiada e em sincronia como sempre. A cena final do episódio foi uma boa maneira de encerrar as duas jornadas no programa, mas a cena em que Clarke se abre e o juiz simpatiza foi uma grande vitrine para Debnam-Carey. Acho que essa cena deu a ela a liberdade de mostrar o máximo de emoção e realmente explorar a personagem. Fez um bom trabalho ao mostrar todas as razões pelas quais ela é uma atriz favorita dos fãs.

Ellys: É sempre um prazer reconhecer Debnam-Carey nesta plataforma. Ela é a artista que você assiste e que te lembra de todos os motivos pelos quais você adora televisão. Observá-la trabalhando como um personagem faz você mergulhar completamente em um show; ela nunca falha em cativar com suas performances ferozes. Embora o papel final da série tenha sido uma pequena participação, ainda evocou muitas memórias maravilhosas de tudo o que ela nos presenteou em Lexa.

Jamie: O abraço com Clarke provavelmente foi o que mais se destacou. Para ambas as atrizes, suas expressões foram praticamente as mesmas que em Perverse Instantiation Pt. 2. Aquele baixo “Eu não sou ela, Clarke” seguido por “Eu sei” apenas partiu meu coração. Por mais que eu desejasse que eles pudessem ter encontrado uma maneira de trazer a Lexa real de volta, pelo menos havia isso.

Qual é a sua opinião final sobre ela ganhar este reconhecimento?

Aimee: Debnam-Carey foi a primeira vencedora do POTM em 2016, portanto, fazendo dela a primeira integrante do elenco de The 100 a vencer esse longa. Parece um encerramento poético que ela também seja a vencedora final da série. Por esse motivo, fiquei emocionado ao vê-la vencer e fornecer um bom suporte para sua jornada na série. Mas foi mais do que isso, por seu pouco tempo na tela ela teve uma atuação forte e digna de nota. É uma prova de seu talento que, apesar do tempo limitado na tela, ela ainda causou impacto no episódio e captou a atenção do público. Ela tem um jeito dominador que não pode deixar de atrair o público para qualquer personagem que ela esteja interpretando. Mesmo que seu tempo em The 100 tenha definitivamente acabado, ela ainda estará enfeitando nossas telas como Alicia em Fear The Walking Dead e espero que possamos ser testemunhas de muitas performances mais profundas desta atriz talentosa. Esta pode ser sua vitória final por seu trabalho em The 100, mas espero que a veremos levar este título por muitos mais anos, enquanto ela continua a dar vida a personagens complexos de várias camadas da maneira especial que pode.

Ellys: Só lamento que tenhamos apenas um artista do mês a cada ano para dar a Debnam-Carey, já que vamos ter um trabalho incrível dela em Fear The Walking Dead nesta temporada. No entanto, estou muito feliz que os fãs tiveram outra chance de reconhecer seu papel verdadeiramente icônico como Lexa.

Jamie: Quer dizer, não fiquei tão surpreso que ela tenha ganhado esse reconhecimento. Debnam-Carey sempre foi extremamente popular entre os fãs desse show. Mesmo depois de sua partida, isso não mudou muito. Para mim, ela roubou os holofotes neste episódio. A qualidade na narrativa tem diminuído constantemente, acho que a maioria dos fãs concordaria com isso, e duvido que o final tenha sido o que alguém imaginou que seria. Para mim, sua atuação foi uma espécie de luz na escuridão. Sua personagem teve um impacto muito grande em mim 4 anos atrás, sua morte um impacto igualmente grande. Eu gostaria muito de agradecê-la por sua representação.

Debnam-Carey nunca foi uma série regular neste programa, mas o impacto que ela teve no The 100 foi profundo. Ela pegou as palavras que foram dadas a ela e as elevou a tal ponto que Lexa ganhou vida própria. Ela era uma personagem que os escritores nem pareciam conter, mas que Debnam-Carey instintivamente sabia como comandar. É por causa de todo o coração, alma e carisma que ela infundiu em Lexa que a tornou uma figura tão icônica no léxico da mídia televisiva. Ela terminou a série não como Lexa, mas como uma juíza supervisionando o teste final de humanidade, e de alguma forma isso parecia adequado. Em sua apresentação final no The 100, ela é a Performer do mês da SpoilerTV em setembro.

Use os comentários para discutir todas as suas partes favoritas da performance de Alycia Debnam-Carey em A Última Guerra.

Fonte

Alicia Clark está prestes a entrar em ação em grande estilo na 6ª temporada de ‘Fear TWD’

É difícil lembrar que Alicia Clark era uma estudante de ensino médio quando o apocalipse zumbi aconteceu em ‘Fear The Walking Dead’. Ela certamente percorreu um longo caminho depois de perder sua família e ganhar uma nova. Agora, na sexta temporada de ‘Fear TWD’, ela está prestes a começar a fazer suas próprias decisões pra proteger ela mesma e as pessoas com quem ela se importa.

No final do episódio dois da sexta temporada, Victor Strand mandou Alicia se afastar porque ele sabia que pra conseguir tirá-los do controle de Virginia, ele precisava fazer coisas que Alicia talvez não concordasse. Ela não sabe disso, o que deixa a situação ainda mais difícil porque ela acha que ele simplesmente a dispensou.

Tudo que a Alicia sabe é que ela está por conta própria com a Charlie e que elas precisarão encontrar, juntas, um jeito de sobreviverem.

Alicia sempre foi forte mas ela vai ter que ser mais do que nunca porque agora ela está verdadeiramente sozinha. Mesmo quando as coisas estavam piores na terceira temporada, ela ainda tinha o Jake (mais ou menos) e a família dela com ela. Agora, ela é a única protegendo a Charlie dos perigos e isso coloca ela em todo um papel de defensora.

Alycia Debnam-Carey deu a entender esta transformação antes do início da temporada durante uma entrevista no set de ‘Fear TWD’ em fevereiro:

Alycia Debnam-Carey:“Eu digo isso toda temporada, é como se Alicia estivesse se encontrando, ela está virando quem ela precisa ser mas é algo realmente difícil quando você começou uma série sendo uma adolescente e está passando pela maior transição (para adulta), então essa é a primeira temporada onde não há dúvida sobre qual é o papel dela em tudo isso. Ela é uma dos adultos e está lá como uma verdadeira candidata para a liderança e o que ela quer fazer tem gravidade e peso. É diferente (justamente) porque há mais peso, há mais gravidade do que antes. Há muitas visões diferentes entre os personagens de como as pessoas deveriam estar vivendo e a visão dela de como viver definitivamente tem algum peso por trás. Então, é isso que está diferente, a perspectiva dela, as opiniões dela estão realmente se aprimorando e eu acho isso incrível”

Nós sabemos que o legado da Madison tem vivido pela Alicia desde que o matriarcado da família Clark morreu na quarta temporada. Todas as decisões da Alicia até agora representaram o pedido que sua mãe fez para ajudar outras pessoas e isso vai realmente tomar conta dela agora que ela tomou a responsabilidade de proteger a Charlie.(Apesar de podermos encarar que – Charlie pode cuidar de si mesma tranquilamente)

Agora que o Strand partiu, é a chance da Alicia de virar a líder que ela foi feita pra ser desde sempre.

Foi necessária essa jornada de perda e recuperação para se tornar a líder feroz que ela estava destinada a se tornar para honrar sua mãe. E agora, na sexta temporada, é hora de vê-la liberar esse potencial e mostrar pra Virginia com quem ela está se metendo, e isso vai ser muito divertido de se assistir!

Tradução e Adaptação, ADCBR.

Fonte.

Contém spoilers do Episódio 2, temporada 6 de Fear the Walking Dead, “Bem-vindo ao clube”

No final do episódio desta semana de Fear the Walking Dead, após um ataque de zumbis angustiante na fábrica de melaço (não é uma piada), o equilíbrio de poder mudou dramaticamente na comunidade de Virginia (Colby Minifie). Victor Strand (Colman Domingo) foi promovido e se tornou um de seus tenentes e, sabendo que não pode confiar em si mesmo para manter seus amigos seguros, mandou Alicia (Alycia Debnam-Carey) para longe.

Essa traição não apenas magoa porque nós, como espectadores, confiamos em Strand (apesar de todas as razões em contrário), mas também divide dois dos poucos personagens restantes da 1ª temporada. E o pior de tudo, deixa Alicia completamente sozinha: com seu padrasto Travis (Cliff Curtis), mãe Madison (Kim Dickens) e irmão Nick (Frank Dillane) mortos, Strand é um dos últimos fios de conexão que ela tem com sua vida no início do apocalipse.

“É um lembrete gritante de que o caminho para o sucesso e a segurança tem um custo”, afirmou Debnam-Carey a Decider sobre o exílio de Alicia no final do episódio.

Você pode ver a dor no rosto de Alicia enquanto ela é expulsa do assentamento principal dos Pioneers, mas os fãs fiéis saberão que a Clark sobrevivente é forte o suficiente para perseverar, de qualquer maneira. “O que vimos de Alicia, ao longo de todas essas temporadas, é que ela pôde aprender com tantos personagens”, continuou Debnam-Carey. “Da família, de Madison, de Nick, de Strand – e como eles usaram suas características, seus valores essenciais para sobreviver. Alguns que foram bastante implacáveis.”

Para muitos personagens – e brevemente para Alicia na 5ª temporada – isso significaria uma queda em desgraça, ou uma chance de dar um passeio no lado escuro da rua. Felizmente, de acordo com Debnam-Carey, Alicia superou isso, e a traição de Strand não a quebrará.

“Alicia sempre liderou”, observou Debnam-Carey. “Seus valores inerentes são bastante estáveis ​​e se baseiam na ideia de compaixão e unidade. Mas o que também beneficia Alicia é o lembrete de que às vezes você tem que ser um pouco mais frio e estratégico, e um pouco mais implacável para garantir sua sobrevivência e garantir que você vai ficar bem. ”

E assim como Strand sabia que ele acabaria jogando Alicia para os lobos se tivesse a chance, e lutou para encontrar uma solução para se conter; Alicia também sabe quem Strand é e não inveja suas decisões, mesmo que doam. “Uma das dinâmicas importantes que ela e Strand compartilham é que ela sabe que ele era um vigarista desde o início”, disse Debnam-Carey. “Ela provavelmente o conhece mais do que qualquer outra pessoa neste grupo. Para ter esse lembrete – é muito importante saber para onde ela está indo em seguida. E eu acho que é uma escolha raciocinada que permitirá que ela se torne uma pessoa melhor, uma sobrevivente mais capaz e, potencialmente, uma líder muito melhor.”

Particularmente com seu mentor Morgan Jones (Lennie James) ainda lá fora, e construindo sua própria pequena revolução contra a Virgínia, parece que as habilidades de Alicia surgirão mais cedo, e não mais tarde. A única pergunta é: Strand tentará impedi-la? “Toda a sua dinâmica, todos os seus relacionamentos desde o início foram, realmente, eu acho, uma grande parte do motivo pelo qual ela ainda está de pé”, disse Debnam-Carey.

Cruzem os dedos para que, quando as paredes desmoronarem em torno da civilização da Virgínia, Alicia ainda esteja por perto para lutar o bom combate.

Fear the Walking Dead vai ao ar aos domingos às 9/8c no AMC, às manhãs de domingo no AMC + nos Estados Unidos, e às segundas, no canal AMC, no Brasil às 23h.

Fonte

Tradução e Adaptação por Romina V. Rocha, ADCBR