Alycia sobre deixar Lexa e ‘The 100’ por ‘FTWD’
Postagem por: Nalígia Moura

Alycia Debnam-Carey fala sobre a raiva dos fãs sobre o destino de Lexa, a síndrome das lésbicas mortas na TV e o que esperar da segunda temporada de Fear The Walking Dead [Aviso: Spoilers]

É preciso de um tipo especial de mulher, como a atriz de 22 anos Alycia Debnam-Carey, para forjar uma carreira promissora para fora do medo mais escuro da humanidade: a extinção. Como a feroz Lexa em The 100 da CW, ela comandou um clã de guerreiros em um mundo devastado por um apocalipse nuclear. E em Fear The Walking Dead da AMC, que a segunda temporada tem sua estreia Domingo (10 de Abril), a sua personagem Alicia é um dos poucos que sobreviveram os primeiros dias do surto de vírus zumbi em Los Angeles.

Quatro semanas atrás no drama culto de sucesso da CW, Lexa, uma adorável personagem lésbica, foi morta por uma bala perdida, disparada por um servo irritado que tinha intenção de matar outra pessoa. Que essa morte veio segundos depois de Lexa ter consumado seu romance com Clarke, outra líder de um clã, promoveu protesto dos fãs acusando a série de ter dado um clichê de TV onde personagens lésbicas ou bissexuais são frequentemente mortos depois de ter experimentado um momento luminoso ou de felicidade. (O tropo é geralmente chamado de Bury Your Gays ou Dead Lesbian Syndrome). O episódio que foi ao ar uma semana depois da morte de Lexa foi a menor audiência na história da série – ao invés de assistir, os fãs colocaram a tag #LGBTfansdeservebetter nos assuntos mais falados no Twitter durante o tempo que The 100 estava no ar. Rothenberg tem perdido milhares de seguidores no Twitter, enquanto alguns tem organizado maneiras de reduzir a intensidade de fãs da série na rede social. Agora, em retrospecto, Rothenberg diz que ele “teria feito algumas coisas diferentementes”, como distanciar a cena de sexo de Clarke e Lexa da morte da tal e não divulgar a sua relação com otimismo enganoso na rede social.
Em um artigo sobre o tema, a crítica de TV Maureen Ryan colocou a resposta dos fãs em contexto, escrevendo: “Este não é um chamado para os produtores para ceder ao seu público, longe disso. É um lembrete de que cada virada na história e esforço promocional deve ser cuidadosamente pensado. Movimentos desleixados por uma série ou o seu pessoal, não são fáceis de enterrar ou ignorar estes dias, e o envolvimentos dos fãs é uma colaboração, e não uma torneira para ser desligada sempre que as coisas ficam inconvenientes”.
Debnam-Carey, por sua vez, diz que compreende a chamada dos fãs para ação, embora ela admite que suas reações apaixonadas à morte de sua personagem a pegou de surpresa.
“A questão social e cultura expôs-se com esse episódio” diz ela. “Eu não acho que alguém [no programa] realmente esperou essa reação. Assim, quando tivemos uma resposta tão forte e apaixonada, ninguém estava realmente pronto para isso”. “Com qualquer tipo de minoria, as questões de ostracismo ou deturpação são claramente excessiva” continua a atriz. “É tão profundamente enraizado na nossa cultura e há tantos níveis que escorre. Torna-se uma questão de diversidade e igualdade e raça e gênero. Em um sentido paralelo, bem como, há a questão de personagens negros serem mortos primeiro. Eu sei que tem sido um tema de conversa ao longo do último par de anos. Então, essas são enormes escalas culturais e barreiras sociais que nós estabelecemos, e eu acho que agora é hora de começar a quebra-las”.
Embora Debnam-Carey diz que é “horrível pensar que as pessoas estavam obviamente muito verdadeiramente afetadas pela morte de Lexa, de forma negativa”, ela está orgulhosa da maneira como muitos fãs canalizaram suas energias para arrecadar 100 mil dólares (e contando) para o Trevor Project, um serviço de prevenção do suicídio entre jovens LGBT.  “Eu não posso nem sequer imaginar isso. Isso é incrível”, diz ela. “Só de pensar que teve tal impacto sobre as pessoas. É uma espécie de uma honra. Tornou-se uma coisa positiva, que é realmente a coisa mais importante sobre tudo”.
Agora que ela se despediu de Lexa, Debnam-Carey – uma amável australiana que começou sua carreira no documentário Next Stop Hollywood – está ansiosa para mostrar suas habilidades matando zumbis na segunda temporada de Fear The Walking Dead.
Em vez de pós-apocalipse, sua personagem Alicia luta para sobreviver o começo do apocalipse, tal como o vírus zumbi tem sobrecarregado Los Angeles. No final da primeira temporada, Alicia e sua família embarcaram no iate de um sobrevivente misterioso para fugir da cidade, embora como eles aprendem rapidamente, estando fora do oceano não significa que os zumbis não os seguirão. Senhoras e senhores, por favor recebam zumbis marítimos para a tela.
O segundo round de Debnam-Carey no apocalipse veio com as regalias de experiência, ela diz “Eu acho que eu vim para ele sabendo o que esperar, que é ser muito sujo e provavelmente molhado maior parte do tempo”, ela ri. “É certamente um gênero divertido de se fazer parte. Nunca há um momento de tédio”.
Enquanto Alicia, uma adolescente em uma família mista de classe média que já teve de dizer adeus a um ente querido, um namorado, é tão adepta de sobrevivência de emergência como a média americana – “Eu estaria morta, em tipo, 20 minutos” – Debnam-Carey tem grandes esperanças de transformar seu personagem para o tipo de guerreiro visto na série irmã, The Walking Dead.
“Eu vou dizer que houve uma arma que foi plantada em um dos [Segunda temporada] episódios que me foi dada, um canivete”, diz ela. “E então o próximo episódio foi tirado dela. E eu fiquei “Não, você não pode tomar isso, que é como, a arma dela agora! ”“ Nós não estávamos estabelecendo-o como isso’” diz ela, brincando de mimica imitando a voz do escritor do show. “Eu fiquei, ‘Não, não, tem que ser’Eu estava fascinada por usá-lo e jogar com ele e todos os dublês estavam me ensinando truques sobre como usá-lo. Então eu fiquei ligada a ele muito rapidamente e era como, por favor, trabalhe isso no roteiro!… Eu fui no Youtube e vi vídeos da Angelina Jolie em algum talk show mostrando as pessoas truques com canivetes e eu estava tipo ‘Isso é o que eu quero fazer’”.
Especialmente em comparação com a temível Lexa, Alicia é uma das mais confiantes e compassiva sobrevivente – mais provável para tentar resgatar um estranho em um barco afundando a questionar seus motivos e deixa-lo morrer, como a família ao seu redor preferiria. Mas à medida que a sociedade se desfaz e o mundo desce em violência, isso provavelmente mudará.
“Eu acho que ela ainda tem uma esperança de que essa [crise] é passageira e que as achar conexões com as pessoas é a coisa mais importante”, diz Debnam-Carey sobre Alicia. “Os outros tem um ponto de vista diferente e estão começando a entrar em acordo com a verdadeira realidade da situação. Então, por um tempo, Alicia luta com a ideia do que realmente importa, se é nutrir e compaixão ou pragmatismo e racionalidade”.
“Eu sinto que ela poderia estar pronta, eventualmente, tornar-se um pouco guerreira, mas eu realmente não sei neste momento”, diz ela.
Ela pode ir torcendo para que nenhuma bala perdida cruze seu caminho.

 

Tradução e Adaptação ADCBR.

Fonte: http://www.thedailybeast.com/