Alycia fala sobre Lexa e The 100
Postagem por: Nalígia Moura

Alycia concedeu uma entrevista falando sobre o futuro de Lexa e como é interpretar seu personagem em The 100. Confira a entrevista completa logo abaixo:

 

Sei que os fãs estão felizes que você está de volta, porque quando “Fear The Walking Dead” foi anunciado todos ficaram muito nervosos!

Alycia Debnam-Carey: Sim, eu sei! Felizmente, os shows foram realmente úteis para me ajudar a resolver isso, porque eu amo muito esse show e é o personagem que mais gostei de interpretar. Eu definitivamente queria voltar. E o fato de que esse show começou sem realmente muita expectativa,  vê-lo ter depois  tantos seguidores apaixonados, você realmente quer dar a eles  o que eles querem.

Será que os fãs verão que Lexa é diferente do que eles viram pela última vez?

ADC: Eventualmente. A grande coisa sobre a terceira temporada é chegarmos a aprofundar as nossas relações com os personagens. Temos que ver tantas facetas mais deles com o relacionamento de Lexa e Clarke. O que nós começamos a ver na segunda temporada foi um pouco mais de uma abertura e uma compreensão do outro e em outras culturas. E eu acho que, apesar da traição que aconteceu elas veem a relação de tudo.

E você ficaria surpreso. O momento em que o mundo desaba você começa a esquecer a história e irregularidades do passado. E isso é a coisa com este show. Um monte de pessoas têm escolhas ruins e piores para fazer. E assim, você meio que tem que apenas se adaptar ao ambiente [e] com as situações que são dadas a você.

É o que vamos ver com Clarke e Lexa mesmo depois da  traição, a situação agora delas está em …

ADC: Sim. Como sabemos Lexa mantém suas estratégias sempre bem guardadas. Ela não revela muito e é o que a torna tão intrigante, mas também porque você é como, “O que está acontecendo por baixo lá? O que você está escondendo? “E ela tem um monte de dor e sofrimento que ela teve de segurar e manter seu povo vivo.
Com a terceira temporada  Clarke é a primeira pessoa em sua vida que realmente que a  vê como igual com e não um igual no poder ou força, mas na posição. Ambas compartilham um peso muito semelhante sobre os seus ombros … ninguém está imune a amar assim em algum momento [Lexa é] vai ter que abrir um pouco.

Vamos falar sobre o poder. O poder pode ser um afrodisíaco. Pode ser corrupto. Pode ser uma coisa boa. Você acha que o poder é uma coisa boa para Lexa no final do dia?

ADC: Eu acho que Lexa está  uma posição única de poder. Ela é o primeira dos comandantes que tem tido uma mente mais aberta sobre o que o poder pode ser. Os comandantes sempre tiveram um aperto de aço muito no poder o que significa ter respeito e lealdade entre os seus povos.
Não sei que poder é um afrodisíaco ou se é uma coisa do ego para ela porque é muito maior do que isso. É provavelmente uma responsabilidade e um pouco de peso que ela  sempre apenas teve de suportar. Ela nunca realmente teve uma infância. Ela só tinha de crescer e de repente abraçar o peso de enorme e o que é realmente interessante sobre a terceira temporada. Nós começamos a ver realmente a linha de comandantes anteriores.É uma pergunta muito boa porque o que é poder? Ambos [Lexa e Clarke] estão lutando com ele . Ela está finalmente toma dimensão e admite seu  poder e de ter uma posição semelhante Lexa então seus mundos colidem.

Vemos um monte de casais não mostram química, mas obviamente você tem uma grande faísca com Eliza. Como é trabalhar com Eliza comparando com alguns dos outros papéis românticos ou outros parceiros que você teve em sua carreira?

ADC: É ótimo. Nós nos conhecemos muito bem. Nós realmente somos boas amigas o que ajuda porque estamos sempre em um ambiente seguro [e livre] para ser capaz de falar sobre isso e discutir onde estamos vindo, ponto de vista de um personagem ou o que pensamos sobre a cena .

Às vezes  quando você está fazendo uma cena de amor com alguém ou química com qualquer um, você não quer falar sobre isso  pode ser surpreendentemente embaraçoso. É o nosso trabalho e não é de qualquer forma, quando você faz isso, uma experiência sexy. É muito técnico. Mas a diferença é quando é seguro e aberto e você pode tentar experimentar diferentes maneiras de interpretá-lo e eu acho que isso é que é tão grande com Eliza é que ambos temos uma compreensão e apreciação disso.

Estamos em um momento onde o público abraça estes casais do mesmo sexo e sem sequer vê-los como casais do mesmo sexo, eles adoram os casais, mas o que você acha disso?

ADC: Sinto-me tão honrada  em poder interpretar um personagem como esse em um momento tão cultural, onde tudo está se tornando mais aberto. E eu amo que o show não explora rótulos e essa é a coisa. Ele começa a aprimorar um mundo e temas universais e as pequenas coisas. É sobre duas pessoas que se amam e é engraçado que é ainda um tópico para ser honesta. Eu acho que para as gerações mais novas isso não é um problema. Mas é agradável  finalmente ser capaz de expressar isso em forma de arte e através dos  meios de comunicação tão livremente. E eu amo que sobre este mundo, não há rotulagem.

Tradução e Adaptação ADCBR